ABAL_DanielaToviansky1

Opinião: É hora de união e de ações responsáveis

É fundamental que o governo e a sociedade encontrem o equilíbrio justo entre as medidas sanitárias e a manutenção da atividade econômica

Escrito por Milton Rego, presidente-executivo da ABAL*

Estamos diante de uma crise inédita e desafiadora. Ao mesmo tempo em que a sociedade debate os meios mais eficazes de restringir o contágio do novo coronavírus e assim brecar a evolução da pandemia, a economia nacional e internacional começa a dar sinais preocupantes de paralisação, trazendo incerteza aos trabalhadores e às empresas.

Ninguém sabe ao certo por quanto tempo teremos de conviver com medidas restritivas. Por isso, é fundamental que o governo e a sociedade encontrem o equilíbrio justo entre as medidas sanitárias e a manutenção da atividade econômica, a fim de que não sejamos levados a uma recessão de graves consequências.

A Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) enviou aos governos federal, estaduais e municipais e a outras autoridades, o documento Essencialidade da Indústria do Alumínio, em que identifica os produtos e serviços que utilizam o metal, cuja produção e funcionamento não podem sofrer interrupção, uma vez que são indispensáveis à realidade que enfrentamos.

O alumínio está nas embalagens de remédios, de material hospitalar, de alimentos, de bebidas, nas estruturas que estão sendo usadas para erguer hospitais de campanha, nos sais de fabricação de vacinas, no processo de tratamento da água que usamos, nos cabos e fios de transmissão de energia, entre muitos outros usos.

A ABAL também trabalha ao lado da Confederação Nacional da Indústria (CNI) no intuito de oferecer ações que possam minimizar o impacto da pandemia na atividade econômica. O Brasil já vinha operando no limite da taxa de desemprego e o aprofundamento da crise pode comprometer seriamente o tecido social. Portanto, tão importante quanto resguardar a saúde da população é garantir renda e emprego.

O reforço da liquidez no sistema financeiro é fundamental neste momento. Outro ponto importante é nos darmos conta de que vivemos tempos em que cartilhas ortodoxas não funcionam mais. O governo precisa atuar pelo lado da demanda, com gastos diretos, a fim de garantir a continuidade das cadeias de suprimentos. Investimentos federais em projetos de infraestrutura ajudariam a dar tração à atividade econômica neste período de incertezas.

O momento pede ação com responsabilidade e, sobretudo, união. União de indústria e trabalhadores, de governo e sociedade. Juntos, somos fortes e assim vamos superar a Covid-19.

 

 

Engenheiro mecânico e economista especialista em gestão, Milton Rego é presidente-executivo da Associação Brasileira do Alumínio (ABAL). Acumula mais de 20 anos de experiência em diversos segmentos da indústria
(Imagem: ABAL/DanielaToviansky)

*Artigo publicado no portal Poder 360

Veja também:

ABAL e Abralatas criam entidade gestora prevista em compromisso de logística reversa

A Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) e a Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alumínio (Abralatas) constituíram, no dia 20 de julho, a entidade gestora que será responsável pelo atendimento das ações presentes no Termo de Compromisso da Logística Reversas das Latas de Alumínio para Bebidas, criado em cumprimento à Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). O documento,

Alumínio e cobre dividem o protagonismo no setor de energia

Por Luiz Henrique Caveagna A utilização do alumínio no setor de energia tem ganhado cada vez mais espaço. Mesmo com queda de 4,2% no consumo de alumínio em 2020, o mercado de cabos elétricos foi exceção e registrou aumento no consumo, passando de 193 mil t. em 2019, para 213 mil t. no ano passado,

Setor mineral tem alta de 98% em faturamento no primeiro semestre

A indústria mineral brasileira registrou faturamento de R$ 149 bilhões no primeiro semestre deste ano, 98% maior em comparação ao mesmo período do ano passado. Os dados foram divulgados na última quarta-feira, 21 de julho, pelo Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram).  Na mesma base de comparação, o minério de ferro apresentou o maior crescimento (135%), alcançando R$

Rolar para cima