female-researcher-with-safety-glasses-and-gloves-holding-syringe (2)

Com alumínio, Coronavac é responsável por 74% das vacinações contra a Covid-19 no Brasil

Hidróxido de alumínio contido na vacina produzida pelo Butantan ajuda a acionar sistema imunológico

O Instituto Butantan deve concluir o envio de mais 4,1 milhões de doses da Coronavac ao Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde, até sexta-feira (14/5). Com isso, completa a distribuição das 46 milhões de doses previstas no primeiro contrato com o governo. Até o início desta semana, o imunizante era responsável por 74% das vacinações feitas no país.

Agora, o Instituto aguarda a liberação de 4 mil litros de matéria-prima para cumprir o segundo contrato, cuja previsão é entregar 54 milhões de doses até setembro deste ano.

Adjuvante
A vacina contra a Covid-19 desenvolvida em parceria com a biofarmacêutica Sinovac utiliza o alumínio como adjuvante. Trata-se de uma substância que ajuda a melhorar a resposta imunológica do ser humano ao estimular a produção de anticorpos.

O alumínio é usado na forma de sal (hidróxido, fosfato e sulfato) devido às características de maior segurança, facilidade de preparação, estabilidade e alta capacidade imunoestimulante.

 Como a vacina é produzida?
Flávio Guimarães da Fonseca, virologista do Centro de Tecnologia de Vacinas e pesquisador do Departamento de Microbiologia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), explica que a vacina da Sinovac utiliza na composição um vírus morto ou inativado, assim como acontece com a vacina da gripe.

“Quando a vacina é aplicada, o alumínio presente na formulação estimula determinados receptores do sistema imunológico. Este, por sua vez, fica ativo e consegue responder com força a determinado vírus ou proteína”, detalha o especialista da UFMG.

Segurança comprovada
De acordo com o International Aluminium Institute (IAI), os sais de alumínio têm um longo registro de segurança como auxiliares vacinais, com mais de 80 anos de uso no Brasil e no exterior.

“O alumínio é o adjuvante mais estudado mundialmente, tem mais de 310 publicações no pubmed.gov e 6.800 citações no Google Scholar [portal acadêmico]. Devido ao amplo histórico de pesquisa e uso, ele é considerado seguro para uso humano”, revela Ariana Meirelles, gerente de Vendas do Segmento Farmacêutico da Croda Brasil.

Veja também:

Consumo de alumínio tem alta de 25,2% no 1º semestre de 2021

A pesquisa de mercado consolidada pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) no primeiro semestre de 2021 revela que o consumo doméstico de produtos transformados cresceu 25,2% em relação ao mesmo período do ano passado. O volume total foi de 805 mil t, sendo 88% de origem nacional e o restante de importações. “O bom desempenho

Balança comercial: alumínio registra superávit no primeiro semestre de 2021

De acordo com a Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), a balança comercial do setor no primeiro semestre de 2021 registrou superávit de US$ 623 milhões (valor FOB, sigla em inglês para designar o frete em que a responsabilidade pelo transporte da mercadoria é do cliente). O resultado positivo se deve, principalmente, às exportações de alumina

Novo IPad tem estrutura com alumínio 100% reciclado

Com foco no meio ambiente, os novos iPad e iPad mini têm estrutura com alumínio 100% reciclado e estão disponíveis nas cores prateado e cinza-espacial. Segundo a Apple, fabricante dos equipamentos, todos os modelos da linha contam com o metal. Atualmente, as operações corporativas globais da empresa são neutras em emissões de carbono. No entanto,

Rolar para cima