Termomecanica_refrigeradores

As diferentes aplicações do alumínio e do cobre para o setor de refrigeração

Especialista explica quais são as vantagens específicas e aplicações singulares que os dois metais apresentam
Escrito por Ricardo de Luca

Com destaque cada vez maior dentro da cadeia de metais, o alumínio tem ganhado visibilidade nos mais diversos setores da economia, tendo em vista a variabilidade de aplicações nos diferentes segmentos industriais. No setor de refrigeração, o metal divide o protagonismo com o cobre, que também exerce função indispensável para o desempenho deste mercado.

As vantagens e aplicações específicas do alumínio possibilitaram que ele seja amplamente utilizado em sistemas de refrigeração e trocadores de calor, em que é necessária resistência e boa conformação — são utilizadas ligas da série 3.000, que contam com presença do elemento manganês, são mais resistentes e bastante trabalháveis.

Dentre os principais ganhos do condutor de alumínio, está a relação custo-benefício quase insuperável quando comparada ao de seus concorrentes. Isto porque o metal conta com preço mais baixo, menor peso e, consequente, leveza, resistência mecânica, boa condutividade térmica, boa refletividade, além de não ser magnético e ter fácil trabalhabilidade.

Outro fator que influencia diretamente na escolha pelo metal é o quesito sustentabilidade, uma vez que o alumínio é infinitas vezes reciclável, aspecto que impacta positivamente o meio ambiente.

Relação entre alumínio e cobre para o setor de refrigeração
Assim como em outros segmentos da indústria, alumínio e cobre apresentam vantagens específicas e aplicações singulares no setor de refrigeração, o que garante o papel fundamental desses metais no desenvolvimento do mercado.

De um modo geral, o cobre e suas ligas são aplicados principalmente em situações onde há fluido em alta temperatura na troca de calor, sendo, neste caso, uma opção recomendável pela boa resistência do material em temperaturas mais elevadas. Os tubos de alumínio, por sua vez, são mais adequados em situações nas quais o peso influencia na instalação, haja vista a leveza apresentada pelo metal, que pesa apenas 30% do cobre.
 
Há de se considerar, que a escolha entre cobre e alumínio também deve levar em consideração as condições de instalação — tubos de alumínio apresentam menor resistência mecânica— e a possibilidade de reparos do sistema, pois processos de solda para o alumínio são mais complexos.

Fator sustentabilidade
Além das vantagens específicas apresentadas e do baixo custo do alumínio, que custa 25% do valor quando comparado ao cobre, a principal vantagem deste metal está relacionada diretamente à sua condição. O alumínio conta com uma estrutura de coleta reversa já amadurecida, eficiente e, tecnologicamente, das mais avançadas do mundo.

Por tratar-se de um material muito reciclado (o país é um benchmark neste quesito), para cada quilo de alumínio reciclado economiza-se a extração de 4,5 Kg do minério e dispendemos 19 vezes menos energia do que se utilizássemos o metal obtido por via primária.

Ricardo de Luca é gerente de Engenharia de Processos e Produtos da Termomecanica, empresa líder na transformação de cobre e suas ligas

 

Veja também:

O impacto do alumínio na indústria naval

A indústria naval está presente no Brasil desde os tempos coloniais. A posição geográfica das terras brasileiras e a qualidade da madeira e de recursos do país fizeram com que os portugueses, ao chegarem aqui, instalassem estaleiros, tanto para reparações de embarcações, como para a construção de novos transportes marítimos. Hoje, mais de 500 anos

Rolar para cima