AdobeStock_944177

Indústria do alumínio dribla desafios para garantir índice de reciclagem de latinhas em 2020

Sistema de logística reversa do Brasil é considerado maduro e foi fundamental para o resultado positivo

O Brasil se manteve entre os líderes mundiais em reciclagem de latas para bebidas em 2020, com índice de 97,4% da produção, que corresponde a 391, 5 mil t ou 31 bilhões de unidades, conforme divulgado pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) e a Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alumínio (Abralatas).

O resultado supera os 95% estabelecidos no Termo de Compromisso de Logística Reversa de Latas de Alumínio para Bebidas firmado entre a indústria do alumínio e o Ministério do Meio Ambiente em 2020. Além disso, o índice chama a atenção por conta das dificuldades impostas pela pandemia da Covid-19, que limitou a realização de eventos e trouxe desafios para a coleta do material.

Sem interrupção
Em abril do ano passado, o governo federal incluiu a indústria do alumínio na lista de atividades essenciais, fato determinante para a continuidade das operações de toda a cadeia produtiva.

“A Novelis produz laminados com conteúdo reciclado que são utilizados nas embalagens de diversos produtos para a população. O alumínio é essencial para o abastecimento e a distribuição nos segmentos de alimentos e bebidas, higiene e saúde. Continuar com as nossas operações foi fundamental para seguirmos fazendo esse trabalho”, comenta Gustavo Faria, gerente de negócios de Metal da Novelis América do Sul.

Apesar disso, a redução da produção industrial imposta pela crise de saúde ocasionou a desaceleração do consumo de sucatas. Neste contexto, a Novelis optou por aumentar a participação da sucata no processo de reciclagem, saindo de um índice próximo a 60% para mais de 70% no último ano fiscal. A decisão ajudou a manter a remuneração dos membros da cadeia de suprimentos e postos de trabalho. 

Vale destacar que a multinacional respondeu por 64% do total de latas de alumínio recicladas em 2020, com cerca de 19 bilhões de unidades da embalagem.

Segundo Cátilo Cândido, presidente-executivo da Abralatas, as fabricantes de latas de alumínio para bebidas também não interromperam as atividades e ainda tiveram um incremento na produção.

“As unidades fabris atuam 365 dias do ano, 24 horas por dia para manter a produção. Foram adotados protocolos rigorosos para continuar funcionando como setor essencial. Tivemos que fabricar mais para atender a demanda que aumentou. Em 2020, foram comercializadas 31 bilhões de latas, que representam um crescimento de 7,3% na comparação com o ano anterior”, comenta o executivo.

Já o Grupo ReciclaBR – que administra empresas que atuam em toda a cadeia de metais não ferrosos, inclusive na área de reciclagem de alumínio – enfrentou o desafio de adaptar o atendimento dos clientes durante os períodos de fechamento dos comércios para o telefone ou ferramentas digitais como o WhatsApp.

“Tivemos que fazer a manutenção dos protocolos de prevenção para proteger os colaboradores e clientes, e garantir o desenvolvimento das operações de forma segura”, diz Mário Fernandez, CEO do Grupo ReciclaBR.

Estrutura consolidada
O sistema de logística reversa da lata de alumínio do Brasil é considerado maduro e foi fundamental para a manutenção do índice de reciclagem de latas no ano passado.

“Podemos dizer que a Abralatas junto com a ABAL conta com um case de sucesso, formando um exemplo de economia circular harmônica que funciona no país”, alega o dirigente da Abralatas.

Além disso, o executivo acrescenta que existe uma importante parceria e conexão do setor de alumínio com centenas de cooperativas e milhares de catadores o ano todo.

“Hoje as pessoas já começam a entender que de fato o alumínio é infinitamente reciclado e tem um valor relativamente alto se comparado a outras embalagens”, ressalta Cândido.

Anderson Nassif, catador e assessor técnico da Associação Nacional de Catadores e Catadoras de Materiais Recicláveis (Ancat) tem a mesma visão do presidente-executivo da Abralatas. Segundo ele, o índice de reciclagem foi mantido justamente em decorrência do preço do alumínio.

“Houve um período de restrições do trabalho de cooperativas e associações na cadeia produtiva no ano passado, mas a reciclagem de alumínio é diferenciada. Os catadores continuaram a coleta individualmente porque a lata tem um valor considerável”, afirma Nassif.

Para o CEO do Grupo ReciclaBR, “o sucesso do índice de reciclagem é fruto de anos de trabalho progressivo e constante da indústria, que aperfeiçoou e inovou em processos e sistemas a produção e a coleta de latas. Soma-se o aspecto social, que estimulou atividades empreendedoras com foco na reciclagem.”

Apoio aos catadores
No ano passado, entidades e empresas do setor do alumínio se mobilizaram em diversas iniciativas de apoio a catadores e cooperativas em todo o Brasil, que tiveram a renda comprometida por conta da pandemia. De acordo com levantamento feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o Brasil possuí em torno de 800 mil catadores.

A Abralatas promoveu uma ação humanitária para doação de cestas básicas e materiais de proteção para os catadores autônomos e cooperados, em parceria com o Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR), programa Mesa Brasil Sesc e com as empresas Ball, Crown, Ardagh, Canpack e Ambev. Além disso, a entidade liderou um movimento junto aos governos para mostrar a importância da essencialidade desses profissionais.

A Liga da Reciclagem, movimento da Novelis a favor da sustentabilidade, realizou um programa emergencial para as cooperativas em parceria com a Associação Reciclázaro. A campanha buscou educar sobre prevenção da Covid-19 e permitiu que os cooperados pudessem esclarecer dúvidas legais quanto à operação durante o isolamento social. Além disso, a empresa promoveu doações e participou de ações para garantir o retorno das atividades de forma segura.

O Grupo ReciclaBR realizou a doação de mil cestas básicas para famílias de catadores de materiais recicláveis no estado do Mato Grosso do Sul. A ação foi articulada em conjunto com o Governo do Estado por meio da Secretaria Estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro) e o Ministério Público Estadual. Além disso, e empresa reforçou a divulgação de campanhas feitas pela Ancat e os Amigos do Bem.

Veja também:

Poços de Caldas, cidade das águas termais e do minério de bauxita

Devido à formação geológica rica em minério de bauxita, a cidade de Poços de Caldas, localizada no Sudoeste de Minas Gerais, divisa com o Estado de São Paulo, ofereceu uma contribuição importante para o início da produção de alumínio primário no Brasil. A região atraiu investimentos da Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) há 80 anos

Casais se conhecem trabalhando para a MRN na Amazônia

Neste Dia dos Namorados, conheça duas histórias de amor que tiveram início em períodos distintos no projeto da Mineração Rio do Norte (MRN), desenvolvido no distrito de Porto Trombetas, município de Oriximiná (PA), em pleno coração da Amazônia. Em 1986, dois jovens se conheceram durante encontros com amigos em espaços de lazer, jogos no ginásio

Baterias de íons de alumínio: mais eficiência e sustentabilidade

O Instituto Australiano de Bioengenharia e Nanotecnologia, da Universidade de Queensland, na Austrália, e o Grupo GMG (Graphene Manufacturing Group) anunciaram o início da produção dos primeiros protótipos comerciais de baterias de íons de alumínio com eletrodos de grafeno.  A tecnologia tem potencial para transformar o mercado de baterias recarregáveis em alguns anos, colocando-se como

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima