g_70_0_1_12082020140201

Pindamonhangaba, a capital da reciclagem do alumínio no Brasil

Com vocação industrial, cidade paulista concentra grandes negócios do setor

Localizada no Vale do Paraíba, entre as duas mais populosas cidades brasileiras — São Paulo e Rio de Janeiro —, a paulista Pindamonhangaba recebeu o título de Capital Nacional da Reciclagem do Alumínio em 2003, concedido pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) — o Dia Nacional da Reciclagem do Alumínio foi celebrado recentemente, em 28 de outubro.

LEIA TAMBÉM:
Com o metal até no nome, cidade de Alumínio é impactada positivamente pela atuação da CBA
Conheça Juruti: sem abrir mão da identidade, cidade evolui com o alumínio

A relação do local com o metal transcende ao alumínio. Em 2019, Pinda, como também é chamada, foi reconhecida como capital da metalurgia pela Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade), órgão do governo do Estado de São Paulo.

Fato é que a cidade, fundada em 1672, hoje com mais de 175 mil habitantes, tem inegável vocação industrial, graças à infraestrutura urbana — com disponibilidade de energia elétrica e gás natural — e à já citada localização estratégica. Com tantos atributos, em menos de 20 anos o município recebeu seis parques empresariais.

A história com o setor do alumínio teve início com a planta da Alcan, empresa de origem canadense cuja área de laminação atende desde 2005 por Novelis.

“Com a inauguração da fábrica em 1977, houve uma virada tecnológica incrível. Foi a Alcan que desenvolveu praticamente todas as tecnologias de alumínio no Brasil. Tudo o que há hoje sobre o metal foi feito com o suporte vindo do Canadá. A verdade é que ela foi uma escola para outras empresas”, lembra Ayrton Filleti, presidente Emérito da ABAL.

Até 1994, a Alcan fabricou essencialmente chapas de alumínio para latas de bebidas. A partir desse ano, a produção passou a ser realizada com alumínio reciclado, agora marca registrada de Pinda.

Planta da Novelis em Pindamonhangaba: erguida em 1977, é hoje o maior o maior centro de laminação e reciclagem de alumínio da América Latina 

 

“Em 1998, a Alcan instalou o centro de reciclagem na região”, recorda Gustavo Faria, gerente de Negócios de Metal da Novelis Brasil.

Hoje, a unidade instalada no Vale do Paraíba é considerada o maior centro de laminação e reciclagem de alumínio da América Latina.

Anualmente, cerca de 60% de todas as latinhas de alumínio recicladas no País são processadas pela Novelis, percentual equivalente a mais de 17 bilhões de unidades. A planta conta com 1.500 profissionais e se destaca pela excelência operacional e equipamentos de última geração.

 Investimentos

Recentemente, a Novelis investiu US$ 175 milhões para expandir a capacidade da planta, beneficiando os clientes de latas para bebidas e de especialidades na região com 680 mil t/ano do material, além de aumentar a capacidade de reciclar para 450 mil t/ano de alumínio. Com conclusão prevista para 2021, as obras deverão criar mais de 50 novos empregos.

O aporte acima inclui ainda um novo terminal ferroviário que conecta a instalação de Pindamonhangaba a importantes portos. A iniciativa promete reduzir as emissões de CO2 em até 73%, como resultado do transporte de produtos por via férrea ao invés de rodoviário.

Laminados da Novelis: empresa investiu US$ 175 milhões para expandir a capacidade da planta em Pinda

A formação do polo

A construção da primeira unidade, em 1977, fez com que mais tarde um polo de empresas que atuam com o alumínio se estabelecesse na cidade. Em 1991, a Latasa foi pioneira ao iniciar as atividades no setor de reciclagem de alumínio e na implementação do sistema integrado de coleta e fundição em Pinda.

A empresa pertencia à Aleris International, mas foi vendida para um grupo familiar nacional em 2010, que posteriormente fundou o Grupo ReciclaBR, voltado à reciclagem de metais não ferrosos no Brasil.

 “Nossa operação em Pindamonhangaba têm capacidade para reciclar 10 mil t de alumínio e são exclusivamente para venda ao setor de latas. Comercializamos para a Novelis, nossa parceira, o alumínio líquido e o lingote”, explica Mário Fernandes, CEO do Grupo.

Unidade da Latasa, empresa do Grupo ReciclaBR, em Pindamonhangaba 

Entre os investimentos mais recentes na região, Fernandes cita dois novos sistemas de exaustão — utilizados para evitar que as micropartículas geradas pela indústria se dissipem no ar — e uma linha fria, processo pelo qual a sucata passa antes de entrar para o forno. Com isso, há melhora no rendimento e na qualidade da liga.

“Pindamonhangaba é um polo importante. Tem muitas indústrias e mão de obra qualificada. Temos bom relacionamento com funcionários, colaboradores e parceiros, apesar das dificuldades tributárias de manter uma planta no Estado de São Paulo”, ressalta o CEO do Grupo ReciclaBR.

 Em 1995, a cidade recebeu também a Elfer Alumínio, pertencente ao Grupo Cecil (laminação de metais). A empresa passou a atuar em duas frentes: no processamento de laminados de alumínio e na fabricação de peças para as indústrias automotiva, eólica, naval e de transformação, entre outras.

Toda a sucata gerada no processo de produção da Elfer é enviada à Novelis. Ali o material é reprocessado e transformado em bobina novamente.

“Ganhamos em logística e velocidade”, comemora Fábio Rocha Passerini, gerente de Negócios da empresa.

Recentemente, a Elfer investiu na mudança do layout da planta.

“Trocamos a posição de várias máquinas para facilitar o fluxo das peças e deixar a fábrica mais enxuta e rápida. A partir de um estudo recém-concluído, já ganhamos 10% em produtividade e a ideia é ampliar esse percentual”, afirma.

Outra novidade da Elfer é ter seu projeto sobre a produção de peças para tanques de combustível voltadas a caminhões – contemplado pelo Programa Rota 2030 do governo federal.

Impactos positivos

A chegada dessas indústrias tem colaborado com o desenvolvimento de Pindamonhangaba. Álvaro Staut Neto, secretário de Desenvolvimento Econômico do município, explica que o impacto positivo é sentido tanto na geração de empregos como nas várias cooperativas de reciclagem dedicadas exclusivamente ao recolhimento, prensagem e comercialização de todo tipo de alumínio, especialmente latas, incentivando novos microempreendedores e proporcionando aumento de renda.

Na área social, a Novelis atua em dois polos do Projeto Guri na cidade: Ciência Divertida e Formação Continuada de Professores, com apoio da Secretaria de Educação e Cultura.

Há, ainda, os projetos Escolas Saudáveis e Construindo Música. O primeiro contribui para a promoção da saúde e qualidade de vida de alunos da rede escolar. O segundo, direcionado à Educação Infantil, prevê 32 oficinas de iniciação musical e construção de instrumentos a partir da reutilização de materiais.

Latas para reciclagem em centro de coletas da Latasa

Veja também:

Com apoio da MRN, Oriximiná (PA) celebra o Dia da Consciência Negra

No Dia da Consciência Negra (20/11), a Comunidade do Boa Vista Trombetas, em Oriximiná, no Oeste do Pará, celebra 25 anos de titulação das terras quilombolas. Cerca de 150 famílias participam de uma programação especial, seguindo os protocolos de segurança contra a Covid-19. “Fomos a primeira comunidade negra do Brasil a conquistar a titulação das

Condutividade térmica no alumínio: qual a importância desse benefício?

Pode ser que alguns consumidores utilizem o alumínio sem saber o motivo de o material ter sido escolhido para compor determinado produto. Por isso, visando a apresentar as diferentes características do metal e suas contribuições para as indústrias e sociedade, o portal Revista Alumínio inicia uma nova série de reportagens: Vantagens do Alumínio. Na primeira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu