Image of shelves with different grocery products in the supermarket

Setor de embalagens oscila positivamente em 0,5% em 2020

Soluções metálicas somam 19,9% de participação no mercado, queda de -1,1% em relação a 2019

Apesar dos desafios impostos pela pandemia da Covid-19, a produção de embalagens subiu 0,5% no ano passado, de acordo com estudo macroeconômico elaborado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV) para a Associação Brasileira de Embalagens (Abre). Para 2021, a perspectiva é de alta entre 4,4% e 5,9%.

Segundo o levantamento, houve declínio de -4,1% no primeiro semestre de 2020. Na segunda metade do ano o setor se recuperou, com acréscimo de 5%.

“O ano se encerrou com a atividade industrial aquecida, o que está bastante relacionado ao poder de consumo da sociedade, favorecido pelo auxílio emergencial”, afirmou a Abre em nota.

Em relação à participação de mercado, as embalagens metálicas – que incluem as latas de alumínio para bebidas – representaram 19,9%, com queda de -1,1% em relação a 2019. O primeiro lugar ficou para as embalagens plásticas, que somaram 39,6% — expansão de 6,8% na mesma base de comparação.

Usuários
Atualmente, 70% da produção de embalagens é destinada para bens de consumo de abastecimento, ou seja, o consumo rápido.

No ano passado, a indústria de alimentos foi a maior demandante, com aumento de 4,2%, acima do 1,7% registrado em 2019. Já o segmento de bebidas foi impactado pelo isolamento social e menor consumo fora do lar, fechando com -0,2%, abaixo dos 4,3% do ano anterior.

“Alguns setores sentiram mais do que outros a restrição de circulação e fechamento de bares e restaurantes. Parte do consumo migrou do serviço: alimentação fora do lar – para dentro de casa, calcado em compras de mantimentos no varejo tradicional”, explica a entidade.

Com o fim do auxílio emergencial, o consumo decresceu. De acordo com a Abre, hoje também existe uma margem de folga entre a demanda do mercado interno e a capacidade instalada.

“Pesou na produção do setor a maior dificuldade de acesso às matérias-primas, consequência de um descompasso no rompimento da pandemia, a redução da atividade de reciclagem de materiais e, ao mesmo tempo, a demanda muito aquecida pelo varejo tradicional e e-commerce. O fornecimento deve se regularizar até o meio deste ano”, prevê a Abre.

Veja também:

L’Occitane adota bisnaga de alumínio reciclado pós-consumo em 2021

A multinacional francesa da indústria de cosméticos, L’Occitane en Provence, anunciou que fará a substituição, até o final deste ano, das atuais bisnagas de alumínio de seus produtos por uma embalagem similar de alumínio reciclado pós-consumo. A tecnologia reduz as emissões de CO2 em 70%. A inovação, denominada blue tube evo, desenvolvida pela Tubex Aluminium

Contra a Covid-19, nova linha de máquinas da Nespresso permite extração de café a distância

A Nespresso lançou uma nova linha de máquinas dentro do segmento profissional, direcionada às empresas, denominada “Momento”. A novidade possibilita a extração do café a distância, por meio do celular, sem necessidade de tocar na máquina, o que traz segurança para clientes e colaboradores, principalmente neste período de crise sanitária. “Entendemos que o café desempenha

Trivium Argentina amplia reciclagem de latas de aerossol de alumínio

A Trivium Packaging, fornecedora global de embalagens metálicas sustentáveis, está promovendo uma ação de reciclagem inovadora na Argentina. O objetivo principal é aumentar a coleta e reutilização de latas de aerossol de alumínio. A partir da parceria firmada com a Creando Conciencia (grupo de recicladores urbanos), a companhia quer tornar o processo de reciclagem desse

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima