PINDAMINHANGABA (SP), 07.11.2018  - 13:00 -  LATASA -  Visita ao Centro de Coleta e à Planta de Reciclagem de latas LATASA -  Foto: Juca Varella/JV IMAGENS

Reciclagem do alumínio no Brasil vai muito além das latinhas

No Dia Nacional da Reciclagem do Alumínio, destacamos os inúmeros benefícios do processo que é referência no mundo

Hoje, 28 de outubro, é celebrado o Dia Nacional da Reciclagem do Alumínio. Não por acaso. Afinal, a cadeia de reaproveitamento do metal no País é referência mundial. Além da liderança no segmento de latas, cujo índice médio de reuso é superior a 96% há mais de dez anos, chegando a 97,3% em 2018, o Brasil ostenta outra marca: consome 55,4% de alumínio reciclado, que o coloca acima da média mundial de 25,6%, de acordo com dados da Associação Brasileira do Alumínio (ABAL).

O maior centro de laminação e reciclagem de alumínio da América Latina está em Pindamonhangaba (SP) e pertence à Novelis. A companhia investiu US$ 175 milhões em expansão e deve alcançar, em 2021, a capacidade de 680 mil t/ano em laminação e 450 mil t/ano em reciclagem. Hoje, mais de 17 bilhões de latas de alumínio consumidas no País são recicladas pela empresa por ano.

Planta da Novelis em Pindamonhangaba (SP): unidade é o maior centro de laminação e reciclagem de alumínio da América Latina (Foto: Ivan Pagliarani)

No entanto, o metal derivado da sucata pode ser empregado em setores que vão além das embalagens, como na construção civil, indústria automotiva e bens de consumo. Ou, inclusive, retornar para o processo produtivo de origem.

O principal benefício dessa importante característica é ambiental, uma vez que o processo de reciclagem economiza 95% de energia elétrica e, consequentemente, reduz as emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na mesma proporção, quando comparado à produção do alumínio primário. Além de ser infinitamente reciclável, o alumínio não perde suas propriedades.

Cápsulas de café

Em negócios cujo foco é a economia circular, como o de café porcionado da Nespresso, a reciclabilidade do metal faz a diferença. Neste ano, a companhia anunciou que, gradativamente, suas cápsulas de café serão produzidas com 80% de alumínio reciclado em nível global. O objetivo é que, até o final de 2021, todos os produtos da linha doméstica estejam em conformidade com o novo formato. Com isso, a empresa espera reduzir em até 19% a pegada de carbono de cada cápsula.

Cápsulas de café da Nespresso: serão produzidas com 80% de alumínio reciclado (Fotos: divulgação)

“O alumínio é um dos recursos mais valiosos do mundo. Ele pode ser refundido e reutilizado infinitamente, permitindo uma segunda vida aos resíduos gerados. O escolhemos para a composição de nossas cápsulas porque, além da reciclabilidade, protege o frescor, o sabor e o aroma do café”, comenta Claudia Leite, head de Criação de Valor Compartilhado, Cafés e Comunicação Corporativa da Nespresso no Brasil.

Das cápsulas para canetas, canivetes e bicicletas

E não para por aí. Após o consumo pelos clientes, as cápsulas de café são coletadas e passam por um processo de reaproveitamento realizado pela empresa.

“No Brasil, em nosso Centro de Reciclagem, fazemos a separação do pó de café do alumínio por meio de um maquinário de desenvolvimento próprio e que não utiliza água. O metal pode ser transformado em novos produtos, como canetas, canivetes e bicicletas, enquanto o pó de café vira adubo orgânico”, comenta Claudia.  

Para viabilizar esses produtos, a companhia realizou diversas parcerias. As canetas são desenvolvidas junto com a marca Caran D’Ache, os canivetes com a Victorinox e as bicicletas com a empresa Vélosophy.

“Em países próximos à Alemanha, como França, Bélgica, Holanda, Luxemburgo e Suíça, as cápsulas já são refundidas e reformadas para se tornarem novas cápsulas”, acrescenta Claudia.

Das cápsulas para uma infinidade de aplicações: alumínio usado pela Nespresso se transforma em bicicletas produzidas pela Vélosophy 

Peças para motores e componentes automotivos

A indústria automotiva já se beneficia do uso de alumínio reciclado há anos e cada vez mais busca novas soluções para garantir a redução de peso e o aumento da eficiência energética.

