sunset-1786582_1280

Duas novas usinas eólicas no Nordeste fornecerão energia elétrica para a CBA

Complexo instalado na divisa entre Pernambuco e Piauí terá 60% do volume gerado destinado à CBA e Votorantim Cimentos

A região da Serra do Inácio, na divisa entre Pernambuco e Piauí, receberá dois novos complexos eólicos. Batizados como Ventos do Piauí II e III, em conjunto com os parques Ventos do Piauí I e Ventos do Araripe III, deverão compor o maior cluster de geração eólica do Brasil, com mil GW de capacidade instalada.

Os novos parques eólicos são fruto de investimento estimado em R$ 2 bilhões, aportados pela Votorantim Energia (VE) em joint venture com o fundo canadense CPP Investments. A conclusão das obras está prevista para 2023. Somente as duas novas unidades terão capacidade de potência instalada de 411,6 MW.

Do volume gerado, 60% será destinado à Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) e Votorantim Cimentos, empresas do Grupo Votorantim. O uso de energia eólica, considerada limpa e não nociva ao meio ambiente, reforça a política sustentável das empresas. 

“Atualmente, possuímos capacidade de geração de 100% de nossa demanda por eletricidade por meio de nossas hidrelétricas mantidas pela Votorantim Energia. Assim, investir na geração de energia eólica contribuirá ainda mais com o objetivo de produzir um alumínio sustentável”, comenta o diretor-presidente da CBA, Ricardo Carvalho.

 

Veja também:

Baterias de íons de alumínio: mais eficiência e sustentabilidade

O Instituto Australiano de Bioengenharia e Nanotecnologia, da Universidade de Queensland, na Austrália, e o Grupo GMG (Graphene Manufacturing Group) anunciaram o início da produção dos primeiros protótipos comerciais de baterias de íons de alumínio com eletrodos de grafeno.  A tecnologia tem potencial para transformar o mercado de baterias recarregáveis em alguns anos, colocando-se como

Grupo Prysmian promove webinar sobre cabos de média tensão

O Grupo Prysmian realiza hoje, dia 10 de junho, um webinar dedicado às instalações de média tensão, que abordará os tipos de capa, aplicação submersa, submarina e capacidade. Um segundo encontro já está programado para 1 de julho e debaterá as práticas de manuseio e armazenamento. As instalações de média tensão são aquelas cuja diferença de potencial é

Rolar para cima