Cabos elétricos de alumínio produzidos pela Alubar (1)

Neste ano, Alubar já faturou 250 mil t de cabo de alumínio liga 1120

O produto faz parte de 90% dos projetos de linha de transmissão nacionais

A Alubar alcançou, em 2021, a marca de 250 mil t de cabos elétricos de alumínio liga 1120 faturadas em 10 anos, desde o início do desenvolvimento do produto em 2013.

 

A empresa, líder de mercado na América Latina na fabricação de condutores elétricos de alumínio e uma das maiores produtoras de vergalhões de alumínio do continente, é a única fabricante do Brasil a atingir esse patamar. Nesse número estão contabilizados os condutores produzidos nas fábricas de Barcarena (PA) e Montenegro (RS).

 

Utilizados principalmente em linhas de transmissão de energia (LTs), os condutores elétricos de alumínio liga 1120 destacam-se em relação aos cabos com alma de aço por serem mais leves e possuírem maior condutividade elétrica, o que permite a construção de estruturas de torres menos robustas, diminuindo o custo global de uma obra do tipo.

 

 José Luiz Conte, gerente de Mercado da Alubar, explica: “Mais de 90% dos projetos de LTs no Brasil trabalham com cabos de alumínio liga 1120. A principal vantagem é que o produto tem características mecânicas que permitem que ele seja utilizado em cabos elétricos sem necessidade de reforço do aço. É uma liga mais leve, com boa capacidade elétrica e que forma flechas menores quando o cabo está esticado. Com isso, pode-se fazer torres mais baixas, gerando economia global para o projeto de transmissão”.

 
Antes de chegar ao Brasil, a liga 1120 já era utilizada em LTs da Austrália.

 
“Dentre os diferenciais competitivos da Alubar, as pessoas são o mais importante. Por possuírem grande conhecimento e experiência em ligas de alumínio, conseguimos, por meio delas, desenvolver internamente a 1120. O produto criado foi disponibilizado já com a possibilidade de produção em larga escala, garantindo sempre a qualidade final, um dos pilares da Alubar”, afirma André Kishi, diretor-industrial da Alubar.


Em 2020, 84% dos cabos produzidos pela Alubar foram de liga 1120. Considerando apenas os cabos nus de alumínio, o total no ano chega a 90%. A empresa trabalha com essa liga em todas as suas unidades fabris. 

 

Na fábrica de Bécancour, no Canadá, a companhia produz vergalhões com essa liga de alumínio. Na unidade de Montenegro, o material é utilizado na fabricação de cabos elétricos. Já em Barcarena são produzidos tanto cabos como vergalhões com a liga 1120.  

Para José Luiz Conte, o faturamento de 250 mil t de cabos de alumínio liga 1120 é benéfico não apenas para o setor elétrico, mas para a economia brasileira.

 

“Essa marca, muito expressiva, mostra o tamanho e a importância da Alubar no cenário nacional. Se a empresa não desenvolvesse esse produto para atender a demanda em larga escala, o mercado nacional ficaria desabastecido e buscaria importação, o que seria negativo para o Brasil. Produzindo e comercializando a liga 1120 aqui, contribuímos para gerar mais emprego, renda e arrecadação de impostos nos locais em que estamos instalados”, destaca.

Veja também:

Alcoa fomenta cultura da segurança entre colaboradores e terceirizados

Em comemoração ao Dia Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho, em 27 de julho, a Alcoa promoveu ações sobre saúde e segurança do trabalho junto aos colaboradores e terceirizados da unidade de Poços de Caldas (MG), por meio da OneAlcoa, iniciativa criada em 2017. “No início de julho realizamos a Semana da Contratada, voltada

Alubar reduz consumo de madeira em embalagens de cabos de alumínio

A Alubar – fabricante de cabos elétricos e vergalhões de alumínio – deverá reduzir pelo menos 50% da quantidade de madeira utilizada para selar as embalagens dos produtos da unidade de Barcarena (PA). Agora, a empresa fecha parcialmente os carretéis de cabos elétricos para linhas de distribuição, intercalando ripas de madeira com espaços vazios, já que

Técnica inovadora da CBA favorece o reflorestamento na Zona da Mata Mineira

A Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) tem plantado mudas altas de espécies nativas da Mata Atlântica em áreas de reflorestamento na Zona da Mata Mineira. O objetivo é acelerar o restabelecimento da flora, criando áreas para ampliação da fauna. A técnica inovadora para uso em larga escala foi desenvolvida pela empresa em parceria com a

Rolar para cima