Instituto Alcoa (1)

Instituto Alcoa comemora 30 anos no Brasil

Entidade estabeleceu recentemente fundo de resposta à crise do novo coronavírus

Fundado em 1990 sem fins lucrativos, o Instituto Alcoa completa 30 anos de existência em abril. O objetivo da entidade é promover a educação, geração de trabalho e renda, e a transformação social nas regiões onde a Alcoa tem operações, Minas Gerais, Maranhão e Pará, sempre trabalhando conectado às políticas públicas e agendas de interesse global.

“Há 30 anos acreditamos na energia do fazer juntos e estamos comemorando a potência dos encontros entre pessoas e organizações para agir e transformar. Nosso compromisso é com a conexão social e com o engajamento de pessoas para promover o desenvolvimento das comunidades”, comenta Fausto Cruz, presidente do Instituto Alcoa.

Segundo Cruz, ao longo desse período, foi construído um legado perene nos territórios, com centenas de projetos comunitários, realizados em conjunto com pessoas e instituições que foram e continuam sendo parceiros fundamentais.

Recentemente, por causa da pandemia do novo coronavírus, o Instituto Alcoa promoveu a revisão da sua estratégia. Com isso, serão investidos mais de R$ 4,2 milhões em iniciativas que compõem o fundo de resposta à crise para apoiar as demandas dos territórios onde atua.

Neste ano, um dos destaques do trabalho da entidade é o Programa Ecoa, que foi remodelado e vai atuar em duas frentes: Ecoa Gestão e Ecoa Formação. O objetivo é dar suporte às necessidades das redes municipais de educação pós-pandemia e colaborar com a retomada das atividades nas escolas ao longo do ano.

 

Veja também:

Estudo aponta futuro promissor para a indústria do alumínio

Uma avaliação inicial sobre o impacto da pandemia da Covid-19 na demanda global de alumínio feita pela consultoria CM Group, a pedido do International Aluminium Institute (IAI), revela que embora seja inevitável a queda em 2020, ainda há otimismo significativo para os próximos 30 anos: a previsão é que a demanda possa atingir 298 milhões

Alunorte e UFPA vão realizar pesquisa sobre o uso do resíduo de bauxita

A Alunorte, refinaria de alumina da Hydro, e a Universidade Federal do Pará (UFPA) firmaram parceria para um projeto de pesquisa, com duração de 18 meses, para estudar a viabilidade de produção de cimento de baixo carbono a partir da mistura do resíduo de bauxita com outras matérias-primas abundantes no Norte do Brasil. A iniciativa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu