washing-hands-4940239_1280

Coronavírus sobrevivem menos tempo em superfícies de alumínio?

Pesquisadores de universidade alemã elaboram estudo sobre a resistência do coronavírus em diferentes superfícies. Veja como se comportou o metal

Com o avanço da pandemia da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2), muitas pessoas receberam por mensagem de WhatsApp ou viram nas redes sociais informações de uma pesquisa que mostra quanto tempo o vírus resiste em determinadas estruturas, dentre elas, as de alumínio.

Para evitar qualquer desinformação em um momento tão crítico, fomos atrás do estudo para verificar a veracidade das informações.

De fato, pesquisadores da Universidade de Medicina de Greifswald, na Alemanha, revisaram 22 estudos técnicos para verificar a persistência em 13 superfícies diferentes dos coronavírus humanos conhecidos antes do surgimento do novo coronavírus, como o Sars-CoV, Mers-CoV e HCoV.

Dentre cinco superfícies submetidas ao HCoV – 229E (um tipo de coronavírus que infecta os seres humanos), a uma temperatura de 21 °C, o alumínio foi o material em que ele apresentou menor tempo de vida. Veja abaixo:

  • Alumínio – 2 a 8 horas
  • Aço – 5 dias
  • Vidro – 5 dias
  • PVC – 5 dias
  • Cerâmica – 5 dias

Os coronavírus humanos podem permanecer infecciosos por até nove dias, concluíram os pesquisadores. Por sua vez, desinfecção com hipoclorito de sódio a 0,1% ou álcool 62% a 71% reduz significativamente o poder contaminante do coronavírus. Os estudiosos estão otimistas: “Esperamos um efeito semelhante contra o Sars-CoV-2 [novo coronavírus]”.  Leia o estudo completo (em inglês) aqui.

 

Veja também:

Por que o alumínio é fundamental no combate ao novo coronavírus?

Com a chegada do novo coronavírus, causador da Covid-19, o Brasil entrou em estado de alerta. Os governos estaduais instituíram a quarentena para segurar o pico da pandemia, permitindo apenas a manutenção dos serviços considerados essenciais. Porém, dentro desse contexto, a indústria do alumínio também não pode parar. Para garantir segurança jurídica e abastecimento à

Mulheres conquistam cada vez mais espaço na indústria do alumínio

O debate sobre igualdade ainda é amplo e a conscientização das empresas cresce na mesma proporção da participação das mulheres em diferentes papéis no mercado de trabalho, inclusive em áreas historicamente com maior concentração masculina. No setor do alumínio não é diferente. A profissional Sylvia Sanchez faz parte dessa história. Ela iniciou a carreira na

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu