Latas1

De roupa nova no mercado

Em janeiro, a Coca-Cola Brasil reuniu a imprensa para apresentar oficialmente a nova identidade visual da marca. O movimento é parte da estratégia mundial de marca única, que começou com a junção da publicidade de todas as versões da bebida e, agora, a mudança das embalagens.

O vermelho se torna predominante e tem nos detalhes a identificação das versões: totalmente vermelho para a original, com preto na opção zero açúcar e verde para Stevia, com 50% a menos de açúcares. De acordo com Marcos de Quinto, vice-presidente executivo global e líder global de marketing (CMO) da Coca-Cola Company, a mudança irá dar mais força e visibilidade às opções zero e Stevia.

A mudança feita pela Coca-Cola abrange todas as suas embalagens, mas as latas de alumínio recebem as trocas de visual com muita facilidade. O metal permite diferentes cores e impressão em toda a sua superfície, além da possibilidade de aplicar impressões em HD que têm se tornado tendência no mercado. “As inovações com efeitos especiais em tintas e vernizes têm sido um enorme aliado para os clientes ao trabalhar as marcas e valiosas ferramentas para comunicar-se com os consumidores”, afirma João André Vilas Boas, Supervisor de Desarrollo Gráfico da Ball Brasil.

Coca1
A mudança no visual das latas de Coca-Cola tem como objetivo atrair mais consumidores para as versões zero açúcar e Stevia

Essas inovações expandem as possibilidades das marcas, que conseguem explorar melhor as alternativas de marketing e em campanhas publicitárias, podendo criar embalagens especiais temporárias, voltando ao original com facilidade. “A campanha Coca-Cola Nomes e várias outras que usaram essa tecnologia, fazem da latinha uma referência quando se fala em embalagens personalizadas. Essas tecnologias, criadas pela Ball Brasil, têm sido amplamente usadas em todos os continentes, aproximando o consumidor das marcas e agregando enorme valor a elas”, conta o supervisor.

PROCESSOS

Diferente do que acontece no mercado, a impressão na lata de alumínio para bebidas ocorre depois que a embalagem está formada, com aparência de copo, sem o “pescoço” e a tampa. É no printer que ocorre a impressão da identidade visual da embalagem e, em seguida, a lata tem a superfície externa decorada e envernizada, por um sistema em que a embalagem é colocada em contato com a blanqueta e recebe a pressão em toda a sua superfície externa, em um giro de 360º.

O processo comumente aplicado é o Dry Offset, feito com cores spot, como explica Vilas Boas, tintas pré-misturadas, denominadas cores especiais. “Para cada cor, usa-se uma placa de impressão diferente e as cores ficam em relevo para transferir a imagem para a blanqueta (superfície de borracha que já possui o rótulo perfeitamente impresso), uma a uma, encaixando e registrando as cores”, detalha o representante da Ball.

Em seguida, ainda na impressora e em alta velocidade, a lata é posicionada e encaixada para entrar em contato com o rolo de verniz e, num único giro, recebe a aplicação, que tem como objetivo proteger a impressão, dar brilho ou textura, efeito fosco, entre outros.

NOVAS TECNOLOGIAS

O avanço dos processos de pintura e impressão têm permitido a criação de efeitos especiais nas latas, como a tinta termocrômica, por exemplo, que revela mensagens assim que a bebida alcança a temperatura ideal para consumo, e tintas com efeitos especiais para consumo na praia, que revelam imagens quando a lata é exposta ao sol.

Novos vernizes, com efeitos soft touch ou táctil na lata, possibilitam acabamentos simples ou sofisticados. “A impressão com tecnologia com high definition tem crescido a cada ano e atendido às exigências de artes mais elaboradas”, aponta Vilas Boas. A marca holandesa de cervejas Heineken lançou, em 2011, a lata Touch, com acabamento em alto relevo em suas laterais, promovendo uma experiência sensorial diferenciada para o consumidor, além de facilitar a pegada na hora do manuseio.

Cruzeiro1
O projeto especial da marca tradicional de refrigerante utilizou a tecnologia de impressão Editions, da Ball Brasil

O diferencial do método de impressão HD está no processo de gravação das placas de impressão. A lineatura de retícula – número de linhas de pontos de retícula por unidade de medida, que especifica a resolução de equipamentos no processamento de imagens – se assemelha à feita na produção de revistas.

A gravação é feita à laser, o que exige o uso de maquinário específico. Marcas como de sucos e chás Green Day e Namastea, e dos energéticos Vulcano e Burn aplicam esta tecnologia em suas latas de alumínio. No ano passado, a Brasil Kirin lançou a linha de bebidas energéticas ECCO! Energy Drink, cujas latas têm impressão HD com branco UV e vermelho lumiset, que apresenta alta qualidade de luminosidade quando exposto à luz negra – garantindo o destaque da marca nos ambientes em que são mais consumidos, como casas de festa.

A Ball (à época, Rexam) também foi responsável pela tecnologia Editions™, que permite a produção de 8 a 24 diferentes artes para o mesmo rótulo, simultaneamente, em um único palete. Um exemplo da aplicação está na edição especial do Guaraná Cruzeiro, produzida em 2014, que utilizou a aplicação de verniz fosco e imagens antigas de pessoas e de algumas capitais do país, além da cidade de Leme, no interior de São Paulo, onde o refrigerante foi criado, em 1948.

“A forma de pensar o processo de produção e impressão da latinha mudou. Nosso exercício diário tem sido ficar atento e perceber as tendências e cada movimento do mercado e para onde ele está apontando e, ao mesmo tempo, conhecer à fundo nosso processo e do que ele é capaz, debruçar sobre ele, ser incansável na busca daquilo que está lá, mas ainda não conseguimos enxergar. Assim, o processo de impressão das latinhas tem se mostrado inquieto e em constante evolução”, define Vilas Boas, da Ball Brasil.

Veja também:

30 anos da latinha de alumínio: Novelis tem papel decisivo no sucesso da embalagem

Conteúdo oferecido pela Novelis, patrocinadora Premium do portal Revista Alumínio Presentes nos mais variados estabelecimentos, as latinhas de alumínio começaram a ser fabricadas no Brasil em 1989. Apesar do tamanho compacto, o impacto delas no mercado nacional foi gigantesco. Atualmente, são produzidos cerca de 30 bilhões de latas por ano — a embalagem já envasa

Fim de ano: hora dos descartáveis de alumínio brilharem!

Chega o mês de dezembro e começam os preparativos para as festas de Natal e Réveillon, ocasiões em que não podem faltar os pratos típicos para a ceia. É nessa hora que surge a necessidade de uma grande quantidade de assadeiras, bandejas e fôrmas, o que aumenta a demanda por embalagens de alumínio descartáveis. Cadu

Artigo: Volta do ICMS sobre exportações e fim da mineração de bauxita

Até 1996, os estados brasileiros cobravam imposto sobre os produtos que exportavam. Sobre eles incidia o ICMS, o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços. O Brasil então seguia na contramão das principais economias do mundo. Estas preferiam desonerar as suas exportações, uma vez que seus produtos seriam tributados no destino final. Esse

1 comentário em “De roupa nova no mercado”

  1. Prezado(a) Empresário, Administrador

    Sabe porque grandes empresas também estão anúnciando
    seus produtos e serviços no free-classificados?

    Porque está dando praticamente os mesmos resultados
    que anúnciar nos grandes meios de comunicação

    E o melhor de tudo, anúnciar gratuitamente
    E colher os resultados como exemplo aparecer no google sem
    investimentos astronômicos …

    Faça um teste, tenho certeza que você se surpreenderá

    Acesse: http://www.freeclassificados.com

    Surpreenda-se

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Categorias