WhatsApp Image 2018-09-04 at 19.41.28

Topografia por drone e robô autônomo são apresentados na ExpoAlumínio

Espaço Cluster Startup Inovação, oferecido pela CBA, traz inovações relacionadas à indústria 4.0

Uma das experiências que a ExpoAlumínio oferece ao público durante os três dias de evento é o  Cluster Startup Inovação, espaço dedicado à apresentação das mais recentes inovações tecnológicas, em que startups apresentam temas relacionados à indústria 4.0 como inteligência artificial, manufatura aditiva, Internet das coisas, big data e realidade virtual.

Capacidade de operação em tempo real, redução de custos, mais agilidade na operação e modularidade são alguns princípios que embasam a indústria 4.0. Como exemplo de inovação para a área de mineração está a topografia por drone, que proporciona redução de risco operacional e profissional em campo e gera relatório de medição em curto tempo. “A maioria das empresa utilizam o método convencional, em que é necessário circular fisicamente cada pilha de minério. Com o drone, é possível mapear uma área de 60 hectares, por exemplo, com dezenas de pilhas de minério, em apenas um dia”, destaca o sócio-fundador da DR1, Ricardo Santos.

De acordo com ele, essa tecnologia permite que a empresa realize um inventário da mina e possa acompanhar sua evolução, bem como identificar mais facilmente o andamento de cada pilha. Outro aspecto apresentado por Santos é a questão da segurança. “É possível prevenir possíveis acidentes e identificar focos de queimadas em minas que estão próximas de região de mata atlântica, por exemplo”, ressalta.

A legislação referente à utilização de drones foi regulamentada em maio do ano passado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e as operações de aeronaves não tripuladas (de uso recreativo, corporativo, comercial ou experimental) devem seguir, também, aos normativos do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea) e da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Outra novidade apresentada no espaço Cluster Startup Inovação é o robô autônomo de logística indoor para transporte de cargas em locais fechados. A solução pode ser controlada por uma plataforma em nuvem e integrar-se ao software da indústria. Produzido com alumínio, o robô é indicado para superfícies planas, com inclinação até 5°, e funciona à base de bateria. O tamanho pode ser definido sob encomenda, sendo que os modelos já produzidos suportam de 100kg a 500kg, em média.

“Optamos usar o alumínio na composição do robô por ser um metal leve e resistente. Toda a parte de tecnologia foi pensada conjuntamente com parceiros acadêmicos do Paraná, que nos auxiliou no desenvolvimento do projeto e na busca por soluções modernas e eficientes num curto tempo”, explica Leonardo Alvarez, idealizador da startup Robotics. Segundo ele, dentre as funcionalidades do robô, estão a possibilidade de desvio de paredes de vidro e o recálculo de rota.

Alocada na Federação das Indústrias do Estado do Paraná, a Robotcs está no ranking da 100 Open Startups, que apresenta as startups mais atraentes de acordo com o mercado corporativo brasileiro, no período de um ano, e que são definidas com base nas relações comerciais estabelecidas com o empresariado.

Veja também:

Moderno e futurista, ACM destaca-se pela pluralidade

Uma lâmina de alumínio, núcleo de polietileno e outra lâmina do metal. Essa é a receita do “sanduíche” que forma o painel de alumínio composto, o ACM, sigla proveniente do inglês aluminum composite material. O composto chegou ao Brasil na década de 1990, após fazer sucesso na Europa e Estados Unidos. Inovador, versátil, durável e

Fim de ano: hora dos descartáveis de alumínio brilharem!

Chega o mês de dezembro e começam os preparativos para as festas de Natal e Réveillon, ocasiões em que não podem faltar os pratos típicos para a ceia. É nessa hora que surge a necessidade de uma grande quantidade de assadeiras, bandejas e fôrmas, o que aumenta a demanda por embalagens de alumínio descartáveis. Cadu

Lata de alumínio: 30 anos de sucesso entre o consumidor brasileiro

Em 1986, a Alcan Alumínio do Brasil, atualmente Novelis, instalou o primeiro laminador a quente na unidade industrial de Pindamonhangaba (SP) para a produção de chapas especiais. Ali era dado um passo importante, o primeiro para que o Brasil começasse a produzir e comercializar, em 1989, por meio da Latasa, em Pouso Alegre (MG), uma das embalagens mais sustentáveis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu