AdobeStock_222131875

Projeto pioneiro liderado pela ABAL tem gestão elogiada e vira referência para o Governo Federal

Além de ampliar o conhecimento sobre o alumínio na indústria de transportes, iniciativa inspira a formação de outros consórcios para o Rota 2030

O primeiro projeto oriundo da aliança estratégica firmada entre a Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) e a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) segue a pleno vapor, mesmo com os desafios impostos pela pandemia da Covid-19. 

O inédito projeto de pesquisa, desenvolvimento e inovação, que tem como objetivo produzir um sistema para estudo comparativo de juntas de alumínio em estruturas de veículos em geral e implementos de transporte, estava previsto para ser finalizado até abril de 2021. Mas, em função das restrições decorrentes do período de quarentena, o prazo foi postergado para outubro do mesmo ano.

Modelo de gestão

Não só o projeto de pesquisa e desenvolvimento em formato colaborativo, mas também o modelo de gestão e condução vem chamando atenção do mercado – idealizado para simplificar a participação das empresas e proporcionar a máxima produtividade nos trabalhos em conjunto. 

Por exemplo: para simplificar as questões jurídicas foi firmado um contrato entre a ABAL e o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT). Já as empresas participantes do projeto assinaram um termo de adesão. 

Assinatura da parceria estratégica entre ABAL, Embrapii e IPT, em 2019

Na fase inicial do projeto, ABAL e IPT organizaram reuniões individualizadas com cada uma das 14 empresas participantes dos segmentos do alumínio, automotivo e de transportes. Isso permitiu entender e esclarecer pontos sensíveis, como a questão do compartilhamento de dados. 

“A parceria para a realização desse projeto mostrou um nível de maturidade muito bom no setor do alumínio. Houve pleno respeito à compliance e o nível de profissionalismo superou nossas expectativas, que já eram elevadas”, afirma Heber Otomar, consultor técnico de Desenvolvimento de Mercado e Inovação da Companhia Brasileira de Alumínio (CBA).

Para dar andamento no projeto em si, foram criados dois grupos de trabalho — um comitê técnico e outro de gestão — e cada empresa participante indicou um representante para cada um deles.

“A criação dos dois grupos foi uma solução interessante e bastante eficiente para a condução do projeto. O grupo técnico pode focar na execução do projeto, enquanto o comitê gestor tem uma visão mais estratégica, fazendo o acompanhamento de cronograma e avaliação de resultados, por exemplo”, avalia Guilherme Superbia, gerente de Excelência Comercial e Marketing da Novelis Brasil.

Também são realizados workshops regulares (em versão on-line durante a pandemia) com as equipes técnicas das empresas participantes. O foco dos encontros é a apresentação de temas de interesse comum das companhias. 

“Apesar do impacto da Covid-19 no início dos trabalhos técnicos, os workshops realizados com o uso das plataformas virtuais contribuíram para promover a integração das equipes, além de fortalecer e nivelar os conhecimentos técnicos. Eles também criam um ambiente propício para geração de novas oportunidades de inovação”, analisa Alfredo Imagawa Júnior, coordenador de Aplicação e Desenvolvimento da Hydro Soluções em Extrudados

Até o momento, foram realizados três workshops:

  • Uniões mecânicas e por fusão; e a produção de componentes metálicos por manufatura aditiva.
  • Linha IV do Rota 2030: “Ferramentarias Brasileiras Mais Competitivas”. 
  • Adesivos estruturais e caracterização do comportamento mecânico.

Pavimentando o caminho para o futuro

A experiência proporcionada pelo projeto tem o potencial de mudar o cenário de pouca colaboração na área de pesquisa e desenvolvimento no Brasil. O sucesso do modelo de gestão e condução já transformou o projeto liderado pela ABAL em uma referência para o mercado em geral, inclusive para o Programa Rota 2030, do governo federal.

“O Rota 2030 tem características propícias para o trabalho colaborativo. E eu propus que os próximos editais do programa seguissem o modelo de contratação do projeto ABAL/Embrapii”, afirma Ana Paola Villalva Braga, chefe do Laboratório de Metalurgia do IPT do Estado de São Paulo e gerente do projeto — que também faz parte da coordenação da Linha 4 do programa Rota 2030.

A experiência também está mudando o olhar das empresas e já as incentiva a participar de outros projetos semelhantes. A CBA, Novelis e Fiat Chrysler Automobiles (FCA) assinaram um acordo de cooperação tecnológica para o desenvolvimento do projeto ‘Otimização de Ligas de Alta Resistência de Alumínio para o Setor Automotivo’.

Otomar, da CBA, destaca que, além dos benefícios em melhoria de processos, celeridade e redução de custo de produção, o projeto abriu um leque de oportunidades para novas parcerias com outros players do setor.

Já Superbia, da Novelis, ressalta que a experiência adquirida anteriormente foi fundamental para acelerar a tomada de decisão quanto ao novo projeto. Além disso, muita coisa acabou sendo replicada a partir da iniciativa da ABAL, como o modelo de gestão.

Competição com cooperação

O formato de consórcio, que reúne várias empresas — algumas delas concorrentes diretas, outras de diferentes partes da cadeia produtiva — para atender uma demanda comum, é bastante comum em mercados mais desenvolvidos, como os da América do Norte e Europa. 

Embora apresente uma série de vantagens, como diluição de custos, redução no tempo de desenvolvimento e aproximação e compartilhamento de conhecimento entre diferentes elos da cadeia, o formato ainda é raro no Brasil. 

“O princípio do projeto é a ‘coopetição’, estratégia em que as empresas competem e colaboram em prol de um objetivo comum. Em outras palavras, é uma relação que oferece ganhos para todos os participantes”, explica Kaísa Couto, diretora da Área Técnica da ABAL.

No caso do projeto da ABAL, o objetivo em comum é esclarecer o mercado a respeito dos processos de união entre produtos de alumínio e desses com produtos de aço — ajudando, em âmbito maior, a ampliar a utilização do metal na indústria automobilística. O estudo com os resultados e conclusões será aberto a todo o público

Segundo Ana Paola, do IPT, o mercado em geral ainda não tem uma visão muito clara sobre as técnicas de união do alumínio. Há certas percepções equivocadas — como, por exemplo, de que o metal não pode ser soldado ou que os processos de adesivagem oferecem pouca resistência e confiabilidade. 

Os parâmetros e simulações existentes atualmente consideram materiais produzidos fora do Brasil. Agora, com esse projeto, os participantes terão resultados próprios, com parâmetros precisos e uma ampla gama de dados.

“É um feito que nenhuma empresa alcançaria sozinha”, ressalta Otomar, da CBA.

As empresas envolvidas diretamente no consórcio terão acesso ao sistema desenvolvido para a realização do estudo. Dessa forma, passarão a contar com uma importante ferramenta para encontrar as soluções mais eficientes, facilitando a tomada de decisão em projetos futuros.

A origem do projeto

A aliança com a Embrapii é um desdobramento da Rota Estratégica da Cadeia Brasileira do Alumínio 2030, iniciativa que contempla uma série de ações para a promoção da competitividade da indústria do alumínio no Brasil.

Idealizado pela ABAL, o formato de consórcio foi inicialmente discutido e trabalhado com suas empresas associadas da cadeia produtiva do alumínio. Posteriormente, evoluiu com a participação dos setores automotivo e de transporte, incluindo uma fabricante, sistemistas e startups

As 14 empresas participantes do projeto são: Aethra, Arconic, CBA, Esab, Fiat Chrysler Automóveis (FCA), FSW Brasil, Hydro, Iochpe Maxion, Lord, Metalsa, Novelis, Prolind, Randon e ReciclaBR. O IPT foi a unidade da Embrapii designada para a execução do projeto.

“A receptividade das empresas aos convites foi muito acima do esperado, o que revela uma demanda reprimida desse tipo de iniciativa”, conclui Kaísa Couto, diretora da ABAL.

Veja também:

Consumo de alumínio tem alta de 25,2% no 1º semestre de 2021

A pesquisa de mercado consolidada pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) no primeiro semestre de 2021 revela que o consumo doméstico de produtos transformados cresceu 25,2% em relação ao mesmo período do ano passado. O volume total foi de 805 mil t, sendo 88% de origem nacional e o restante de importações. “O bom desempenho

Balança comercial: alumínio registra superávit no primeiro semestre de 2021

De acordo com a Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), a balança comercial do setor no primeiro semestre de 2021 registrou superávit de US$ 623 milhões (valor FOB, sigla em inglês para designar o frete em que a responsabilidade pelo transporte da mercadoria é do cliente). O resultado positivo se deve, principalmente, às exportações de alumina

Albras ocupa segunda posição no ranking nacional de comercialização da liga PFA

A Albras, subsidiária da multinacional norueguesa Hydro na produção de alumínio primário, tem se destacado no mercado de liga PFA (lingote com liga de silício), utilizada em larga escala pela indústria automotiva. Desde o lançamento do produto no seu portfólio, em 2019, a empresa ampliou em 100% a produção e já é a segunda maior

Rolar para cima