16

Empresas dos setores do alumínio, automotivo e de transportes se unem em projeto inédito de cooperação

Parceria estratégica entre ABAL, Embrapii e IPT permitirá estudos de aplicações inovadoras do metal em veículos

Na última terça-feira, 1º de outubro, foi assinado no Centro Cultural do Alumínio, em São Paulo, o primeiro projeto da aliança estratégica firmada entre a Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) e a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) no início deste ano. A iniciativa tem como objetivo desenvolver um sistema para estudo comparativo de desenvolvimento de juntas de alumínio em estruturas de veículos automotores e implementos de transporte. O prazo para sua execução é estimado em dezoito meses.

Participam do projeto empresas dos setores do alumínio, automobilístico e de transportes, além do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT), que compõe o time de Unidades Embrapii.

Todos os envolvidos tratam a ação como inédita, já que reúne catorze empresas produtoras e usuárias de alumínio e uma instituição de ponta em competência tecnológica. Também exemplo de cooperação, o projeto trará capacitação e benefícios a segmentos de peso da indústria nacional.

“Esse é um projeto modelo para o governo do Estado de São Paulo”, reconhece Marcos Vinícius de Souza, subsecretário de Ciência, Tecnologia e Inovação da Secretaria de Desenvolvimento Econômico paulista. “A ação envolve diferentes atores em um único ambiente para desenvolver algo complexo, de grande tecnologia. Tem tudo para ser um sucesso e o governo do Estado certamente usará como benchmarking para o futuro.”

“A proposta de reunir empresas para o desenvolvimento de projetos que atendam demandas comuns de mais de um setor é muito importante para o incentivo à inovação no País”, afirma o diretor-presidente da Embrapii, Jorge Guimarães. “A parceria tem um aspecto pré-competitivo importante, que é o trabalho em forma de consórcio. Assim como a disponibilidade de fomento via Embrapii, fundamental para sua realização. A indústria se beneficiará com um conhecimento tecnológico de ponta”, acredita Jefferson de Oliveira Gomes, diretor-presidente do IPT.

“As empresas da cadeia produtiva do alumínio entendem que, para se manterem competitivas, é necessário investir em inovação e tecnologia. É essa ideia que move o nosso acordo. Tenho certeza de que será exemplo e um marco para a indústria nacional, além, é claro, de contribuir com soluções que são prioridade para o nosso segmento”, diz Milton Rego, presidente-executivo da ABAL.

Alumínio e indústria automotiva
O setor automotivo é o maior consumidor de alumínio no mundo. No Brasil, o segmento ocupa a 2ª posição. “É questão de tempo para que, também em nosso país, a indústria de transportes se torne o principal consumidor do metal”, afirma Milton.

“São fabricados por ano, em todo o mundo, 100 milhões de veículos. Cada um deles pesa na faixa de 1,2 a 2 toneladas. A redução de massa, com a utilização de novos materiais, é fundamental para as alterações no processo fabril das montadoras”, completa Jefferson, do IPT.

Kaísa Couto, gerente da Área Técnica da ABAL, explica que os estudos devem comparar o desempenho de técnicas diferentes, unindo alumínio com alumínio ou mesmo alumínio com aço, para soluções estruturais.

“Esses estudos acontecem mundo afora e somos pioneiros em fazer isso de maneira colaborativa no Brasil, identificando e estudando o comportamento dessas junções e permitindo que soluções economicamente mais viáveis e tecnicamente mais interessantes sejam adotadas”, diz.

São empresas parceiras do projeto a Aethra, Companhia Brasileira de Alumínio (CBA), Esab, FCA-Fiat Chrysler Automóveis, Hydro Extrusion, Maxion Componentes Estruturais, Metalsa, Novelis, Prolind, Randon Implementos e ReciclaBR. Arconic, FSW Brasil e Lord apoiam a iniciativa.

Crédito da imagem de abertura: Associação Brasileira de Alumínio (ABAL)

Veja também:

Alumínio aplicado no primeiro Airbus 380 a entrar em operação se transforma em souvenir

Em janeiro deste ano, o primeiro avião do modelo Airbus 380 foi totalmente desmontado. Parte das 560 toneladas da fuselagem foi transformada em sete mil etiquetas de alumínio para bagagem, com edição limitada. O produto foi fabricado pela Aviation Tag, empresa especializada na transformação do material proveniente de aeronaves em souvenir. As etiquetas exclusivas podem

Novelis mantém parcerias estratégicas no setor automotivo

Com foco no desenvolvimento de veículos mais leves e eficientes, a Novelis está trabalhando com diversos produtores de equipamentos para veículos, os chamados Original Equipment Manufacturers (OEMs), para oferecer ligas de alumínio de alta resistência e com processos que atendam as demandas atuais. Atualmente, 100% das chapas de alumínio enviadas à fábrica da Jaguar Land Rover

Ligas modernas melhoram eficiência dos modelos da Mercedes-Benz

A equipe de pesquisa e desenvolvimento da montadora alemã Mercedes-Benz já utiliza ligas de alumínio em seus produtos. O objetivo é melhorar a eficiência de combustível e, consequentemente, diminuir o desgaste do automóvel. Os metais mais leves e duráveis estão presentes tanto nos chassis, carroceria, freios e aerofólio, como nos acabamentos internos — no caso

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu