Motor 1.5 Turbo

Saiba como são produzidos os motores de alumínio da Honda

Reportagem detalha o processo desde a chegada das ligas metálicas até o produto acabado

A equipe da revista Quatro Rodas visitou a fábrica da Honda em Sumaré, interior de São Paulo, que produz os motores 1.5, 1.8 e 2.0 de quatro cilindros, presentes nos automóveis Fit, WR-V, HR-V e Civic.

Segundo a reportagem, o motor com bloco e cabeçote de alumínio precisa de 13 horas para ficar pronto. A planta entrega 9.600 unidades por mês para equipar os carros da marca no País.

A unidade de Powertrain é dividida em três linhas. Na primeira, de fundição, são fabricados os blocos e cabeçotes em um processo automatizado, no qual duas ligas de alumínio chegam de um fornecedor localizado próximo à fábrica. Em menos de dois minutos, surge um bloco de motor pronto. No caso do cabeçote, são necessários 2 minutos e 30 segundos.

Essas peças, ainda quentes, vão para a segunda linha, de usinagem, onde passam por diversos processos, desde fresamento, produção de furos e roscas entre outros, até serem lavados e inspecionados.

Por fim, bloco e cabeçote seguem para a montagem. Cada um recebe componentes como pistões, no caso do bloco, e as válvulas, no caso do cabeçote, para depois se encontrarem e serem unidos, passando a contar com sistemas agregados, componentes elétricos, câmbio e até fluidos. Todas as partes instaladas a partir da união do bloco com o cabeçote vêm de fornecedores externos.

Leia aqui o conteúdo na íntegra.

Veja também:

Projeto nos Estados Unidos busca aprimorar reciclagem de chapas de alumínio automotivo

O The Clean Sheet Project, liderado pela Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, vai estabelecer diretrizes para aprimorar a eficiência na reciclagem das chapas de alumínio automotivo. A Aluminum Association faz parte da equipe de pesquisa, a qual ainda conta com a participação da Novelis, Ford, Argonne National Laboratory e Institute of Scrap Recycling Industries. 

A revolução industrial do alumínio no setor automotivo

Escrito por Pedro Bamberg O uso de ligas de aluminio pela indústria automotiva é um dos principais pontos-chave para que as montadoras consigam atingir demandas importantes e sustentáveis quanto a limites de emissão de gases poluentes, consumo de combustível, segurança e performance. A substituição das convencionais ligas de aço por ligas de alumínio resultam em

Os benefícios da reciclagem do alumínio automotivo

O estudo The Coming Wave of Aluminum Sheet Scrap in the United States, da Universidade de Michigan, aponta que a sucata secundária do alumínio automotivo atingirá o seu pico na próxima década nos Estados Unidos. Isso ocorrerá quando os primeiros modelos com alto conteúdo de alumínio – principalmente chapas de carroceria – e produção em

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima