Alumínio ganha espaço na produção de novos veículos da Toyota

Carros híbridos usam o metal, conhecido pela leveza, em prol do aumento da eficiência

Durante a feira de negócios Veículo Elétrico Latino-Americano, realizada no Expo Transamérica, em São Paulo, a Toyota exibiu o novo Corolla híbrido, veículo que combina basicamente dois motores – elétrico e a combustão, flex. O modelo foi desenvolvido seguindo a Toyota New Global Architecture (TNGA), nova plataforma que tem como premissa a utilização de materiais mais leves, incluindo o alumínio, para melhorar o desempenho e a eficiência energética dos carros. O sistema também é a base do processo de eletrificação da montadora.

Novo Toyota Corolla híbrido: mais leve, tem alumínio em sua estrutura (Imagem: divulgação)

Thiago Sugahara, gerente de Relações Governamentais da Toyota do Brasil, explica que a TNGA desenvolve carros mais eficientes e seguros. Para isso, a parte construtiva conta com metais especiais, que “melhoram o desempenho tanto do ponto de vista estrutural, na segurança dos usuários do veículo no caso de uma colisão, como também aumentam a eficiência energética por se tratarem de materiais mais leves”.

A busca da eficiência é novo mantra da indústria automotiva, conforme entrevista do então presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Antonio Megale, a este portal Revista Alumínio. Isso se deve, em parte, ao Inovar-Auto, política do governo federal estabelecida de 2013 a 2017 que, pela primeira vez, definiu metas de eficiência energética a serem atingidas de 2016 a 2017 e sustentadas até 2020; e também ao Rota 2030, programa governamental que estabelece às montadoras o investimento em pesquisa e desenvolvimento, além de melhorar a eficiência energética dos veículos em troca de incentivos fiscais.

Por isso, as montadoras com atuação no Brasil querem reduzir o peso do powertrain dos automóveis, o que aumenta consideravelmente a utilização de alumínio. “Infelizmente, muitas empresas utilizavam ferro fundido para blocos de motores”, lembra Sugahara, da Toyota. “Mas algumas também aproveitaram para introduzir motores menores e mais leves, que, de fato, são mais eficientes”, comenta.

De acordo com Sugahara, a Toyota foi além dos blocos e desenvolveu também o processo de eletrificação dos carros. “E isso se dá na plataforma TNGA, que tem como produto agora no Brasil o novo Corolla.”

Toyota Prius, veículo híbrido mais vendido no mundo: construído a partir da plataforma TGNA (Imagem: divulgação)

Além do Corolla híbrido, a montadora apresentou na feira Veículo Elétrico Latino-Americano quatro modelos: dois da linha Lexus, divisão de luxo da Toyota, e que estão migrando para serem híbridos; o RAV4 e o Toyota Prius. Este último, o veículo híbrido mais vendido no mundo, está na quarta geração e é construído a partir da plataforma TGNA.

Veja também:

Com alumínio na carroceria, Audi R8 será vendido no Brasil

A Audi anunciou que o novo modelo do esportivo R8 deve chegar ao Brasil no segundo semestre deste ano. Lançado no início 2019 na Europa, o veículo tem 79% de sua estrutura composta por alumínio. Segundo a empresa, o metal proporciona leveza, rigidez e comportamento que ajudam o motor V10 de 610 cv a impulsionar

Novo Defender, da Land Rover, tem carroceria de alumínio

O jipe inglês Defender, que ficou três anos fora de linha, acaba de ganhar uma nova geração, cujo lançamento no Brasil deve ocorrer ainda em 2020. Uma das novidades da nova versão é a plataforma D7x, estrutura monobloco de alumínio, reforçada pela Land Rover para garantir maior rigidez e durabilidade. A arquitetura permite a adoção

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu