Plastikmüll verunreinigt einen wunderbaren Sandstrand

Demanda por sustentabilidade é oportunidade

Os canudinhos de plástico são os vilões da vez, mas leis e preferência do consumidor por materiais ecofriendly abrem portas para o alumínio

Desenvolver um modelo de negócio de impacto sustentável, transparente, que gere valor à sociedade e ao meio ambiente e que seja focado numa atuação em rede, como defendem alguns especialistas, tem sido o desafio do século para as empresas.

O bottom line da sustentabilidade prevê, justamente, que as organizações passem a olhar para questões econômicas, sociais e ambientais não meramente como um tema de compliance e cumprimento de leis e políticas, mas como uma virada de chave na forma de conduzir os negócios.

É praticamente um caminho sem volta: as empresas se adaptam a essas tendências, seja por modelo de negócio, por pressão dos consumidores ou devido à legislação. Um exemplo que elucida isso é a recente aprovação da primeira lei no Brasil que proíbe o uso de canudos plásticos em bares, restaurantes, quiosques e similares, implementada no Rio de Janeiro. O estabelecimento que descumprir a lei pode pagar multa de R$ 3 mil e, em casos de reincidência, R$ 6 mil. Como alternativa, a lei estabelece que sejam utilizados canudos produzidos com materiais recicláveis ou biodegradáveis. Outras cidades, como São Paulo e Ilhabela (SP), também querem instituir regras do tipo.

O movimento pelo fim da utilização de canudos plásticos tem adeptos por todo o mundo e, de acordo com a ONG Meu Rio, dez países já os aboliram. Seattle (EUA) passou a proibir, desde julho, o uso de utensílios feitos proveniente de petróleo em restaurantes, cafés e lojas de alimentação. Na natureza, seu tempo de decomposição pode demorar até duzentos anos para apenas poucos minutos de uso. Escócia e Reino Unido também pretendem banir o uso de canudos plásticos e outros itens feitos com o material.

Prefeitura do Rio de Janeiro sancionou lei que proíbe a distribuição de canudos plásticos em bares e restaurantes: regulamentações parecidas são discutidas em cidades como São Paulo e Ilhabela (SP)

Consumidores e ambientalistas têm condenado também a onda de plásticos descartáveis que, de modo geral, vai parar nos oceanos. O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente estima que cerca de 8 milhões de t do material sejam despejados no mar todos os anos — o equivalente a um caminhão de lixo por minuto.

Acompanhando esse movimento, o Starbucks anunciou recentemente o fim do uso de canudos plásticos em todas as suas 28 mil unidades espalhadas pelo mundo até 2020. “A mudança no padrão de produção e, consequentemente, de consumo é fundamental para reduzir o problema que a gente tem com o lixo”, comenta Fernanda Daltro, gerente de Campanhas da ONU Meio Ambiente no Brasil.

Essa preocupação com o meio ambiente pode gerar oportunidades ao setor do alumínio — material que passa a ser uma das alternativas ao canudo de plástico. “O metal tem a maleabilidade de ser reciclado indefinidamente. A regulamentação força um movimento de que as empresas vão precisar se adaptar mais rapidamente a determinadas coisas”, avalia Fernanda.

Tendências nos próximos anos em embalagens
Em uma pesquisa da empresa de inteligência de mercado Mintel, que apresenta tendências para o setor de embalagens, critérios como preservação, automação, estética, sustentabilidade e confiança estão no topo das preocupações nos próximos anos.

Os pacotes têm o desafio de conseguir estender, cada vez mais, o frescor dos alimentos, além de preservar nutrientes e garantir uma entrega segura, informando ao consumidor os benefícios que a embalagem proporciona ao alimento. De acordo com a pesquisa, 50% dos compradores norte-americanos concordam que a embalagem certa pode ajudar a reduzir o desperdício de alimentos. No Brasil, são 56%. Ao ano, a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO, na sigla em inglês) estima que 1,3 bilhão de t de comida são desperdiçados no mundo anualmente.

Com relação à sustentabilidade, 36% dos australianos preferem produtos que são vendidos em pacotes ecofriendly. A pesquisa aponta que preocupações sobre eliminação segura de embalagens estarão cada vez mais presentes nas decisões de compra do consumidor.

Toda essa demanda de mercado favorece o segmento de alumínio, que, quando utilizado como embalagem de alimentos e bebidas, constitui uma barreira segura contra bactérias e contaminação, além de preservar as propriedades e proteger da luz solar, do oxigênio e da umidade. “A eficiência no uso do metal é muito melhor do que outros materiais, pelo fato de ter mais receptividade. Além disso, é possível fazer embalagens com design diferenciado”, afirma Carlos Morais, diretor de Reciclagem da Novelis.

No ramo lácteo, por exemplo, Luciana Pellegrino, diretora-executiva da Associação Brasileira de Embalagem (Abre), conta que, recentemente, o mercado de alumínio trouxe uma inovação ao criar uma embalagem que aumenta a vida útil do iogurte, preservando o seu frescor, mesmo sem refrigeração por algumas horas. “Feita de alumínio flexível laminado, essa solução reúne mais possibilidade de consumo e é ideal para lanche escolar ou passeios”, comenta.

Segundo a executiva da Abre, os consumidores estão cada vez mais exigentes e o desafio do setor está justamente em ouvir as demandas e criar projetos inovadores. Eventos como o Alufoil Trophy — organizado há trinta anos pela Associação Europeia para Folhas de Alumínio — incentivam isso. A primeira edição do prêmio na América Latina aconteceu durante o 8° Congresso Internacional do Alumínio e a solução láctea (imagem ao lado) foi uma das vencedoras.

Nas cervejarias artesanais, uma nova tendência que vem ganhando força é o crowler, sistema de envasamento que enlata o chope na hora em uma lata de alumínio e que tem a capacidade de manter a vida útil da bebida, sob refrigeração, por cerca de vinte dias. Marcelo Barbosa, sócio-proprietário da Growlers2Go, no Rio de Janeiro, tem começado a usar o crowler em seu negócio e os ganhos são dos dois lados: do estabelecimento, em competitividade e logística (por ser mais fácil de armazenar), e do cliente, em termos de praticidade e qualidade do produto. “O alumínio mantém o frescor e as propriedades da cerveja. É ideal para os clientes que experimentam nossa bebida nas torneiras e querem levar para casa ou presentear alguém”, comenta.

Veja também:

Hydro figura entre as 100 empresas inovadoras no uso de TI

A Hydro foi classificada entre As 100+ inovadoras no uso de TI 2019, na categoria Siderurgia, Metalurgia e Mineração. O estudo, realizado pelo Grupo IT Mídia em parceria com a PwC, seleciona e premia os projetos que melhor combinam processo e prática na utilização da tecnologia em benefício da inovação. “O reconhecimento de uma indicação

MRN comemora 10 anos do programa de pesquisa de primatas na Amazônia

No dia da Amazônia, celebrado em 5 de setembro, a Mineração Rio do Norte (MRN) comemorou os resultados do Programa de Monitoramento de Primatas, iniciado há 10 anos, para acompanhar o comportamento das espécies de macacos presentes na Floresta Nacional Saracá-Taquera, no Oeste do Pará, diante da presença de atividades humanas. Fabiano de Melo, biólogo

Conheça o processo e as vantagens da extrusão do alumínio

Por ser extensa, a cadeia produtiva do alumínio conta com alguns elos pouco conhecidos pela sociedade, apesar de o produto final estar presente no dia a dia das pessoas. Um deles é o segmento de extrusão, que disponibiliza perfis metálicos para vários setores, e envolve um processo que traz benefícios tanto para o mercado quanto

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu