Confira-as-carreiras-que-serão-mais-procuradas-na-retomada-da-construção-civil

Projeção do PIB da construção sobe de 2,5% para 4% em 2021

Apesar dos desafios da pandemia, fatores positivos como o financiamento imobiliário e as taxas de juros baixas justificam a expectativa

A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) divulgou, no dia 26 de julho, estudo sobre o desempenho econômico do mercado no segundo trimestre de 2021. Os dados apontam para crescimento de 4% do Produto Interno Bruto (PIB) do setor em 2021, retornando ao patamar previsto no início do ano. Se confirmado, será o maior aumento desde 2013.

Em março, a CBIC tinha reduzido a projeção para 2,5% em função dos desafios decorrentes da pandemia da Covid-19 e continuidade dos aumentos nos custos dos materiais — esquadrias de alumínio, por exemplo, tiveram aumento de 35,21% nos últimos 12 meses (veja mais abaixo).

No entanto, o incremento do financiamento imobiliário, as taxas de juros baixas, a melhora do ambiente econômico, a demanda consistente – mesmo diante da crise de saúde – e a continuidade de pequenas obras e reformas foram algumas razões que justificaram a nova expectativa.

Em junho, segundo a Sondagem Indústria da Construção, realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) com o apoio da CBIC, o nível de atividade do setor atingiu 51 pontos. Foi o melhor desempenho desde setembro do ano passado e o melhor mês de junho desde 2011.

Para José Carlos Martins, presidente da CBIC, apesar dos resultados positivos, a construção está crescendo bem abaixo da capacidade.

“A construção é como uma Ferrari com freio de mão puxado. Poderia ser um ano histórico em termos de crescimento e contratação de trabalhadores. Mas alguns fatores, como o aumento dos insumos, criaram temor nos empresários e não estamos com a atividade que poderíamos estar”, afirma o dirigente.

Principais desafios

A falta e o alto custo de matéria-prima continuam sendo os principais problemas enfrentados pelos empresários da construção pelo quarto trimestre consecutivo, alcançando 55,5% dos pesquisados na sondagem.

A carga tributária elevada foi apontada como o segundo principal problema do segundo trimestre de 2021. Na comparação com o trimestre passado, esse foi o item com maior crescimento nas assinalações, passando de 24,7% para 31,5%.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), divulgado pela Fundação Getulio Vargas (FGV), acumulou, nos últimos 12 meses encerrados em junho, alta de 17,36%. Esse resultado é justificado pelo incremento expressivo no custo com materiais e equipamentos, o qual no mesmo período registrou alta de 34,09%. Trata-se de um recorde histórico para o período desde que a série começou a ser divulgada pela FGV, em 1996.

Vale destacar que, nos últimos 12 meses até junho de 2021, os itens que mais subiram de preço foram:

  • Tubos e conexões de ferro e aço: alta de 91,66%
  • Vergalhões e arames de aço ao carbono: 78,35%
  • Condutores elétricos: 76,19%
  • Tubos e conexões de PVC: 64,91%
  • Eletroduto de PVC: 52,06%
  • Esquadrias de alumínio: 35,21%
  • Tijolo e telha cerâmica: 33,82%
  • Compensados: 30,47%
  • Cimento Portland comum: 27,62%
  • Produtos de fibrocimento: 26,96

 

Veja também:

Esquadrias de alumínio aumentam o conforto e a eficiência energética das edificações

Além de valorizar projetos arquitetônicos, uma fachada bem elaborada desempenha a função de proteção contra agentes externos. Com a proximidade do verão e o aumento das temperaturas, além das festas de fim do ano — geradoras de ruídos —, a qualidade dessas fachadas é colocada à prova.  Neste contexto, a indústria do alumínio fornece sistemas

Curso de extensão apresenta o alumínio para novos profissionais da arquitetura e construção

A falta de uma disciplina específica sobre o alumínio nas grades curriculares dos cursos de arquitetura e urbanismo, e a consequente carência de especificadores especializados no metal, motivou a Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) a desenvolver um curso de extensão universitária gratuito sobre inovações e tendências deste mercado. A primeira edição, com o tema “O

Com nova planta, Aluxa amplia produção de perfis de alumínio

O novo complexo fabril da Aluxa, localizado em Flores da Cunha, na Serra Gaúcha, tem 6 mil m² de área construída e possibilizará o aumento da capacidade de produção de perfis de alumínio de 80 t para 130 t por mês. O plano de crescimento da empresa prevê ainda a instalação de uma nova linha

Rolar para cima