Image of shelves with different grocery products in the supermarket

Setor de embalagens oscila positivamente em 0,5% em 2020

Soluções metálicas somam 19,9% de participação no mercado, queda de -1,1% em relação a 2019

Apesar dos desafios impostos pela pandemia da Covid-19, a produção de embalagens subiu 0,5% no ano passado, de acordo com estudo macroeconômico elaborado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV) para a Associação Brasileira de Embalagens (Abre). Para 2021, a perspectiva é de alta entre 4,4% e 5,9%.

Segundo o levantamento, houve declínio de -4,1% no primeiro semestre de 2020. Na segunda metade do ano o setor se recuperou, com acréscimo de 5%.

“O ano se encerrou com a atividade industrial aquecida, o que está bastante relacionado ao poder de consumo da sociedade, favorecido pelo auxílio emergencial”, afirmou a Abre em nota.

Em relação à participação de mercado, as embalagens metálicas – que incluem as latas de alumínio para bebidas – representaram 19,9%, com queda de -1,1% em relação a 2019. O primeiro lugar ficou para as embalagens plásticas, que somaram 39,6% — expansão de 6,8% na mesma base de comparação.

Usuários
Atualmente, 70% da produção de embalagens é destinada para bens de consumo de abastecimento, ou seja, o consumo rápido.

No ano passado, a indústria de alimentos foi a maior demandante, com aumento de 4,2%, acima do 1,7% registrado em 2019. Já o segmento de bebidas foi impactado pelo isolamento social e menor consumo fora do lar, fechando com -0,2%, abaixo dos 4,3% do ano anterior.

“Alguns setores sentiram mais do que outros a restrição de circulação e fechamento de bares e restaurantes. Parte do consumo migrou do serviço: alimentação fora do lar – para dentro de casa, calcado em compras de mantimentos no varejo tradicional”, explica a entidade.

Com o fim do auxílio emergencial, o consumo decresceu. De acordo com a Abre, hoje também existe uma margem de folga entre a demanda do mercado interno e a capacidade instalada.

“Pesou na produção do setor a maior dificuldade de acesso às matérias-primas, consequência de um descompasso no rompimento da pandemia, a redução da atividade de reciclagem de materiais e, ao mesmo tempo, a demanda muito aquecida pelo varejo tradicional e e-commerce. O fornecimento deve se regularizar até o meio deste ano”, prevê a Abre.

Veja também:

Consumo de alumínio tem alta de 25,2% no 1º semestre de 2021

A pesquisa de mercado consolidada pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) no primeiro semestre de 2021 revela que o consumo doméstico de produtos transformados cresceu 25,2% em relação ao mesmo período do ano passado. O volume total foi de 805 mil t, sendo 88% de origem nacional e o restante de importações. “O bom desempenho

Novelis debate a reciclagem de alumínio na Virada Sustentável

A Novelis vai promover no dia 20 de setembro, durante a 11ª edição da Virada Sustentável, na cidade de São Paulo, o painel virtual “Transformando a reciclagem em propósito”. O foco será no olhar humano e social para a atividade, além dos benefícios para o meio ambiente. A moderação ficará a cargo de Ricardo Voltolini, CEO e fundador da consultoria

Balança comercial: alumínio registra superávit no primeiro semestre de 2021

De acordo com a Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), a balança comercial do setor no primeiro semestre de 2021 registrou superávit de US$ 623 milhões (valor FOB, sigla em inglês para designar o frete em que a responsabilidade pelo transporte da mercadoria é do cliente). O resultado positivo se deve, principalmente, às exportações de alumina

Rolar para cima