Editorial

Um material em sintonia com a sociedade

Alumínio está completamente inserido em conceitos de sustentabilidade demandados pela comunidade mundial

Desde 2003, 28 de outubro é considerado o Dia Nacional da Reciclagem do Alumínio. Para comemorar essa data especial, dedicamos boa parte desta edição para mostrar como a reciclagem desse metal 100% reaproveitável e seu uso vão ao encontro das tendências mais progressistas de consumo e produção.

Em 2016, mais de 29 milhões de t de lixo urbano foram parar em lixões irregulares ou aterros controlados — a informação é da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe). Em meio à essa quantidade de “lixo”, o índice de reciclagem ainda é baixo e está estagnado há anos. Segundo o Compromisso Empresarial para Reciclagem (Cempre), também em 2016, apenas 15% dos brasileiros tinham acesso a programas municipais de coleta seletiva. A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), implementada em 2014, pouco alterou a situação.

Por outro lado, pesquisas e dados (muitos deles citados em reportagens desta edição) apontam que a sociedade está cada vez mais atenta à necessidade do consumo consciente e sustentável. O alumínio está em sintonia com essa tendência. Um relatório produzido pela Resource Recycling Systems (RRS), consultoria internacional de sustentabilidade, confirmou que a lata de alumínio é a embalagem para bebidas mais reciclada do mundo. A taxa mundial de reaproveitamento é de 69%, contra 43% do PET e 46% do vidro. No Brasil, esse número chega a impressionantes 97,7%.

O melhor é que o reaproveitamento não se restringe às latas. Ele está nas embalagens como um todo, na construção civil, no setor de transportes e por aí vai. E mais: a capacidade de reciclagem não é a única contribuição do metal para o meio ambiente. Por suas propriedades únicas, ele contribui com a sustentabilidade de produtos e equipamentos dos mais variáveis setores. Explicamos como nas páginas a seguir.

Por fim, vale citar a cobertura do 8º Congresso Internacional do Alumínio e 7ª ExpoAlumínio, realizados em setembro, em São Paulo. Os maiores eventos do setor na América Latina receberam, juntos, mais de 12 mil pessoas e jogaram luz no atual momento do segmento e em seu futuro. O alumínio tem ganhado espaço e a tendência é melhorar.

Veja também:

O papel do alumínio para a retomada do setor da construção civil

A retomada da economia no pós-pandemia é uma realidade que tem tomado forma dia após dia. No segundo semestre de 2020 isso já pôde ser percebido no setor da construção civil, cujo crescimento se manteve durante o primeiro trimestre de 2021. Embora o segundo trimestre deste ano tenha apresentado pequena queda, devido aos altos estoques

Alumínio e cobre dividem o protagonismo no setor de energia

Por Luiz Henrique Caveagna A utilização do alumínio no setor de energia tem ganhado cada vez mais espaço. Mesmo com queda de 4,2% no consumo de alumínio em 2020, o mercado de cabos elétricos foi exceção e registrou aumento no consumo, passando de 193 mil t. em 2019, para 213 mil t. no ano passado,

Métodos de união de materiais para ligas de alumínio automotivas

Nos últimos anos, a tendência de redução de peso dos veículos vem sendo discutida em diversos países. O debate inclui a maior aplicação de ligas de alumínio em estruturas veiculares, viabilizando o alcance de melhores índices de consumo de combustível e emissões de gases poluentes, além de maior autonomia da bateria dos veículos elétricos. Nos

Rolar para cima