Editorial

Um material em sintonia com a sociedade

Alumínio está completamente inserido em conceitos de sustentabilidade demandados pela comunidade mundial

Desde 2003, 28 de outubro é considerado o Dia Nacional da Reciclagem do Alumínio. Para comemorar essa data especial, dedicamos boa parte desta edição para mostrar como a reciclagem desse metal 100% reaproveitável e seu uso vão ao encontro das tendências mais progressistas de consumo e produção.

Em 2016, mais de 29 milhões de t de lixo urbano foram parar em lixões irregulares ou aterros controlados — a informação é da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe). Em meio à essa quantidade de “lixo”, o índice de reciclagem ainda é baixo e está estagnado há anos. Segundo o Compromisso Empresarial para Reciclagem (Cempre), também em 2016, apenas 15% dos brasileiros tinham acesso a programas municipais de coleta seletiva. A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), implementada em 2014, pouco alterou a situação.

Por outro lado, pesquisas e dados (muitos deles citados em reportagens desta edição) apontam que a sociedade está cada vez mais atenta à necessidade do consumo consciente e sustentável. O alumínio está em sintonia com essa tendência. Um relatório produzido pela Resource Recycling Systems (RRS), consultoria internacional de sustentabilidade, confirmou que a lata de alumínio é a embalagem para bebidas mais reciclada do mundo. A taxa mundial de reaproveitamento é de 69%, contra 43% do PET e 46% do vidro. No Brasil, esse número chega a impressionantes 97,7%.

O melhor é que o reaproveitamento não se restringe às latas. Ele está nas embalagens como um todo, na construção civil, no setor de transportes e por aí vai. E mais: a capacidade de reciclagem não é a única contribuição do metal para o meio ambiente. Por suas propriedades únicas, ele contribui com a sustentabilidade de produtos e equipamentos dos mais variáveis setores. Explicamos como nas páginas a seguir.

Por fim, vale citar a cobertura do 8º Congresso Internacional do Alumínio e 7ª ExpoAlumínio, realizados em setembro, em São Paulo. Os maiores eventos do setor na América Latina receberam, juntos, mais de 12 mil pessoas e jogaram luz no atual momento do segmento e em seu futuro. O alumínio tem ganhado espaço e a tendência é melhorar.

Veja também:

Artigo: O setor do alumínio faz a sua parte, mas o governo não ajuda!

Entre os grandes produtores de alumínio, o Brasil é o único país do mundo a ter todas as refinarias de alumina, o principal insumo na produção do metal, certificadas pelos rigorosos padrões da Aluminum Stewardship Initiative (ASI). Esse reconhecimento inédito, que se estende também às operações de extração de bauxita no País, corrobora a cultura

Artigo: Volta do ICMS sobre exportações e fim da mineração de bauxita

Até 1996, os estados brasileiros cobravam imposto sobre os produtos que exportavam. Sobre eles incidia o ICMS, o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços. O Brasil então seguia na contramão das principais economias do mundo. Estas preferiam desonerar as suas exportações, uma vez que seus produtos seriam tributados no destino final. Esse

Artigo: Rota 2030, híbridos e novos motores

Escrito por Eduardo Tomanik A Toyota lança o primeiro veículo híbrido com motor flex do mundo. Mas, custando mais de R$ 120 mil, mesmo com menor IPI, parece difícil que ele venha a vender volume considerável. Enquanto isso, o mercado brasileiro se adequa ao programa governamental Rota 2030. Tanto para atender suas exigências quanto para

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu