nature-3294632_1280

5 fatos sobre a sustentabilidade do alumínio

O metal está totalmente inserido no conceito de economia circular e é visto como solução sustentável pelo mercado
Redação Revista Alumínio

Hoje, 5 de maio, é celebrado o Dia Mundial do Meio Ambiente. A data, instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU), é sempre uma oportunidade importante para refletir sobre como a sociedade pode atuar na preservação da natureza e dos recursos naturais.

O alumínio é um material importante nesse sentido. Confira alguns fatos sobre o tema:

1 – O alumínio é 100% reciclável
O metal pode ser reciclado infinitas vezes e o melhor: sem perder características no processo de reaproveitamento, ao contrário de outros materiais. O trabalho pode ser feito a partir de sucatas geradas por produtos de vida útil esgotada — utensílios domésticos, latas de bebidas, esquadrias, componentes automotivos etc. — ou por sobras do processo produtivo.

O material coletado é fundido e aplicado na fabricação de novos produtos. A produção de alumínio reciclado consome apenas 5% da energia que seria utilizada na produção da mesma quantidade de alumínio primário. A reciclagem ainda reduz em 95% a emissão de gases de efeito estufa.

2 – A mineração é sustentável
A lavra da bauxita (matéria-prima do alumínio) é absolutamente sustentável e tem práticas específicas. No Brasil, além de seguir todas as diretrizes da legislação, o trabalho é feito pelo método mining strips: grandes tiras de terra que são exploradas e recuperadas na sequência.

O processo começa com a criteriosa remoção da cobertura vegetal e da camada de estéreis da terra, que são preservadas para reuso. Depois, a bauxita é extraída e levada para beneficiamento. Quando a lavra de uma tira chega ao fim, uma nova é aberta, ao mesmo tempo em que se inicia a recuperação da terra minerada, com a devolução da camada de estéreis e da cobertura vegetal originais, além do replantio de espécies locais. No Brasil, as mineradoras mantêm a relação de 1 para 1 entre área minerada e reabilitada.

3 – As refinarias nacionais são certificadas
Em resumo, para que o alumínio seja produzido, depois de minerada, a bauxita é refinada e transformada em alumina. Por fim, a alumina é reduzida e passa a ter a forma do metal (2 t de alumina geram 1 t de alumínio). Empresas que mineram e industrializam o material no Brasil são certificadas pela Aluminium Stewardship Initiative (ASI). O selo atesta que as operações de lavra da bauxita e sua industrialização são ambientalmente sustentáveis, socialmente responsáveis e atendem aos melhores controles de governança.

Multinacionais como a Audi e Nestlé já aderiram à ASI, se comprometendo a usar apenas alumínio certificado. O Brasil é o único dos grandes produtores de alumina do mundo que tem todas as suas fábricas certificadas pela ASI.

4 – O Brasil é líder mundial em reciclagem de latinhas
Além das infinitas possibilidades de reciclagem, o País ostenta um case de sucesso: lidera globalmente o reaproveitamento de latas de alumínio para bebidas com índices superiores a 90% desde 2004.

Em 2018, de acordo com a Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) e a Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alumínio (Abralatas), cerca de 97% das latinhas produzidas no Brasil foram recicladas. Para se ter ideia, a média mundial de reaproveitamento do item é de 69%, segundo levantamento realizado pela Resource Recycling Systems (RRS), contra 43% para as garrafas PET e 46% para as garrafas de vidro.

5 – O alumínio é solução sustentável para diversas indústrias
Copos, canudos e latas de alumínio são valorizados pela indústria de embalagens, que encontra no material a sustentabilidade que falta ao plástico, por exemplo.

A leveza do metal é bem-vinda no setor automotivo: menos peso exige menor esforço para a locomoção dos carros, resultando em consumo reduzido de combustível ou energia elétrica.

Na construção civil, características como leveza, alta resistência à corrosão, possibilidades de acabamento superficial (com anodização ou pintura) e reciclabilidade conferem vantagens que nenhum outro material oferece

Veja também:

Projeto inspira jovens profissionais a ingressar no mercado do alumínio

No cenário atual de incertezas — também em decorrência da pandemia do novo coronavírus —, disseminar conhecimento, compartilhar experiências e dicas são primordiais para os estudantes de graduação e recém-formados se prepararem para o mercado de trabalho. Atenta a essa demanda e na busca constante pela aproximação com o meio acadêmico, a Associação Brasileira do

Reserva ambiental mantida pela CBA é destaque em Goiás

O Legado Verdes do Cerrado é uma reserva particular de desenvolvimento sustentável da Companhia Brasileira de Alumínio (CBA). Localizada em Niquelândia (GO), a área, de 32 mil ha, sendo 80% de cerrado nativo, administrada pela Reservas Votorantim – gestora de ativos ambientais do grupo – destaca-se pela conservação e nova economia integrada com atividades tradicionais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu