Novos caminhos

O momento não é nada favorável para o setor de implementos rodoviários: apenas no primeiro bimestre deste ano, viu as vendas caírem 41%. E, de acordo com a Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários (Anfir), é esperada uma queda de mais 10% ainda em 2015.

Enquanto isso, a entidade aguarda a liberação de linhas de crédito do Bndes, que podem ajudar o setor a se levantar. “O setor de implementos, assim como a maioria dos setores industriais, está passando por uma situação delicada. Nesse caso, fora as alternativas normais de sobrevivência, vejo como sugestão a inovação e descoberta de novos nichos”, avalia Thiago Barreto, diretor comercial da Rodorei.

Mesmo com o cenário negativo do setor, as empresas do alumínio seguem apresentando produtos, com o intuito de inovar e aperfeiçoar o trabalho de quem atua na área. “O mercado de carrocerias de alumínio é uma tendência que deve ser explorada pelos implementadores”, indica Barreto.

Quem abriu caminho para esse movimento foi a Associação Brasileira do Alumínio com com o Projeto Abal Carga Seca – consórcio envolvendo dez empresas associadas – que desenvolveu a primeira carroceria aberta 100% em alumínio do país, fabricada para um caminhão truck com ca pacidade de carga de 23 toneladas de peso bruto. A carroceria foi apresentada na Feira Nacional de Transportes – Fenatran de 2013 e atualmente passa por testes de avaliação de desempenho.

Mais produtos

Dentre as participantes do consórcio Abal Carga Seca, duas empresas estão com projetos próprios de carrocerias. A Sapa acaba de lançar kits completos de perfis de alumínio, prontos para montagem e instalação, para carroceria carga seca aberta na versão peso pesado. O modelo, que está sendo comercializado para implementadores, pode suportar até 23 toneladas e foi desenvolvido em parceria com a Cremasco, em um período de dois anos. “Nós trouxemos projetos que a Sapa tem na Europa e reproduzimos com algumas adaptações. Simulamos os esforços, a partir de protótipos, para rodar em uso extremo e avaliar como está sendo o desempenho”, conta Marcus França, gerente de desenvolvimento de mercado da Sapa.

A extrusora, que já tem disponível no mercado a versão leve – para veículos com peso bruto total menor que 3,5 toneladas -, sinaliza também o futuro lançamento da versão média, até 7 toneladas, que ainda está em desenvolvimento. “Uma carroceria de alumínio dura pra sempre. Em outro material, às vezes, pode ocorrer a troca da carroceria a cada dois anos”, diz França.

A Alcoa também aposta em mais novidades, após apresentar sua versão de carroceria totalmente em alumínio na última Fenatran. “Estamos desenvolvendo outras carrocerias e em busca de parcerias para montagem de protótipos e testes de campo”, aponta Daniel Silva, gerente comercial da Alcoa.

Silva explica que o modelo atual, executado em parceria com a Noly Implementos Rodoviários, permitiu redução de até 50% do peso do caminhão. O modelo utiliza o Sistema de Fixação Alcoa, que substituiu o processo de soldagem, o que agrega segurança e facilita montagem e manutenção. “O feedback dos implementadores foi positivo, pois houve redução de peso e de tempo [de montagem] considerável. É visto como uma evolução da carroceria”, conta e reforça a expectativa com o mercado: “quando o setor está em crise é preciso pensar e agir diferente, isso gera uma busca por soluções inovadoras que ajudem a retomar o crescimento”.

Oportunidade

A Rodorei vem, gradativamente, mudando as carrocerias para alumínio e o resultado tem sido positivo, principalmente pela redução no consumo de combustível e desgaste dos pneus, além de aumentar a produtividade. “Acreditamos que podemos conquistar novos clientes com esse tipo de carroceria, principalmente cargas de alto valor agregado e peso concentrado, pois qualquer peso extra carregado é um ganho nosso e do cliente”, afirma Barreto. Com uma carroceria até 900 kg mais leve, a empresa tem ganho de produtividade entre 5 e 10%, dependendo da viagem e produto.

Celestino Cremasco, diretor da Cremasco Implementos Rodoviários, aponta mais vantagens: “Com alumínio eu poderia montar e entregar uma carroceria em apenas um dia. E nisso tenho menos investimento e ganho até 50% em montagem. No final, é apenas o custo da matéria-prima que faz mais diferença”. A atual conjuntura mostra que o momento é de cuidado e contenção máxima de custos.

Embora o alumínio possua um preço elevado frente aos sucedâneos, em longo prazo ele consegue compensar o investimento. “Se a carroceria de um caminhão de 8 metros pesa 1 tonelada menos, nas estradas ele vai deformar menos o asfalto e gerar menor custo de manutenção”, defende França.

Giuliano Fernandes, gerente comercial para o segmento de Transportes da Votorantim Metais-CBA, reforça os benefícos: “O ganho para o transportador se dá pela maior capacidade de carga útil utilizada por viagem, dado o menor peso e o valor residual do implemento no fim de vida útil e até mesmo menor consumo de combustível”, diz.

Boas novas

O problema principal, afirma Barreto, é a desaceleração na economia, que afeta não somente o setor dos implementos, mas o país como um todo. Por isso, uma das esperanças para quem trabalha com implementos rodoviários são os incentivos governamentais.

No final de março, uma decisão do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) mostrou ser um ponto de luz: a aprovação do programa de renovação de frota de caminhões, que também contempla a substituição de implementos rodoviários antigos por modelos mais novos e seguros. Durante uma reunião com a Anfir, o ministro do MDIC afirmou estudar a ampliação da participação do BNDES nos financiamentos de implementos rodoviários para até 80% do valor do bem.

De acordo com a nova regra da linha de financiamento PSI/Finame, implementada no início do ano, a parcela financiável será de 50% para grandes empresas e 70% para pequenas e médias. Percentual que, até 2014, era de 100%.

Fernandes, da Votorantim Metais-CBA, confia que, em breve, a situação irá se reverter naturalmente. “O setor possui um grande espaço para a aluminização e por isso faz sentido dirigirmos esforços para oferecer novas soluções. Acreditamos que a queda de demanda no mercado de veículos comerciais, em especial de caminhões, é apenas passageira”, avalia.

Enquanto a má fase não passa, resta às empresas do setor trabalhar em inovação e esperar as mudanças governamentais que podem beneficiar o mercado. “As implementadoras deveriam fazer um trabalho junto às empresas de logística e transporte, visando o futuro e os benefícios alcançados, pois assim que o mercado retomar o crescimento optariam pela carroceria de alumínio desde o início”, analisa Barreto, da Rodorei.

Veja também:

Alubar anuncia reestruturação organizacional

Na busca pelo crescimento e por novos mercados, a Alubar realizou alterações na composição da diretoria para 2020. As mudanças acompanham a evolução da organização que consolida duas novas unidades: uma fábrica de cabos elétricos em Montenegro (RS) e outra de vergalhões de alumínio, em Bécancour, na província de Québec, no Canadá. “Nós tivemos um

Albras e Alunorte promovem evento itinerante no Pará

Por meio do programa “Todos pelo Trabalho”, a Alunorte e a Albras, empresas da Hydro, realizam, na comunidade de Massarapó, em Barcarena (PA), serviços de saúde, oficina de orientação profissional, doação de mudas, assistência técnica, além de orientações sobre solicitação da carteira de produção rural e o acesso ao microcrédito. O público-alvo são os trabalhadores

MRN inicia novo ciclo de recuperação florestal das áreas mineradas

Todos os anos, de janeiro a maio, durante o período chuvoso da região amazônica, a Mineração Rio do Norte (MRN) começa o trabalho de recuperação florestal das áreas mineradas na Vila de Porto Trombetas, distrito do município de Oriximiná, no Oeste paraense. Após realizar a lavra da bauxita, as áreas de minas são preparadas para

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu