antidumping

Brasil deve ter alta na importação de alumínio em 2019

Com restrições em outros países, alumínio chinês desembarca em grande volume por aqui

O Brasil deve receber até 150 mil t de alumínio semimanufaturado em 2019. No ano passado, o País importou 110 mil t de chapas, folhas e perfis. A estimativa é da Associação Brasileira do Alumínio (ABAL).

Em entrevista ao Valor Econômico, Milton Rego, presidente-executivo da entidade, afirmou que a maior parte do metal importado vem da China, pois, com as restrições comerciais impostas ao produto chinês em alguns países da Europa e nos Estados Unidos, o escoamento da produção é feito em economias sem salvaguardas.

“Hoje, há excesso de capacidade instalada no mundo de 2,5 milhões t. Os chineses produzem muito mais que o consumo interno e o restante é exportado”, relatou o executivo ao Valor. “Por isso, não me surpreenderia se o ritmo de importação de alumínio chinês pelo Brasil permanecesse o mesmo em 2020”, complementa.

O Brasil também é importador de alumínio primário, porém, para suprir a produção de semiacabados no mercado interno. A ABAL estima que, este ano, as compras devem girar em torno de 250 mil t.

Conforme já publicado aqui no portal Revista Alumínio, o consumo interno de alumínio este ano deve voltar aos patamares de 2013, o melhor ano para o segmento. Para 2020, o crescimento deve ser de 5%.

Crédito da imagem de abertura: iStock

Veja também:

MRN amplia projeto e garante estudo a alunos em comunidades do Pará

Jovens das comunidades do Alto Trombetas II, localizada na cidade de Oriximiná, Oeste do Pará, cursarão o Ensino Médio com a expansão do Projeto de Apoio à Educação Básica que a Mineração Rio Norte (MRN) mantém com as comunidades quilombolas vizinhas da empresa. “O projeto oferece escola com condições reais de participação desses alunos, para que

Ibram afirma que produção mineral cresceu 11% em 2019

No mesmo dia em que o IBGE divulgou que a indústria extrativa apresentou queda de 9,7% em 2019, sendo determinante para recuo de 1,1% no desempenho da produção industrial brasileira, o Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) apresentou outros resultados: segundo o órgão, a produção mineral, excluindo os segmentos de óleo e gás, cresceu 11% em

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu