Sucesso da reciclagem do alumínio é debatido na Virada Sustentável de SP

Transformação da reciclagem em um negócio lucrativo e conscientização dos elos da cadeia são fundamentais


22 de agosto, 14h35

70% do alumínio de todas as latas para bebidas produzidas no Brasil é fruto da reciclagem. Ou seja, apenas 30% do produto têm alumínio virgem, produzido pela primeira vez a partir de alumina (proveniente da bauxita) e energia elétrica – 95% a mais do que a usada na reciclagem do material. E o melhor é que a cada ano a conta é cada vez mais favorável ao metal reaproveitado.

A informação foi dada por Eunice Lima, diretora de Comunicação e Relações Governamentais da Novelis, durante o painel Reciclagem: os desafios da profissionalização, geração de renda e consumo consciente, organizado ontem, 22 de agosto, dentro da Virada Sustentável de São Paulo — o evento vai até o dia 25.

Patrocinado pela Novelis, maior recicladora de alumínio do mundo e laminadora do material, e apoiado pela Ball, o fórum contou também com a participação de Ricardo Voltolini, diretor-presidente da Ideia Sustentável; Estevão Braga, gerente de Sustentabilidade da Ball; Cristiano Cardoso, sócio-fundador da Cooperativa Recifavela; e Nina Marcucci, coordenadora de Conteúdo do Menos 1 Lixo.

No bate-papo, Eunice afirmou que a reciclagem de alumínio deu certo no Brasil porque se tornou um negócio estruturado, com ganhos para todos os envolvidos no processo — hoje o País é líder mundial de reciclagem de latas, reaproveitando 97,3% de tudo que é colocado no mercado.

Reforçaram a afirmação Braga, gerente de Sustentabilidade da Ball, empresa fabricante de latas, e Cristiano Cardoso, da Cooperativa Recifavela, responsável pela coleta e envio para reciclagem das latas. Cardoso explicou como ter o suporte das indústrias e também frisou que o engajamento dos colaboradores da cooperativa, considerada um modelo de atuação, foi importante para o sucesso da Recifavela, com atuação na Vila Prudente, em São Paulo. Braga, da Ball, lembrou a importância da conscientização do consumidor quanto às causas sustentáveis para que modelos de negócio sustentáveis deem certo.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *