99.99% fine aluminum isolated on white background

Versátil e sustentável: 5 fatos que você precisa saber sobre o alumínio

Disponível no mercado há apenas 150 anos, o metal tem imenso potencial de uso

Você sabe como o alumínio é feito? Quais as principais propriedades? Há quanto tempo é usado pela indústria? Por que é considerado um material sustentável e em linha com as atuais demandas da sociedade? Se você tem dúvidas sobre esse metal, chegou a hora de saber as respostas!

As informações abaixo foram retiradas do site da Associação Brasileira do Alumínio (ABAL). Confira:

1 – O alumínio é um metal jovem
O alumínio é um metal produzido a partir de três processos: o primeiro deles é a mineração da bauxita, minério amplamente encontrado no Brasil — temos a quarta maior reserva do mundo. Depois, a bauxita é refinada e transformada em alumina. Por fim, a alumina é reduzida e passa a ter a forma do alumínio (2 t de alumina geram 1 t de alumínio).

O interessante é que o alumínio só começou a ser produzido comercialmente há cerca de 150 anos — o ferro, por exemplo, tem uso milenar: já em 1200 a.C. era tratado como o substituto ideal do bronze em utensílios da época. Isso mostra que o metal tem grande potencial de uso e desenvolvimento, com muito espaço para conquistar no mercado.

Potencial de crescimento: em 2019, o Brasil deve ter aumento de 9% no consumo de alumínio (adobe.stock.com)

 

2 – O metal tem inúmeras propriedades
– É leve e, ao mesmo tempo, resistente;
– Tem elevada capacidade de condução de energia elétrica;
– É impermeável, não permitindo a passagem de umidade, oxigênio e luz;
– É resistente a agentes externos, intempéries, raios ultravioleta, abrasão e riscos;
– Tem alta maleabilidade e soldabilidade;
– Pode receber acabamentos diversos;
– É infinitamente reciclável.

Todas essas características tornam o alumínio o material ideal para ser usado em embalagens, meios de transporte, na construção civil e indústria elétrica, na fabricação de máquinas e aparelhos eletrônicos, em bens de consumo e muito mais!

O setor de embalagens é o maior consumidor de alumínio do Brasil: o metal protege os produtos da umidade, oxigênio e raios UV (adobe.stock.com)


3 – A mineração é sustentável
A palavra “mineração”, infelizmente, é vista com desconfiança por boa parte dos brasileiros. Mas é importante entender que a lavra da bauxita é absolutamente sustentável e tem práticas específicas.

No Brasil, além de seguir todas as diretrizes da legislação, o trabalho é feito pelo método mining strips: grandes tiras de terra que são exploradas e recuperadas na sequência.

O processo começa com a criteriosa remoção da cobertura vegetal e da camada de estéreis da terra, que são preservadas para reuso. Depois, a bauxita é extraída e levada para beneficiamento. Quando a lavra de uma tira chega ao fim, uma nova é aberta, ao mesmo tempo em que se inicia a recuperação da terra minerada, com a devolução da camada de estéreis e da cobertura vegetal originais, além do replantio de espécies locais. No Brasil, as mineradoras mantêm a relação de 1 para 1 entre área minerada e reabilitada – proporção que vai além da exigida por lei.

No Brasil, a mineração da bauxita é feita pelo método mining strips: grandes tiras de terra são trabalhadas e recuperadas na sequência (Divulgação CBA)

4 – As refinarias nacionais são certificadas
Empresas que mineram e industrializam o material no Brasil são certificadas pela Aluminium Stewardship Initiative (ASI). O selo atesta que as operações de lavra da bauxita e sua industrialização são ambientalmente sustentáveis, socialmente responsáveis e atendem aos melhores controles de governança.

Para se ter ideia da importância dessa certificação, multinacionais como a Audi e Nestlé já aderiram à ASI, se comprometendo a usar apenas alumínio certificado. E mais: o Brasil é o único dos grandes produtores de alumina do mundo que tem todas as suas fábricas certificadas pela ASI.

Empresas brasileiras têm o selo ASI: atestado de que as operações de lavra da bauxita e sua industrialização são ambientalmente sustentáveis, socialmente responsáveis e atendem aos melhores controles de governança (adobe.stock.com)

5 – Somos líderes mundiais de reciclagem
O alumínio pode ser reciclado infinitas vezes, sem perder as características no processo de reaproveitamento, o que não ocorre com outros materiais. Sucatas geradas por produtos de vida útil esgotada, sobras do processo produtivo, utensílios domésticos, latas de bebidas, esquadrias de janelas, componentes automotivos: praticamente tudo feito a partir do metal pode ser fundido e empregado novamente na fabricação de novos produtos.

Vale destacar que o Brasil é líder global no reaproveitamento de latas de alumínio para bebidas — em 2017, de acordo com a Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) e a Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alumínio (Abralatas), 97,3% das latinhas produzidas no País foram recicladas. Para se ter ideia, a média mundial de reaproveitamento do item é de 69%, segundo levantamento realizado pela Resource Recycling Systems (RRS), contra 43% para as garrafas PET e 46% para as garrafas de vidro.

Líder mundial de reciclagem de latas de alumínio: 97,3% das latinhas produzidas no País foram reaproveitadas em 2017 (Ivan Pagliarani)



Veja também:

Coronavírus sobrevivem menos tempo em superfícies de alumínio?

Com o avanço da pandemia da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2), muitas pessoas receberam por mensagem de WhatsApp ou viram nas redes sociais informações de uma pesquisa que mostra quanto tempo o vírus resiste em determinadas estruturas, dentre elas, as de alumínio. Para evitar qualquer desinformação em um momento tão crítico, fomos atrás

Mulheres conquistam cada vez mais espaço na indústria do alumínio

O debate sobre igualdade ainda é amplo e a conscientização das empresas cresce na mesma proporção da participação das mulheres em diferentes papéis no mercado de trabalho, inclusive em áreas historicamente com maior concentração masculina. No setor do alumínio não é diferente. A profissional Sylvia Sanchez faz parte dessa história. Ela iniciou a carreira na

Novelis e Ball promovem a reciclagem no bloco Galo da Madrugada

Tradicional em Recife (PE) e com estreia este ano em São Paulo (SP), o Galo da Madrugada, famoso bloco carnavalesco, contará com uma ação de reciclagem nos dias 22 e 25 de fevereiro, respectivamente. Trata-se de uma iniciativa das empresas Novelis e Ball, executada pelo projeto “Do meu lixo cuido eu” em parceria com cooperativas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu