WhatsApp Image 2020-10-14 at 16.51.07

ABAL contesta decisão dos EUA de sobretaxar chapas de alumínio brasileiras

Presidente-executivo da entidade afirma que a decisão é precipitada e que prejuízo para o setor do alumínio brasileiro será grande

O segmento brasileiro do alumínio não concorda com a intenção do governo norte-americano de aumentar as alíquotas de chapas de alumínio importadas do Brasil e de 17 países — dos atuais 15% para uma variação entre 49,48% e 136,78% — e a insatisfação repercute não apenas no setor, mas nos principais veículos de comunicação nacionais. Nesta quarta-feira (14/10) o Jornal Hoje, da Rede Globo, abordou o tema — assista aqui.

Entrevistado, Milton Rego, presidente-executivo da Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), refutou a prática de dumping, alegada pelo governo dos Estados Unidos (EUA), e apresentou argumentos que comprovam a precipitação da decisão e o consequente prejuízo ao setor do alumínio brasileiro.

“O Brasil já produziu 1,7 milhão de t de alumínio. Hoje, produz 800 mil. Produzimos menos porque nossos custos não são competitivos”, alegou.

A investigação de prática de dumping só será concluída pela Organização Mundial do Comércio (OMC) em abril do próximo ano. Até lá, no entanto, os EUA pretendem sobretaxar os produtos brasileiros.

“Antes de concluírem as investigações já foi colocada a sobretaxa. É a prática do atirar primeiro para perguntar depois. Estamos vivendo um ‘faroeste’ no comércio internacional”, lamenta o dirigente da ABAL.

Na semana passada, quando foi anunciada a intenção norte-americana, a associação brasileira já havia se posicionado, prometendo defender-se nos fóruns adequados. “A ABAL seguirá atenta aos desdobramentos dessa e de todas as questões que impactam negativamente os negócios da indústria brasileira do alumínio, sem medir esforços para proteger o nosso setor”, promete Milton Rego.

Veja também:

Hydro divulga Relatório de Sustentabilidade 2019

A Hydro acaba de lançar o Relatório de Sustentabilidade referente às atividades de 2019, com informações de suas operações no Brasil até agosto deste ano. A publicação apresenta o desempenho da companhia em diversas áreas, como energia e mudança climática, gestão de recursos, integridade, direitos humanos e impactos na comunidade, inovação, entre outros. “Neste relatório,

Metalex anuncia investimento e se reposiciona no mercado de alumínio

A planta da Metalex instalada em Araçariguama, a cerca de 60 km de São Paulo, receberá investimento de R$ 50 milhões para ser expandida nos próximos três anos. Um dos braços da Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) desde 2010, a empresa, além de ampliar sua produção e capacidade de reciclagem do alumínio, pretende entregar tarugos

Novelis valoriza a diversidade em programa de estágio

Estudantes de cursos Técnico e Superior interessados em atuar no setor do alumínio já podem se inscrever no Programa de Estágio da Novelis. A companhia oferece mais de 50 vagas nas cidades de São Paulo, Santo André e Pindamonhangaba (SP). A novidade desta edição é que 50% das ocupações serão destinadas a candidatos que se

1 comentário em “ABAL contesta decisão dos EUA de sobretaxar chapas de alumínio brasileiras”

  1. Sei que o fechamento do externo para indústria nacional é ruim, mas, por outro lado a indústria brasileira atualmente não consegue abastecer o mercado brasileiro em tempo satisfatório. Eu atualmente passo por um problema de desabastecimento no meu comércio, o de antes o fornecimento era feito em 20 ou 30 dias, hoje leva de 70 a 90 dias. Ou seja a indústria preocupada com ela, mas não se preocupa com o empresário brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu