Cabos elétricos de alumínio produzidos pela Alubar (1)

Neste ano, Alubar já faturou 250 mil t de cabo de alumínio liga 1120

O produto faz parte de 90% dos projetos de linha de transmissão nacionais

A Alubar alcançou, em 2021, a marca de 250 mil t de cabos elétricos de alumínio liga 1120 faturadas em 10 anos, desde o início do desenvolvimento do produto em 2013.

 

A empresa, líder de mercado na América Latina na fabricação de condutores elétricos de alumínio e uma das maiores produtoras de vergalhões de alumínio do continente, é a única fabricante do Brasil a atingir esse patamar. Nesse número estão contabilizados os condutores produzidos nas fábricas de Barcarena (PA) e Montenegro (RS).

 

Utilizados principalmente em linhas de transmissão de energia (LTs), os condutores elétricos de alumínio liga 1120 destacam-se em relação aos cabos com alma de aço por serem mais leves e possuírem maior condutividade elétrica, o que permite a construção de estruturas de torres menos robustas, diminuindo o custo global de uma obra do tipo.

 

 José Luiz Conte, gerente de Mercado da Alubar, explica: “Mais de 90% dos projetos de LTs no Brasil trabalham com cabos de alumínio liga 1120. A principal vantagem é que o produto tem características mecânicas que permitem que ele seja utilizado em cabos elétricos sem necessidade de reforço do aço. É uma liga mais leve, com boa capacidade elétrica e que forma flechas menores quando o cabo está esticado. Com isso, pode-se fazer torres mais baixas, gerando economia global para o projeto de transmissão”.

 
Antes de chegar ao Brasil, a liga 1120 já era utilizada em LTs da Austrália.

 
“Dentre os diferenciais competitivos da Alubar, as pessoas são o mais importante. Por possuírem grande conhecimento e experiência em ligas de alumínio, conseguimos, por meio delas, desenvolver internamente a 1120. O produto criado foi disponibilizado já com a possibilidade de produção em larga escala, garantindo sempre a qualidade final, um dos pilares da Alubar”, afirma André Kishi, diretor-industrial da Alubar.


Em 2020, 84% dos cabos produzidos pela Alubar foram de liga 1120. Considerando apenas os cabos nus de alumínio, o total no ano chega a 90%. A empresa trabalha com essa liga em todas as suas unidades fabris. 

 

Na fábrica de Bécancour, no Canadá, a companhia produz vergalhões com essa liga de alumínio. Na unidade de Montenegro, o material é utilizado na fabricação de cabos elétricos. Já em Barcarena são produzidos tanto cabos como vergalhões com a liga 1120.  

Para José Luiz Conte, o faturamento de 250 mil t de cabos de alumínio liga 1120 é benéfico não apenas para o setor elétrico, mas para a economia brasileira.

 

“Essa marca, muito expressiva, mostra o tamanho e a importância da Alubar no cenário nacional. Se a empresa não desenvolvesse esse produto para atender a demanda em larga escala, o mercado nacional ficaria desabastecido e buscaria importação, o que seria negativo para o Brasil. Produzindo e comercializando a liga 1120 aqui, contribuímos para gerar mais emprego, renda e arrecadação de impostos nos locais em que estamos instalados”, destaca.

Veja também:

Prolind completa 30 anos de atuação no mercado de alumínio

A Prolind Alumínio comemora 30 anos no dia 19 de junho. A empresa foi criada para dar continuidade aos negócios da Aluswiss e Arquetipo, fabricantes de peças automotivas a partir de perfis extrudados. A planta inicialmente localizada em Taubaté (SP), no Vale do Paraíba, passou a ser administrada pelo Grupo Helptec, holding do empresário Adalberto

Poços de Caldas, cidade das águas termais e do minério de bauxita

Devido à formação geológica rica em minério de bauxita, a cidade de Poços de Caldas, localizada no Sudoeste de Minas Gerais, divisa com o Estado de São Paulo, ofereceu uma contribuição importante para o início da produção de alumínio primário no Brasil. A região atraiu investimentos da Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) há 80 anos

Casais se conhecem trabalhando para a MRN na Amazônia

Neste Dia dos Namorados, conheça duas histórias de amor que tiveram início em períodos distintos no projeto da Mineração Rio do Norte (MRN), desenvolvido no distrito de Porto Trombetas, município de Oriximiná (PA), em pleno coração da Amazônia. Em 1986, dois jovens se conheceram durante encontros com amigos em espaços de lazer, jogos no ginásio

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima