Vivant 2

Da água ao vinho: os novos usos da latinha

Seguindo tendência global, diversos tipos de bebida já são ofertados neste tipo de embalagem no País

Cervejas, refrigerantes, sucos e chás já se renderam, há algum tempo, aos benefícios de estarem embalados em latas de alumínio. Agora, o mercado se depara com outros tipos de bebidas antes pouco vistos na latinha, casos da água, vinho e destilado.

As tendências, recheadas de versatilidade, segurança e inovação, prometem conquistar os consumidores. É o que pensa Hugo Magalhães, gerente de Marketing e Novos Negócios da Ball para a América do Sul.

A fabricante de latas Ball, já atuante no segmento de cervejas artesanais, agora expande o portfólio para outras categorias na América do Sul.

“Grandes players no mercado brasileiro já comunicaram, por exemplo, o lançamento de água em lata, caso da AMA”, lembra Magalhães.

Água
Conforme divulgado pela Ambev, a água mineral AMA em lata de alumínio estará disponível em embalagem de 350 ml, nas versões com e sem gás, até o final deste ano. Por ser inviolável, a latinha oferece maior segurança ao consumidor. Além disso, é ideal para eventos e atividades outdoor, pois é leve e fácil de transportar.

Gim tônica
A marca Ginta também chegou ao mercado este ano, prometendo democratizar a indústria de drinks no Rio de Janeiro. Pronta para ser consumida, a receita desenvolvida mistura gim artesanal e tônicas aromatizadas naturalmente.

Vinho
O vinho em lata tem potencial de levar a categoria para momentos de consumo até hoje inexplorados. A Vivant Wines (foto de abertura) foi à primeira marca brasileira a apostar no vinho fino e seco natural (sem adição de CO2) em lata — seguindo uma tendência vista, principalmente, no mercado dos Estados Unidos.

A lata de vinho da Vivant tem 269 ml e já é distribuída em mais de 450 pontos de vendas no Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Curitiba, Porto Alegre e Espírito Santo.

“Observamos diversos lançamentos de vinho em lata em países da América do Sul, como as marcas Fecovita, Bianchi, Santa Julia, Peñaflor e Santa Rita, por exemplo. Essa bebida em lata vem crescendo a uma taxa de 50% na Europa e nos Estados Unidos, o que representa uma das maiores expansões já vistas nessa indústria”, conclui Magalhães.

Leia também: Lata de alumínio: 30 anos de sucesso entre o consumidor brasileiro

Crédito da imagem de abertura: divulgação

Veja também:

Linha Native One de café expresso ganha novas cápsulas de alumínio

A Native renovou a linha de café expresso orgânico Native One e oferece agora cápsulas de alumínio 100% recicláveis, com cores que diferenciam o sabor das intensidades disponíveis. Os produtos também receberam embalagens herméticas, as quais, segundo a fabricante, garantem a qualidade e as características do café durante todo o período de validade (shelf life).

Cresce a demanda por embalagens de alumínio em meio à pandemia

O consumidor brasileiro mudou os hábitos diante da pandemia do novo coronavírus. Por permanecer mais tempo dentro de casa, tem optado por produtos com maior prazo de validade, refeições via delivery e a compra de bebidas em lata, segmentos atendidos pelo setor de embalagens de alumínio. Fernando Wongtschowski, gerente sênior de Estratégia e Marketing da

Fabricantes de latas de alumínio doam cestas básicas para catadores

A Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alumínio (Abralatas) vai realizar ao longo de três meses, uma ação humanitária para doar mais de 4.500 cestas básicas a cerca de 5 mil catadores de materiais recicláveis, entre autônomos e cooperados, que tiveram a renda comprometida por causa da pandemia. Esses profissionais representam 63 cooperativas espalhadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu