Qualidade comprovada

PSQ para esquadrias de alumínio divulga primeira lista de fabricantes homologados e dá andamento às próximas etapas para a normalização do produto


No mês de junho, o Relatório Setorial nº 001 foi publicado no site do Ministério das Cidades. O documento apresenta a primeira relação de fabricantes de esquadrias de alumínio qualificados pelo Programa Setorial da Qualidade de Portas e Janelas de Correr de Alumínio, desenvolvido pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) em parceria com a Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio (Afeal). Desde então, mais sistemas foram homologados; a lista mais recente foi divulgada no dia 1º de outubro.

Essa foi a conclusão da primeira etapa do Programa Setorial da Qualidade (PSQ) para as esquadrias de alumínio. Ainda há bastante a ser feito para o desenvolvimento dessa iniciativa — e várias ações já estão em andamento —, mas a publicação do relatório já vem trazendo reflexos positivos para a conscientização da sociedade sobre a importância da normalização dos sistemas. Conheça um pouco mais sobre o andamento das atividades.

Escolhendo as melhores esquadrias
Fernando Rosa, gerente-geral da Afeal, conta que a tabela de fabricantes de esquadrias de alumínio qualificados (presente no Relatório Setorial nº 001) já era muito aguardada pelo mercado mesmo antes de sua publicação. Ela é vista como uma importante referência para as construtoras, indústria, varejo e consumidor final, já que aponta as empresas que efetivamente se preocupam com a qualidade dos produtos que colocam no mercado. “Na Afeal, recebemos muitas ligações de construtoras de todo o País que, preocupadas em saber quem são os fabricantes dentro da norma, querem realizar suas compras com segurança”, declara Rosa, que também é o gerente nacional do PSQ para portas e janelas de correr de alumínio.

O impacto dessa iniciativa junto ao mercado da construção é percebido de imediato, avalia Magda Reis, consultora da ABAL. “Isso acontece porque as esquadrias de alumínio já são um material de uso consolidado no setor, graças às suas características intrínsecas de durabilidade, versatilidade de aplicações, resistência mecânica e à corrosão, eficiência, economia, baixo custo de manutenção e excelente relação custo e benefício.”.

Desde a divulgação da primeira relação de fabricantes qualificados pelo PSQ, já houve no mercado um aumento expressivo na procura por janelas e portas de alumínio homologadas tanto por parte das construtoras, como também por parte das lojas varejistas e dos consumidores de todo o Brasil. Lydio Bandeira de Mello, representante do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Rio de Janeiro (Sinduscon-Rio) na Comissão de Materiais, Tecnologia, Qualidade e Produtividade (Comat) da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), diz não ter dúvidas de que a relação das construtoras com este e outros PSQs irá mudar radicalmente: “Os fabricantes sempre reclamaram, com justa razão, da pouca importância dada pelas construtoras aos seus PSQs. Hoje, já é possível perceber claramente nessas construtoras uma postura diferente: se antes boa parte delas ignorava esses programas, agora começa a cobrar a existência de novos PSQs”. Ele também lembra que, de acordo com a CBIC, as portas e janelas de correr de alumínio estão entre os produtos que trazem mais riscos aos construtores, uma vez que influenciam fortemente o desempenho de uma edificação, como sua estanqueidade, os seus desempenhos térmico, acústico e lumínico, o conforto tátil, a funcionalidade, a durabilidade e manutenibilidade e a segurança no uso e operação.

Vale observar que o relatório é válido para o período de 1º de julho a 1º de outubro de 2018, e pode ser consultado aqui. A lista mais recente pode ser acessada aqui.

Em busca da certificação
Na outra ponta do comércio, sistemistas, extrusores e beneficiadores de perfis de alumínio também começam a correr atrás da comprovação da qualidade de seus produtos, assim como fabricantes de ferragens, selantes e outros componentes do conjunto a ser avaliado. “Percebemos que a publicação da primeira lista de fabricantes qualificados de esquadrias já começou a despertar, em todo o nosso setor, uma preocupação com relação aos seus produtos para que estejam de acordo com os padrões de qualidade, dentro da normalização e com certificação de seu desempenho”, aponta Milton Rego, presidente-executivo da ABAL. A perspectiva da associação, acrescenta o dirigente, é que essa busca continue crescendo e contribua para o desenvolvimento do setor do alumínio.

“Uma das intenções, quando desenhamos o modelo atual de nosso PSQ era garantir que todos os elos envolvidos na produção das esquadrias se comprometessem com o cumprimento da norma”, comenta Rosa, da Afeal. O primeiro passo para alcançar esse objetivo, segundo ele, foi o trabalho conjunto entre a Afeal, trazendo a participação dos fabricantes de esquadrias, e a ABAL, com a participação dos sistemistas e das extrusoras. “Assim, pela primeira vez, as empresas sistemistas, extrusoras, beneficiadoras de perfis, fabricantes de componentes e ferragens, fabricantes de selantes, além das empresas fabricantes de portas e janelas de correr, estão todas agregadas ao programa. Essa é uma das grandes inovações do nosso PSQ”.

Mais homologações em andamento
Os ensaios do PSQ vêm sendo desenvolvidos pela Tecnologia e Qualidade de Sistemas em Engenharia (Tesis), empresa de engenharia com atuação na área de normalização e conformidade. No momento, ela vem trabalhando no processo de homologação de janelas de correr com persiana integrada, bem como de sistemas de perfis para janelas de duas e três folhas que ainda não haviam sido avaliadas.

Segundo Vera Fernandes Hachich, sócia-gerente da Tesis, os projetistas dos sistemas têm sido bastante colaborativos. “Toda a documentação necessária para a análise de projeto deve ser elaborada por eles, com um nível de detalhe que permita a plena identificação de todos os elementos de vedação e movimentação do caixilho, além de sua montagem, drenagem e fixação.”

É importante salientar que essa documentação, parte integrante do relatório de homologação do sistema de perfis avaliado, será a base para a análise de conformidade do caixilho ao projeto, quando os fabricantes de janelas forem auditados. E Vera ressalta: o relatório setorial será atualizado a cada novo sistema homologado.

O futuro do PSQ
“O processo de aprimoramento da qualidade é contínuo e evolutivo”, afirma Magda Reis, da ABAL. Dessa forma, a associação, juntamente com a Afeal, não se preocupa apenas com o que vem sendo feito, mas também com os próximos passos do PSQ.

Rosa, da Afeal, aponta que novos produtos devem ser inseridos posteriormente no programa, como portas pivotantes, janelas maxim-ar e outros. “Nivelar nosso mercado por cima e garantir a qualidade e o bom desempenho de todos os nossos produtos é um compromisso de toda a nossa cadeia produtiva”, frisa o executivo.

Para isso, as duas entidades vêm promovendo ações para conscientizar tanto o setor do alumínio como o da construção civil sobre a necessidade e as vantagens dessa homologação, incluindo a realização de cursos de extensão, palestras, simpósios, workshops, disponibilização de conteúdos técnicos e informações sobre o programa (para conhecer mais sobre ele, vale acessar os links http://psqaluminio.com.br e http://afeal.com.br/rev) e o combate à não conformidade. “A ampliação de empresas homologadas contribuirá significativamente para fortalecer o segmento das indústrias de esquadrias de alumínio”, considera Magda. “Juntos, somos e seremos cada vez mais fortes.”


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *