ABAL_DanielaToviansky1

Opinião: É hora de união e de ações responsáveis

É fundamental que o governo e a sociedade encontrem o equilíbrio justo entre as medidas sanitárias e a manutenção da atividade econômica

Escrito por Milton Rego, presidente-executivo da ABAL*

Estamos diante de uma crise inédita e desafiadora. Ao mesmo tempo em que a sociedade debate os meios mais eficazes de restringir o contágio do novo coronavírus e assim brecar a evolução da pandemia, a economia nacional e internacional começa a dar sinais preocupantes de paralisação, trazendo incerteza aos trabalhadores e às empresas.

Ninguém sabe ao certo por quanto tempo teremos de conviver com medidas restritivas. Por isso, é fundamental que o governo e a sociedade encontrem o equilíbrio justo entre as medidas sanitárias e a manutenção da atividade econômica, a fim de que não sejamos levados a uma recessão de graves consequências.

A Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) enviou aos governos federal, estaduais e municipais e a outras autoridades, o documento Essencialidade da Indústria do Alumínio, em que identifica os produtos e serviços que utilizam o metal, cuja produção e funcionamento não podem sofrer interrupção, uma vez que são indispensáveis à realidade que enfrentamos.

O alumínio está nas embalagens de remédios, de material hospitalar, de alimentos, de bebidas, nas estruturas que estão sendo usadas para erguer hospitais de campanha, nos sais de fabricação de vacinas, no processo de tratamento da água que usamos, nos cabos e fios de transmissão de energia, entre muitos outros usos.

A ABAL também trabalha ao lado da Confederação Nacional da Indústria (CNI) no intuito de oferecer ações que possam minimizar o impacto da pandemia na atividade econômica. O Brasil já vinha operando no limite da taxa de desemprego e o aprofundamento da crise pode comprometer seriamente o tecido social. Portanto, tão importante quanto resguardar a saúde da população é garantir renda e emprego.

O reforço da liquidez no sistema financeiro é fundamental neste momento. Outro ponto importante é nos darmos conta de que vivemos tempos em que cartilhas ortodoxas não funcionam mais. O governo precisa atuar pelo lado da demanda, com gastos diretos, a fim de garantir a continuidade das cadeias de suprimentos. Investimentos federais em projetos de infraestrutura ajudariam a dar tração à atividade econômica neste período de incertezas.

O momento pede ação com responsabilidade e, sobretudo, união. União de indústria e trabalhadores, de governo e sociedade. Juntos, somos fortes e assim vamos superar a Covid-19.

 

 

Engenheiro mecânico e economista especialista em gestão, Milton Rego é presidente-executivo da Associação Brasileira do Alumínio (ABAL). Acumula mais de 20 anos de experiência em diversos segmentos da indústria
(Imagem: ABAL/DanielaToviansky)

*Artigo publicado no portal Poder 360

Veja também:

Opinião: Reciclar e refletir

A pandemia tem motivado, entre outras mudanças, um novo olhar sobre o nosso papel de consumidor. Muitos cidadãos adquiriram uma percepção mais consciente a respeito dos resíduos domésticos, principalmente os recicláveis. Sabe aquelas embalagens que a gente vai acumulando na área de serviço porque não temos como levar ao local adequado neste momento? Aquela pilha

Opinião: O Brasil não pode ser um eterno exportador de commodites

Ai, esta terra ainda vai cumprir seu idealAinda vai tornar-se um imenso Portugal Adoro Portugal. Mesmo assim, espero que a profecia imaginada no refrão de Fado Tropical, que usei no título, genial composição de Chico Buarque, não se concretize. Explico. Os brasileiros hoje têm todos os motivos para invejar os patrícios. Nas últimas décadas, Portugal floresceu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu