99.99% fine aluminum isolated on white background

Versátil e sustentável: 5 fatos que você precisa saber sobre o alumínio

Disponível no mercado há apenas 150 anos, o metal tem imenso potencial de uso

Você sabe como o alumínio é feito? Quais as principais propriedades? Há quanto tempo é usado pela indústria? Por que é considerado um material sustentável e em linha com as atuais demandas da sociedade? Se você tem dúvidas sobre esse metal, chegou a hora de saber as respostas!

As informações abaixo foram retiradas do site da Associação Brasileira do Alumínio (ABAL). Confira:

1 – O alumínio é um metal jovem
O alumínio é um metal produzido a partir de três processos: o primeiro deles é a mineração da bauxita, minério amplamente encontrado no Brasil — temos a quarta maior reserva do mundo. Depois, a bauxita é refinada e transformada em alumina. Por fim, a alumina é reduzida e passa a ter a forma do alumínio (2 t de alumina geram 1 t de alumínio).

O interessante é que o alumínio só começou a ser produzido comercialmente há cerca de 150 anos — o ferro, por exemplo, tem uso milenar: já em 1200 a.C. era tratado como o substituto ideal do bronze em utensílios da época. Isso mostra que o metal tem grande potencial de uso e desenvolvimento, com muito espaço para conquistar no mercado.

Potencial de crescimento: em 2019, o Brasil deve ter aumento de 9% no consumo de alumínio (adobe.stock.com)

 

2 – O metal tem inúmeras propriedades
– É leve e, ao mesmo tempo, resistente;
– Tem elevada capacidade de condução de energia elétrica;
– É impermeável, não permitindo a passagem de umidade, oxigênio e luz;
– É resistente a agentes externos, intempéries, raios ultravioleta, abrasão e riscos;
– Tem alta maleabilidade e soldabilidade;
– Pode receber acabamentos diversos;
– É infinitamente reciclável.

Todas essas características tornam o alumínio o material ideal para ser usado em embalagens, meios de transporte, na construção civil e indústria elétrica, na fabricação de máquinas e aparelhos eletrônicos, em bens de consumo e muito mais!

O setor de embalagens é o maior consumidor de alumínio do Brasil: o metal protege os produtos da umidade, oxigênio e raios UV (adobe.stock.com)


3 – A mineração é sustentável
A palavra “mineração”, infelizmente, é vista com desconfiança por boa parte dos brasileiros. Mas é importante entender que a lavra da bauxita é absolutamente sustentável e tem práticas específicas.

No Brasil, além de seguir todas as diretrizes da legislação, o trabalho é feito pelo método mining strips: grandes tiras de terra que são exploradas e recuperadas na sequência.

O processo começa com a criteriosa remoção da cobertura vegetal e da camada de estéreis da terra, que são preservadas para reuso. Depois, a bauxita é extraída e levada para beneficiamento. Quando a lavra de uma tira chega ao fim, uma nova é aberta, ao mesmo tempo em que se inicia a recuperação da terra minerada, com a devolução da camada de estéreis e da cobertura vegetal originais, além do replantio de espécies locais. No Brasil, as mineradoras mantêm a relação de 1 para 1 entre área minerada e reabilitada – proporção que vai além da exigida por lei.

No Brasil, a mineração da bauxita é feita pelo método mining strips: grandes tiras de terra são trabalhadas e recuperadas na sequência (Divulgação CBA)

4 – Todas as refinarias nacionais são certificadas
Empresas que mineram e industrializam o material no Brasil são certificadas pela Aluminium Stewardship Initiative (ASI). O selo atesta que as operações de lavra da bauxita e sua industrialização são ambientalmente sustentáveis, socialmente responsáveis e atendem aos melhores controles de governança.

Para se ter ideia da importância dessa certificação, multinacionais como a Audi e Nestlé já aderiram à ASI, se comprometendo a usar apenas alumínio certificado. E mais: o Brasil é o único dos grandes produtores de alumina do mundo que tem todas as suas fábricas certificadas pela ASI.

Empresas brasileiras têm o selo ASI: atestado de que as operações de lavra da bauxita e sua industrialização são ambientalmente sustentáveis, socialmente responsáveis e atendem aos melhores controles de governança (adobe.stock.com)

5 – Somos líderes mundiais de reciclagem
O alumínio pode ser reciclado infinitas vezes, sem perder as características no processo de reaproveitamento, o que não ocorre com outros materiais. Sucatas geradas por produtos de vida útil esgotada, sobras do processo produtivo, utensílios domésticos, latas de bebidas, esquadrias de janelas, componentes automotivos: praticamente tudo feito a partir do metal pode ser fundido e empregado novamente na fabricação de novos produtos.

Vale destacar que o Brasil é líder global no reaproveitamento de latas de alumínio para bebidas — em 2017, de acordo com a Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) e a Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alumínio (Abralatas), 97,3% das latinhas produzidas no País foram recicladas. Para se ter ideia, a média mundial de reaproveitamento do item é de 69%, segundo levantamento realizado pela Resource Recycling Systems (RRS), contra 43% para as garrafas PET e 46% para as garrafas de vidro.

Líder mundial de reciclagem de latas de alumínio: 97,3% das latinhas produzidas no País foram reaproveitadas em 2017 (Ivan Pagliarani)



Veja também:

Indústria 4.0 traz desafios e oportunidades para o setor do alumínio

Todos os segmentos industriais estão sendo impactados pelo digital. Realidade nos negócios, as novas tecnologias abrem caminhos diversos, desafiadores e ricos em oportunidades. “Trata-se de um processo contínuo de mudança, uma jornada onde cada empresa deve ter a capacidade de avaliar e usufruir o que considera melhor para agregar valor para o negócio”. Essa é

Alumínio é protagonista no cenário do musical “A cor púrpura”

Em cartaz no Theatro Net SP até janeiro de 2020, “A cor púrpura”, espetáculo inspirado no livro de Alice Walker, teve a cenografia indicada ao prêmio Cesgranrio de Teatro. O destaque do cenário é uma casa giratória sem paredes, com pilares e telhado de alumínio, projetada para retratar todas as moradias da personagem no decorrer da apresentação, a partir da mudança de ângulos. O alumínio foi usado devido à leveza.

Futurista, ACM destaca-se pela pluralidade

Uma lâmina de alumínio, núcleo de polietileno e outra lâmina do metal. Essa é a receita do “sanduíche” que forma o painel de alumínio composto, o ACM, sigla proveniente do inglês aluminum composite material. O composto chegou ao Brasil na década de 1990, após fazer sucesso na Europa e Estados Unidos. Inovador, versátil, durável e

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu