power-poles-503935_1280 (1)

Carta aberta: indústria apresenta novas propostas para o setor elétrico

Iniciativa tem apoio da Associação Brasileira do Alumínio e de mais de 50 entidades

A crise causada pela pandemia do novo coronavírus tem levado o governo federal a criar medidas emergenciais no setor elétrico, as quais, na visão da indústria, transferem novos custos aos consumidores e podem provocar aumento de mais de 20% nas tarifas de energia, com efeito sobre a inflação e resultados negativos para a economia.

Por conta desse cenário, a Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) e mais de 50 entidades enviaram ao Governo Federal a carta aberta intitulada “Energia para Sair da Crise”. O texto contém propostas que podem, “de forma justa, razoável e sustentável, resolver o problema do setor elétrico e preservar seus contratos e a sua atratividade para investimentos, sem onerar o consumidor a ponto de comprometer a produção”.

De acordo com o documento, a energia precisa ser um elemento de foco na competitividade do País. E o que se observa ao longo do tempo foram distorções que levaram ao aumento do custo desse importante insumo para o setor produtivo, em especial para a cadeia brasileira do alumínio. Assim, apesar de o Brasil produzir energia de forma barata, a conta para o usuário é cara.

Clique aqui e conheça as propostas emergenciais da indústria para o setor elétrico.

Imagem de abertura:  Michael Schwarzenberger | Pixabay

Veja também:

Covid-19: custo da energia causa preocupação durante a crise

No dia 16 de abril, o ABAL Insights – Covid-19 teve mais um webinar exclusivo para os membros da Associação Brasileira de Alumínio (ABAL). Em pauta, a discussão sobre os impactos da pandemia nos contratos de energia elétrica, essencial para a produção do metal.   Paulo Pedrosa, ex-secretário do Ministério de Minas e Energia (MME)

Alubar premia boas práticas de segurança preventiva de empresas contratadas

Em 2019, a Alubar – empresa que atua na fabricação de cabos elétricos de alumínio – envolveu 420 colaboradores de empresas terceirizadas na 8ª edição do Programa Ciclo de Segurança das Contratadas. As melhores práticas foram premiadas neste mês de março. “A continuidade e a evolução de programas como esse contribuem para o amadurecimento da

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu