Many cans of cold beer with condensation water droplets

“Setor de embalagens é o que menos sofre, mas houve redução do consumo”

A avaliação é de Milton Rego, dirigente da ABAL, em live do Instituto de Embalagens

A crise sanitária causada pelo novo coronavírus impactou vários segmentos consumidores de alumínio. No entanto, o de embalagens tem sido mais resiliente, como explicou Milton Rego, presidente-executivo da Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) durante live promovida pelo Instituto de Embalagens, no dia 11 de junho.

Segundo Rego, como esse mercado está ligado aos insumos essenciais como alimentos e medicamentos, tende a sofrer menos na pandemia. Por esse motivo, o consumo de folhas de alumínio ficou neutro em função das embalagens flexíveis. Mas o de chapas para latas caiu 20%, por causa dos shows, comemorações e festas, que deixaram de existir.

“A forte queda do Produto Interno Bruto (PIB) e da renda das famílias também impactou o volume de alumínio para embalagens”, admite.

As indústrias têm mantido a oferta do metal e observado as possibilidades que surgem para a exportação, devido à desvalorização do real frente ao dólar. “A cadeia produtiva do alumínio é muito longa e as empresas só reduzem a produção em última instância. O que existe é queda na demanda”, afirmou o executivo.

Perspectivas

Em relação ao futuro pós-pandemia, apesar da dificuldade de fazer previsões, Rego acredita que algumas tendências devem ser mantidas. Uma delas é a substituição de materiais para opções mais sustentáveis, que podem elevar o percentual de alumínio nas embalagens.  

“Temos visto a busca por materiais recicláveis, resilientes, mais leves e relacionados à segurança alimentar.”

Em relação aos investimentos no setor, ele pontuou que, por enquanto, a maioria dos planos foi postergada pela falta de previsibilidade. “As empresas estão, neste momento, avaliando o que está acontecendo com o mercado.”

Assista à entrevista na íntegra: https://youtu.be/Ubdh5fm_b-U

 

Veja também:

L’Occitane adota bisnaga de alumínio reciclado pós-consumo em 2021

A multinacional francesa da indústria de cosméticos, L’Occitane en Provence, anunciou que fará a substituição, até o final deste ano, das atuais bisnagas de alumínio de seus produtos por uma embalagem similar de alumínio reciclado pós-consumo. A tecnologia reduz as emissões de CO2 em 70%. A inovação, denominada blue tube evo, desenvolvida pela Tubex Aluminium

Contra a Covid-19, nova linha de máquinas da Nespresso permite extração de café a distância

A Nespresso lançou uma nova linha de máquinas dentro do segmento profissional, direcionada às empresas, denominada “Momento”. A novidade possibilita a extração do café a distância, por meio do celular, sem necessidade de tocar na máquina, o que traz segurança para clientes e colaboradores, principalmente neste período de crise sanitária. “Entendemos que o café desempenha

Trivium Argentina amplia reciclagem de latas de aerossol de alumínio

A Trivium Packaging, fornecedora global de embalagens metálicas sustentáveis, está promovendo uma ação de reciclagem inovadora na Argentina. O objetivo principal é aumentar a coleta e reutilização de latas de aerossol de alumínio. A partir da parceria firmada com a Creando Conciencia (grupo de recicladores urbanos), a companhia quer tornar o processo de reciclagem desse

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima