automotiva_parcerias

Conheça parcerias na indústria automotiva com alumínio que impulsionam a sustentabilidade

Colaborações inovadoras estão redefinindo os padrões sustentáveis na fabricação de carros, destacando o alumínio como protagonista das transformações

A busca incessante pela sustentabilidade na indústria automotiva levou os principais gigantes da mobilidade, como Ford, Mercedes-Benz, Toyota, Tesla e Nissan, a redesenhar seus processos de fabricação ao incorporar alumínio reciclado e ligas de baixo carbono em carcaças e chassis de veículos.

Essa transformação, impulsionada pela busca de eficiência energética e redução de emissões de carbono, coloca o metal como protagonista nas inovações que moldarão o futuro da mobilidade.

Isso ocorre devido ao fato de a reciclagem de alumínio consumir, aproximadamente, 95% menos energias do que a produção primária desse material. Além disso, a total reciclabilidade do alumínio, associada à sua capacidade de preservar suas propriedades originais, tornou-o altamente atrativo para a indústria automotiva, a qual, por tradição, demanda uma significativa quantidade de matérias-primas.

Ao adotar o alumínio, os fabricantes de automóveis conseguem não apenas reduzir o consumo excessivo de recursos, mas também estabelecer uma economia circular em suas linhas de produção.

Vantagens 

A reciclabilidade do alumínio é uma vantagem para as empresas automotivas, pois promove um ciclo fechado de materiais, facilitando posteriormente a aquisição moderada de matérias-primas padronizadas e certificadas pela indústria.

A popularidade desse metal não ferroso no setor automotivo também se deve à sua relação resistência-peso, condutividade térmica, resistência à corrosão e maleabilidade. O alumínio é mais econômico, leve e versátil em comparação com as ligas convencionais usadas na fabricação de carros.

Assim, grandes empresas estão ajustando efetivamente seus métodos de produção para reduzir custos excessivos, enquanto mantêm uma vigilância ativa na esfera ecológica do planeta Terra.

Do outro lado, os principais produtores mundiais de alumínio de baixo carbono têm desempenhado um papel crucial nesse cenário, compartilhando sua expertise para auxiliar esses gigantes automotivos a tornarem suas frotas futuras mais sustentáveis e ecologicamente corretas.

Exemplos que inspiram

Ao procurar colaborações únicas e inovadoras, destacam-se algumas parcerias na indústria automobilística que evidenciam o sucesso obtido na utilização do alumínio de baixo carbono.

Um exemplo é a parceria entre a Lotus e a marca britânica de canetas de luxo Onoto. Juntas, elas deram vida a uma caneta de edição limitada, confeccionada a partir de alumínio reciclado proveniente de carros históricos da Lotus na Fórmula 1.

Outra colaboração inovadora é a entre a Bang & Olufsen e a Ferrari . Essas corporações uniram forças para conceber uma nova linha de fones de ouvido e alto-falantes, realçando as duas marcas em precisão, elegância e alumínio. A coleção é caracterizada por uma marcante cor vermelha que a conecta inconfundivelmente à marca Ferrari, incluindo o alto-falante residencial Beosound 2, os fones de ouvido Beoplay H95 e Beoplay EX e o alto-falante portátil Beosound Explore.

Na lista abaixo, apresentamos mais algumas das colaborações automotivas mais reverenciadas desta década. A inovação e a sustentabilidade se entrelaçam de maneira única. Confira:

EGA e BMW

Desde 2013, a Emirates Global Aluminium (EGA), uma das maiores organizações industriais dos Emirados Árabes Unidos (EAU), tem sido fornecedora de alumínio (CelestiAL) para as peças automotivas da alemã BMW. No entanto, em um marco significativo alcançado em 2021, a EGA confirmou a BMW como sua primeira cliente para o alumínio CelestiAL, produzido com energia solar.

Conforme os termos do contrato, a EGA comprometeu-se a fornecer à BMW 43 mil t anuais desse alumínio inovador, proveniente dos EAU e produzido de forma sustentável por meio de energia solar.

A utilização do alumínio solar da EGA desempenha um papel crucial na redução das emissões de CO2 pela BMW, estimando-se uma diminuição de cerca de 222 mil t por ano. Mas vale ressaltar que o alumínio CelestiAL atende apenas a metade das necessidades anuais da única instalação de fundição de metal leve da BMW na Europa, localizada na Planta Landshut, na Alemanha.

EGA e Nissan 

A EGA também firmou um contrato para fornecer à Kobe Steel o seu principal alumínio solar. A Kobe Steel Corporation é uma empresa japonesa que se dedica à produção e ao fornecimento de diversos produtos siderúrgicos, especialmente destinados aos veículos da Nissan.

O material fornecido pela EGA é utilizado na fabricação de chapas automotivas destinadas aos veículos da Nissan. A parceria tem como objetivo introduzir o CelestiAL em uma das maiores laminações do Japão, atendendo a crescente demanda por chapas de alumínio utilizadas na produção de componentes automotivos, como painéis, capôs e portas.

Essa parceria representa um avanço positivo em direção à fabricação sustentável e ecologicamente correta, utilizando energia solar renovável para a produção de alumínio de alta qualidade.

Constellium e Audi

A francesa Constellium, empresa global especializada na fabricação de produtos de alumínio de alto desempenho, também teve sucesso ao entregar soluções avançadas de alumínio para o novo Audi A6, da alemã Audi. A companhia forneceu Surfalex® com alta qualidade de superfície, juntamente com propriedades especiais de frisagem e dobra para as portas e o porta-malas.

Além disso, a empresa disponibilizou o Securalex® P6, uma liga de absorção de impacto de alta tecnologia, para o capô do Audi A6, projetado para atender os requisitos mais rigorosos de segurança para pedestres.

A Constellium também ampliou sua parceria com a Audi ao fornecer soluções de chapas para a carroceria de alumínio certificadas pela ASI, destinadas a fechamentos e peças internas, assim como componentes baseados em extrusão para os sistemas de gerenciamento de colisão dianteiro e traseiro no Audi e-tron GT.

Constellium e Renault 

A Constellium e o grupo francês Renault implementaram um sistema de reciclagem em circuito fechado para o novíssimo Megane E-TECH Electric. O alumínio é a escolha principal para a eletrificação da frota automotiva, e a Constellium fornece a melhor chapa de alumínio Auto Body Sheet em sua categoria para o novo carro da marca.

O Grupo Renault desenvolveu um mecanismo de reciclagem em circuito fechado que encaminha os resíduos de fabricação do processo de estampagem de volta para a Constellium, resultando em uma redução da pegada de CO2. Esse processo em circuito fechado recicla ligas 5xxx e 6xxx para reutilização na fabricação do Grupo Renault, sem perda de qualidade e sem downcycling (processo de reciclagem de materiais em que a qualidade ou a pureza do material é reduzida ao longo do tempo).

Constellium e FIA

A Fédération Internationale de l’Automobile (FIA), empresa global com sede na França, aprovou a liga de alumínio Aheadd® CP1 da Constellium, para ser utilizada nos carros de corrida da Fórmula 1 a partir da temporada de 2024.

Em uma colaboração entre as empresas especializadas em tecnologias específicas na indústria automotiva e de manufatura, Velo3D e PWR Advanced Cooling Technology, a liga será empregada em impressoras Sapphire para criar trocadores de calor altamente eficientes, compactos e leves destinados aos carros de F1 e aos componentes de alto desempenho.

A liga recebeu autorização para impressão em camadas de 100 micrômetros, proporcionando aos clientes equilíbrio entre o desempenho final do produto e a eficiência do sistema.

Alcoa e Audi

A Alcoa foi escolhida para fornecer alumínio de baixo carbono à empresa suíça Ronal Group para a fabricação de rodas de liga leve de alto desempenho destinadas ao primeiro carro esportivo elétrico da Audi, o e-tron GT.

As rodas serão produzidas usando uma combinação de metal da marca EcoLum da Alcoa e a tecnologia de fusão Elysistm, que não emite carbono.

Além disso, o metal EcoLum da Alcoa gera menos de 4,0 t métricas de CO2 para cada t de metal produzido. A tecnologia Elysis, desenvolvida pela empresa, elimina todas as emissões de gases de efeito estufa associadas à fusão tradicional de alumínio e gera oxigênio puro como subproduto.

Novelis e Toyota

A Novelis forneceu uma chapa automotiva premium de alumínio para a japonesa Toyota Motor Corporation, destinada ao modelo Toyota RAV4 de 2019.

O alumínio, leve e de alta resistência, contribui com a redução de peso no carro. A Novelis disponibiliza as ligas tratáveis termicamente Advanz™ 6HS – s600 e Advanz™ 6HS – e600 para atender as especificações da Toyota. Essas ligas são produzidas para a Toyota nas instalações da Novelis em Oswego, nos Estados Unidos, onde engenheiros e metalurgistas da Novelis desenvolveram um novo processo de fabricação termomecânico.

Capral Aluminium e Goldstar Transport 

Essa parceria não é exatamente como as outras mencionadas aqui, mas é igualmente relevante. A empresa australiana Capral Aluminium, especializada na produção de produtos de alumínio, recentemente iniciou um programa de entrega com zero emissão em colaboração com seu parceiro de transporte de cargas, a australiana Goldstar Transport.

O programa foi lançado com a entrega de um Fuso eCanter para a Bull Motor Bodies, um cliente local da Capral Aluminium. A empresa também introduziu uma opção de alumínio primário de menor carbono, chamada LocAL, agora disponível em todos os seus produtos de alumínio extrudado produzidos localmente.

Capral Aluminium e Volvo & Grenda JV

A multinacional sueca Volgren, parceria entre Volvo e Grenda que fabrica ônibus desde 1979, dedica-se a criar veículos confiáveis, confortáveis e duráveis, com custos operacionais mais baixos do que opções convencionais.

A organização também está explorando formas de utilizar o alumínio de baixo carbono LocAl da Capral, para fabricar ônibus elétricos leves e está conduzindo experimentos com esse alumínio para reduzir o impacto ambiental de seus designs principais.

Desde 2018, a Volgren vem fornecendo ônibus híbridos e elétricos a operadores na Austrália e está acelerando a entrega dos primeiros ônibus europeus a hidrogênio na Austrália. O Optimus E-Bus, elétrico da Volgren, destaca-se como um dos ônibus com zero emissão mais leves de sua categoria e tem os mais elevados padrões de segurança e inflamabilidade para ônibus da Austrália. A empresa optou por usar alumínio em vez de aço para as carrocerias de seus ônibus, e seu sistema Co-Bolt utiliza juntas parafusadas reforçadas.

Hydro e outras marcas 

O alumínio de baixo carbono da Hydro é amplamente reconhecido na indústria automotiva, pois marcas emblemáticas como Mercedes-Benz, Porsche e Gränges colaboraram com a gigante norueguesa do alumínio para incorporar sua linha principal, CIRCAL 100R, em suas respectivas linhas de carros.

 

Essa variante do alumínio de baixo carbono da Hydro contém quase 25% de sucata pós-consumo, com emissão de 2,8 kg de CO2 por kg de alumínio. O uso desse material verde reduz de maneira significativa a pegada de carbono das grandes montadoras, considerando que cada uma opera extensas linhas de produção intensivas em energia. A Hydro também se uniu ao fabricante de bicicletas sueco Cake para desenvolver a motocicleta off-road mais sustentável da história da humanidade, utilizando seu alumínio patenteado de baixo carbono.

Fonte: AlCircle.com

Foto: AlCircle.com

Veja também:

Setor do alumínio fatura R$ 135 bilhões e contribui com 5,6% do PIB industrial

Em 2023, a indústria brasileira do alumínio registrou faturamento de R$ 135 bilhões, segundo o 53º Anuário Estatístico da Associação Brasileira do Alumínio. O setor investiu R$ 5,6 bilhões, gerou mais de 511 mil empregos e viu suas exportações crescerem 21,6%, contribuindo com 5,6% do Produto Interno Bruto (PIB) industrial e registrando um superávit de

Anuário da ABAL mostra o desempenho da indústria brasileira do alumínio em 2023

Apesar dos desafios econômicos e geopolíticos enfrentados em 2023, a indústria brasileira do alumínio mostrou sua força e conquistou resultados significativos. Segundo o 53º Anuário Estatístico da Associação Brasileira do Alumínio, o faturamento da indústria atingiu cerca de R$ 135 bilhões. Destaque para a produção de alumínio primário, que cresceu 26%, atingindo mais de 1

Rolar para cima
Rolar para cima