Empresa do Grupo Recicla BR, a Auto Parts, em Tatuí (SP), é especializada na fabricação de peças injetadas para motores e outros componentes a partir do alumínio reciclado. A liga 306, uma das mais utilizadas neste segmento, pode ser produzida com um mix de carga com sucatas, como por exemplo, blocos de motor, cavaco, entre outros e o metal primário. 

“Não existe diferenciação entre a liga feita com metal 100% primário ou com uso do secundário na mistura. No final é exatamente o mesmo produto”, confirma Mário Fernandes, CEO do Grupo Recicla BR.

Segundo Fernandez, hoje a planta da empresa utiliza 1,5 t de alumínio por mês. O material vem de outras plantas do Grupo Recicla BR, que processa mais de 300 mil t de metais não ferrosos por ano, tanto primário como secundário. A companhia possui atualmente uma rede com 25 centros de coleta para captação de sucata em todo território nacional.

Auto Parts, em Tatuí (SP): produz peças injetadas para motores e outros componentes a partir do alumínio reciclado

Tarugos sustentáveis

No setor de esquadrias de alumínio, a sucata do perfil gerada no processo de extrusão tem sido utilizada novamente no processo de fundição do tarugo — que, posteriormente, vai se transformar novamente em perfil.

“A qualidade é sempre a mesma. O alumínio é um dos principais metais que pode ser reciclado infinitamente e que mantém as suas propriedades”, explica José Carlos Garcia Noronha, especialista e consultor da Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio (Afeal).

“O processo industrial para conseguir o tarugo envolve uma composição de 50% a 60% de sucata de perfis. O tratamento é sustentável, pois não agride a natureza”, comenta. 

Já a Metalex, empresa que faz parte da Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) desde 2010, já nasceu produzindo alumínio a partir da sucata reciclada em sua planta sediada em Araçariguama (SP). Atualmente produz tarugos com diâmetro de 4 a 7 polegadas em diferentes ligas: convencionais, especiais e premium, e tem capacidade de produção de 75 mil t do metal.

Planta da Metalex, em Araçariguama (SP): empresa investe na instalação de uma nova linha de reciclagem para maximizar o consumo atual de sucata no mix de produção

Neste mês, se reposicionou no mercado e anunciou o investimento de R$ 50 milhões na aquisição de um forno Sidewell para aumentar a produção de tarugos e na instalação de uma nova linha de reciclagem para maximizar o consumo atual de sucata no mix de produção — de 60% até 80% a partir de 2023.

Com esse projeto de expansão, a empresa busca garantir além de ganhos em eficiência e produtividade, uma redução ainda maior da pegada de carbono na produção. Quando toda a linha estiver em atividade, a emissão de GEE será de 1,4 t CO2e (tonelada de dióxido de carbono equivalente) para cada t de alumínio produzido.

Crédito da imagem de abertura: divulgação Recicla BR

Veja também:

Com apoio da MRN, Oriximiná (PA) celebra o Dia da Consciência Negra

No Dia da Consciência Negra (20/11), a Comunidade do Boa Vista Trombetas, em Oriximiná, no Oeste do Pará, celebra 25 anos de titulação das terras quilombolas. Cerca de 150 famílias participam de uma programação especial, seguindo os protocolos de segurança contra a Covid-19. “Fomos a primeira comunidade negra do Brasil a conquistar a titulação das

Condutividade térmica no alumínio: qual a importância desse benefício?

Pode ser que alguns consumidores utilizem o alumínio sem saber o motivo de o material ter sido escolhido para compor determinado produto. Por isso, visando a apresentar as diferentes características do metal e suas contribuições para as indústrias e sociedade, o portal Revista Alumínio inicia uma nova série de reportagens: Vantagens do Alumínio. Na primeira

Pindamonhangaba, a capital da reciclagem do alumínio no Brasil

Localizada no Vale do Paraíba, entre as duas mais populosas cidades brasileiras — São Paulo e Rio de Janeiro —, a paulista Pindamonhangaba recebeu o título de Capital Nacional da Reciclagem do Alumínio em 2003, concedido pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) — o Dia Nacional da Reciclagem do Alumínio foi celebrado recentemente, em 28

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu