Automobile elettrica in carica

Encaixe perfeito

Eletrificação de veículos ganha corpo e abre portas para o alumínio

Na última edição de Alumínio, a reportagem Por um rodar leve e sustentável mostrou que a busca por veículos menos poluentes tem impulsionado o uso do alumínio pelas montadoras brasileiras — reflexo de uma tendência mundial. No entanto, em meio a esse processo, uma disrupção que já começou na indústria automobilística também deve ser vista com bons olhos por nosso segmento — e há vários motivos para isso. Estamos falando da eletrificação dos veículos.

Essa não é uma tecnologia nova. Foi criada no final do século 19, praticamente junto com o motor à combustão. No entanto, uma dificuldade que ainda hoje gera discussão e estudos inviabilizou o seu uso à época: a autonomia das baterias. Mas o avanço da tecnologia, somado à preocupação cada vez mais nítida da sociedade com a preservação do meio ambiente, fez com que ela voltasse com força, impulsionada inclusive pela COP-21, conferência do clima promovida em 2015 pela Organização das Nações Unidas (ONU), em Paris. O acordo histórico envolve quase todos os países do mundo em um esforço para reduzir as emissões de poluentes e conter os efeitos do aquecimento global.

Nesse contexto, nações já estabeleceram metas para terem em suas malhas apenas automóveis movidos à energia elétrica: Noruega (2025), Índia (2030), Reino Unido e França (ambos em 2040) são algumas delas. A China deve anunciar uma data em breve.
Mais dados que corroboram essa tendência: a consultoria sueca EV Volumes afirma que, em 2018, o estoque total de veículos elétricos e híbridos poderá chegar a 5 milhões de unidades em todo o mundo — contra 3,3 milhões em 2017. A Agência Internacional de Energia (IEA) projeta que em 2040 teremos 280 milhões de carros do tipo no planeta.

Posto de carregamento de veículos elétricos na Rodovia Presidente Dutra, que liga o Rio de Janeiro a São Paulo: parceria entre EDP, BMW e Ipiranga gerou o maior corredor elétrico da América Latina, com seis postos espalhados pelo trajeto

No Brasil
De acordo com a Associação Brasileira de Veículos Elétricos (ABVE), o mercado mundial de carros movidos à eletricidade deverá ser liderado pela China, seguido por Europa e Índia, com os Estados Unidos em 4º lugar. “Nesses locais, a mobilidade elétrica está se desenvolvendo graças a um amplo conjunto de medidas tributárias e não tributárias que incentivam a transição rumo à economia verde. No Brasil, no entanto, ações do tipo ainda são tímidas, dispersas e pouco coerentes entre si”, diz o presidente da entidade, Ricardo Guggisberg.

Em julho, o governo federal lançou o programa Rota 2030que estabelece as bases de uma política industrial do setor automobilístico pelos próximos quinze anos (leia mais sobre o assunto na página 10).  O programa traz incentivos para a consolidação dos veículos elétricos e híbridos no Brasil, oferecendo alíquotas do IPI de 7% a 18% — antes, era de 25%. “Foi um avanço, sem dúvida, mas ainda ficou distante das necessidades”, avalia o presidente da ABVE.

Além disso, os Estados do Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Pernambuco e Rio Grande do Sul dão isenção de IPVA para carros desse tipo, enquanto São Paulo, Rio de Janeiro e Alagoas cobram menos.

Por lei, em até 20 anos, São Paulo deve zerar a emissão de CO2 de sua frota de ônibus e caminhões de lixo: hoje, já é possível ver ônibus elétricos com bateria rodando pela cidade

Na cidade de São Paulo, entrou em vigor, em julho deste ano, uma lei que fixa metas inéditas para o transporte público no País, prevendo cortes de emissões de poluentes dos ônibus municipais e dos veículos de coleta de lixo: as emissões de gás carbônico (CO2) da frota de ônibus deverão ser reduzidas em 50% em dez anos e zeradas em até vinte. Hoje, 98% dos 14.400 ônibus de São Paulo ainda seguem com motores a diesel. Trata-se da maior frota de ônibus do País e da 3ª maior do mundo, que, em 2028, pode ser toda elétrica. Municípios como São José dos Campos (SP), Campinas (SP), Volta Redonda (RJ) e Brasília (DF), por exemplo, também já estimulam a eletrificação de seus veículos públicos.

Em São José dos Campos, toda frota da Guarda Civil Metropolitana é composta de veículos elétricos

“Pela maior consciência da sociedade sobre os danos causados pela poluição, os governantes brasileiros, principalmente municipais e estaduais, estão entendendo a importância de tema e tomam algumas atitudes nesse sentido, embora o preço do veículo elétrico no Brasil ainda seja muito caro”, afirma Raul Beck, membro da Comissão Técnica de Veículos Elétricos e Híbridos da SAE Brasil. “Fizemos um estudo e vimos que, se o governo oferecesse subsídios significativos para a aquisição de elétricos, teríamos, em 2030, 40% da frota nacional eletrificada ou híbrida. Sem o estímulo, projetamos algo em torno de 20% a 25%”, revela. Segundo a Organização Mundial da Saúde, são mais de 50 mil mortes atribuíveis à poluição em todo o Brasil. A eletrificação, dentre outros benefícios, pode diminuir os custos com a saúde pública.

Onde entra o alumínio?
Gerd Götz, diretor da European Aluminium, aponta que os veículos elétricos são grande impulsionadores da aplicação do metal pela indústria automobilística. “Já está havendo uma mudança na maneira como o carro é pensado e produzido e nosso segmento deve estar atento para participar do processo, oferecendo soluções”, alerta.

A lógica é a mesma dos veículos à combustão, o que muda são os ganhos. Enquanto no último o menor peso do metal propicia menos emissão de poluentes, nos elétricos ele ajuda no aumento da autonomia da bateria (quanto mais pesado o carro, mais carga elétrica ele consome). E o melhor: de acordo com um estudo da CRU, os elétricos e híbridos devem levar até 27% mais alumínio do que os carros convencionais.

Segundo Fernando Wongtschowski, gerente de Estratégia Comercial e Marketing do Negócio Transformados da Companhia Brasileira de Alumínio (CBA), já há tecnologia para o desenvolvimento de diferentes soluções. Peças extrudadas são usadas na área estrutural, como no sistema de para-choques, suporte de painel de instrumentos e barra de proteção lateral das portas, dentre outras. “Estamos preparados para absorver toda a evolução dessas tecnologias por meio de ligas de alta resistência que, associadas ao alumínio extrudado, garantem o desempenho adequado às aplicações estruturais automotivas”, afirma.

No frame das baterias, que representam mais de 20% do peso de um veículo elétrico, ele explica que o alumínio extrudado destaca-se como a melhor solução, garantindo estanqueidade, devido à sua elevada liberdade geométrica na comparação com o aço. Dado apresentado na S&P Global Platts Aluminium Conference 2018, em Düsseldorf, Alemanha, indica que os elétricos devem ter pelo menos 342% a mais de peças do metal extrudado em sua estrutura.

Sobre os laminados, Guilherme Superbia, gerente de Marketing e Excelência Comercial da Novelis, indica que a média de uso no Brasil é de 45 kg por unidade. “Para o body in white [estrutura do carro antes de ele receber motor e peças de acabamento], os laminados de alumínio ainda não são tão presentes na América do Sul”, justifica. “Mas, no caso dos elétricos, estimamos o uso de cerca de 400 kg, permitindo uma redução geral de 250 kg no peso do carro — em relação ao aço.”

A empresa acredita no potencial do mercado nacional, principalmente com a crescente busca por soluções mais sustentáveis. Suberbia lembra que a Novelis atua como parceira em desenvolvimentos de soluções para seus clientes no exterior. “Especificar a matéria-prima é somente o primeiro passo. O trabalho feito para o Ford F-150, estabelecendo um processo de reciclagem em ciclo fechado, é um exemplo”, cita. Globalmente, ele recorda o acordo firmado pela Novelis no ano passado com a chinesa NIO para a entrega de soluções inovadoras para modelos premium. “Este ano, anunciamos o fornecimento de alumínio para a London Electric Vehicle Company (LEVC), que desenvolveu o TX, um táxi com carcaça de alumínio e com zero emissão de gases nocivos. O uso de chapas foi incorporado para ajudar na redução de peso e, com isso, aumentar a autonomia do veículo”, comenta.

TX, táxi com carcaça de alumínio que circula por Londres, leva alumínio da Novelis

O Grupo Recicla BR, que por meio da Auto Parts fornece alumínio para o setor automotivo, acompanha o crescimento do mercado de veículos elétricos e entende as mudanças no segmento. Por isso, faz investimentos constantes em tecnologia para atender as montadoras. “Estamos desenvolvendo um centro de pesquisa voltado 100% para o alumínio, no qual poderemos desenvolver, em parceria com as montadoras, novas tecnologias na forma de alumínio injetado, extrudado, laminado, estampado, dentre outros”, revela o diretor Ocimar Bulla. “Acreditamos que, dessa forma, estaremos na vanguarda do fornecimento do metal para as empresas.”

E5, da BYD, maior fabricante de veículos leves e ônibus elétricos do mundo: empresa chinesa ergueu fábrica na região de Campinas (SP) em 2015

Instalada no Brasil desde 2014, a chinesa BYD, maior fabricante de veículos leves e ônibus (ambos elétricos) do mundo, aposta no fortalecimento desse mercado por aqui a partir de 2020. “O País tem um dos maiores mercados automotivos do mundo, uma matriz de energia limpa e irradiação solar abundante. Resolvemos investir aqui antes da consolidação dos veículos elétricos para já participar de projetos piloto e ajudar no desenvolvimento do mercado. Até o final do ano, teremos ônibus elétricos em dez cidades brasileiras”, relata Adalberto Maluf, diretor de Marketing, Sustentabilidade e Novos Negócios da BYD Brasil. Ele confirma as oportunidades para o nosso segmento: “Para nós, é bom ter o máximo possível de alumínio nos veículos a fim de reduzir o peso; usamos nas rodas e em partes da carroceria, mas temos estudos desenvolvidos no exterior para usar o metal no eixo, substituindo o aço”.

Preço da bateria deve cair
As baterias citadas no começo da reportagem, que sempre foram vistas como empecilho para a massificação desses carros, evoluíram bastante. Segundo Raul Beck, da SAE Brasil, enquanto em 2010 o quilowatt por hora custava US$ 1.000, hoje custa cerca de U$ 200; em 2025, custará U$ 109; e, em 2030, chegará a U$ 73 — abaixo de U$ 100, esses carros tornam-se competitivos com os veículos à combustão. Essa redução se deve a três fatores:

– Avanços tecnológicos, com a substituição de materiais mais caros por mais baratos
– Melhoria nos processos de produção
– Maior volume de produção e vendas

Números e curiosidades dos veículos elétricos no Brasil
– De 2012 a junho de 2018, o estoque total de automóveis elétricos e híbridos no Brasil, incluindo ônibus, é de 9 mil veículos.
– Os 9 mil VEs hoje existentes no País representam apenas 0,02% dos 43,4 milhões do estoque total de autos, caminhões, ônibus e comerciais leves.
– Recentemente, foi inaugurada uma “eletrovia” com seis postos de recarga na Via Dutra, cobrindo todo o trajeto entre São Paulo e Rio de Janeiro.
– Em 2017, foram vendidos 3.296 veículos elétricos leves no Brasil. Neste ano, até julho, 2.206 já foram emplacados — 66% do total do ano passado.

Fontes: ABVE e Anfavea

Veja também:

Com alumínio na carroceria, Audi R8 será vendido no Brasil

A Audi anunciou que o novo modelo do esportivo R8 deve chegar ao Brasil no segundo semestre deste ano. Lançado no início 2019 na Europa, o veículo tem 79% de sua estrutura composta por alumínio. Segundo a empresa, o metal proporciona leveza, rigidez e comportamento que ajudam o motor V10 de 610 cv a impulsionar

Novo Defender, da Land Rover, tem carroceria de alumínio

O jipe inglês Defender, que ficou três anos fora de linha, acaba de ganhar uma nova geração, cujo lançamento no Brasil deve ocorrer ainda em 2020. Uma das novidades da nova versão é a plataforma D7x, estrutura monobloco de alumínio, reforçada pela Land Rover para garantir maior rigidez e durabilidade. A arquitetura permite a adoção

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu