antidumping

Brasil deve ter alta na importação de alumínio em 2019

Com restrições em outros países, alumínio chinês desembarca em grande volume por aqui

O Brasil deve receber até 150 mil t de alumínio semimanufaturado em 2019. No ano passado, o País importou 110 mil t de chapas, folhas e perfis. A estimativa é da Associação Brasileira do Alumínio (ABAL).

Em entrevista ao Valor Econômico, Milton Rego, presidente-executivo da entidade, afirmou que a maior parte do metal importado vem da China, pois, com as restrições comerciais impostas ao produto chinês em alguns países da Europa e nos Estados Unidos, o escoamento da produção é feito em economias sem salvaguardas.

“Hoje, há excesso de capacidade instalada no mundo de 2,5 milhões t. Os chineses produzem muito mais que o consumo interno e o restante é exportado”, relatou o executivo ao Valor. “Por isso, não me surpreenderia se o ritmo de importação de alumínio chinês pelo Brasil permanecesse o mesmo em 2020”, complementa.

O Brasil também é importador de alumínio primário, porém, para suprir a produção de semiacabados no mercado interno. A ABAL estima que, este ano, as compras devem girar em torno de 250 mil t.

Conforme já publicado aqui no portal Revista Alumínio, o consumo interno de alumínio este ano deve voltar aos patamares de 2013, o melhor ano para o segmento. Para 2020, o crescimento deve ser de 5%.

Crédito da imagem de abertura: iStock

Veja também:

30 anos da latinha de alumínio: Novelis tem papel decisivo no sucesso da embalagem

Conteúdo oferecido pela Novelis, patrocinadora Premium do portal Revista Alumínio Presentes nos mais variados estabelecimentos, as latinhas de alumínio começaram a ser fabricadas no Brasil em 1989. Apesar do tamanho compacto, o impacto delas no mercado nacional foi gigantesco. Atualmente, são produzidos cerca de 30 bilhões de latas por ano — a embalagem já envasa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu