building-1804030_1280

ABAL debate impacto da pandemia na construção civil

Com ciclo de produção longo, setor pode ter dificuldade para se recuperar pós-crise

A Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) promoveu ontem, (11/6), mais um webinar da série “ABAL Insights”, para apresentar aos associados o panorama e as perspectivas do setor construção civil, um dos principais consumidores do metal no Brasil e no mundo. O convidado para a discussão foi Eduardo Zaidan, vice-presidente Financeiro e de Economia do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinduscon-SP), além de membro do Conselho Superior da Indústria da Construção (Consic/Fiesp).

Segundo Zaidan, antes da pandemia, a perspectiva de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) da construção era de 2% a 3% em 2020.

“Depois de três anos de recessão, entre 2014 e 2016, o mercado iniciava uma recuperação e a previsão era de que em 2019 voltaríamos aos níveis de consumo per capita, com um crescimento não muito grande para 2020”, relata.

No entanto, com o quadro recessivo, duas variáveis têm afetado o setor: o investimento e a renda.

“Quando há uma restrição fiscal grande, o investimento do governo, que sempre foi importante para o setor, desaparece. O mesmo acontece com a renda das famílias, que é utilizada para investir em imóveis e proporcionar recursos para o comércio, indústria e serviços, que também investem na construção”, explica.

O especialista avalia que a crise sanitária trouxe imprevisibilidade.

“A construção civil está trabalhando. Nosso problema não é hoje. Como nosso ciclo de produção é longo, os contratos são de 2018 e 2019, e tem bastante obra em andamento. Mas precisamos imaginar o que vai acontecer ao final desse ciclo”, ressalta.

Por enquanto, analisa, o cenário é de retração. Nos três primeiros meses de 2020 em relação ao último trimestre de 2019, o PIB da construção caiu 2,4%, e o PIB nacional reduziu 1,5%, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Já a ocupação na construção teve queda de 2,1%, no primeiro trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – PNAD.

Veja também:

Museu de Arte na China é revestido por 13 mil peças de alumínio

Inspirado em uma grande onda do mar, o Museu de Arte Shimao tem uma fachada imponente coberta por chapas de alumínio que fazem referência às escamas de um dragão. Idealizada pelo escritório Lacime Architects, a instalação está localizada na região de Binhai, na Costa Leste de Tianjin, na China, e explora as múltiplas possibilidades da arquitetura

Estrutura móvel de alumínio é usada como hospital de campanha na França

A cidade de Bayonne, no Sudoeste da França, instalou uma unidade móvel para servir como hospital de campanha contra a Covid-19. Trata-se de um contêiner de alumínio, dividido em cinco módulos, contendo todos os equipamentos necessários para o atendimento de emergência de até 20 pacientes, incluindo os que necessitam de UTI. A utilização de alumínio

Tratamento de superfícies é o segmento mais normalizado do setor de alumínio

O consumidor que adquire um produto de alumínio, como uma porta ou esquadria, por exemplo, talvez nem imagine, mas existem mais de 20 normas técnicas que podem garantir a qualidade e a durabilidade do acabamento desses materiais. Atualmente, o desafio é que essas regras sejam adotadas por todos os fabricantes e empresas que realizam o

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima