WhatsApp Image 2017-01-18 at 18.10.21

Perspectivas da indústria para 2017

O ano de 2016 foi marcado pelo delicado momento da economia brasileira. Especialistas apontam que vivemos uma crise em U, ou seja, com um período de retomada mais longo. A recessão econômica influenciou na queda da demanda interna no país, mas a indústria do alumínio se manteve firme, como analisa Milton Rego, presidente-executivo da Associação Brasileira do Alumínio (Abal). “Estamos em um período de reestruturação da economia, que é fundamental para construirmos bases mais sólidas de desenvolvimento. Dentro desse cenário, o mercado de alumínio continuou com a sua dinâmica do aumento de novos usos e da substituição de outros materiais. Isso é importante, a recessão não modificou essa tendência”.

O presidente destaca a política da Abal para o país, que se resume na competitividade em toda a cadeia do alumínio, desde a mineração de bauxita até a produção de produtos finais. “Essa integração é que pode garantir uma competitividade estrutural. Dito isto, seria muito importante para o Brasil deixar de ser um importador líquido do metal”, avalia.

PARCERIA

Uma das ações da entidade para garantir essa constante evolução da indústria nacional, é o Projeto Rota Estratégica da Cadeia Brasileira do Alumínio 2030, desenvolvido em parceria com o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), por meio da Secretaria de Desenvolvimento e Competitividade Industrial. O estudo tem como objetivo refletir sobre essa evolução, tentar entender para onde apontam e assim garantir a competitividade e a saúde da indústria do alumínio no país.

“Com a iniciativa, esperamos identificar e construir rotas estratégicas, bem como uma agenda de ações convergentes orientadas para a inovação e o desenvolvimento sustentável de cada elo dessa indústria”, complementa Rego. O projeto está sendo desenvolvido pelo grupo Observatórios, do Sistema da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP), e conta com a parceria do Instituto Euvaldo Lodi (IEL) São Paulo, uma iniciativa da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Paralelamente à estes movimentos, a indústria apresentou números positivo em 2016, como o aumento significativo nas exportações do metal primário. Os primeiros onze meses somaram 300 mil toneladas, um aumento de 9% em relação ao mesmo período em 2015. Os volumes da Hydro e da Companhia Brasileira do Alumínio (CBA) mais do que compensaram a queda de exportações do consórcio japonês da NAAC (Nippon Amazon Aluminium Co Ltd.) ao Japão, seguindo o contrato anual da empresa com a Alcoa, no qual a última recebe metal no Brasil e vende o volume equivalente de lingotes para o Japão a partir de suas fábricas globais.

Este impulso nas remessas levou o Brasil de volta à uma posição importante de exportador líquido, em 2016. Já as importações de alumínio primário, em novembro, somaram aproximadamente 226 mil toneladas – sendo que, em 2014, após uma série de cortes de capacidade na indústria, o país era também um importador líquido de alumínio primário.

DEMANDA

A mudança para a exportação em 2016 fez mais sentido, levando em consideração os preços baixos de energia na primeira metade do ano, o que reduziu a atratividade da venda de energia autogerada e encorajou a produção de alumínio novamente. Além disso, o fortalecimento do dólar americano ante o real brasileiro proporcionou incentivo para os produtores brasileiros exportarem. Porém, estes principais drivers perderam forças no final de 2016: os preços da energia voltaram a subir, a moeda se estabilizou e os prêmios brasileiros começaram a ser retomados.

Rego acredita que na segunda metade de 2017 a demanda aumentará, já que a agenda política brasileira atrasou um pouco a recuperação da economia. “O mercado de alumínio no Brasil, nos últimos anos, tem uma elasticidade com o PIB próximo de 2. Se o PIB cresce 1%, o mercado cresce 2% e assim sucessivamente”, explica e lembra que há também demandas pontuais, como os investimentos em geração e distribuição de energia.

Mas garante que a recuperação acontecerá junto com a retomada da economia. “O mercado irá crescer mais do que a média da economia, justamente pelo fato de que a taxa de utilização do alumínio na sociedade continua crescendo”. Previsões da  empresa britânica Metal Bulletin apontam que o consumo de alumínio deve cair 8% em uma base anual, liderado pelos setores de construção e automotivo. De acordo com Rego, os mercados de Fios e Cabos devem apresentar dados positivos em 2017 e “além disso, as exportações de Bauxita e Alumina devem continuar crescendo”, prevê.

PRODUÇÃO

Dado o alto nível de incertezas relacionadas à recuperação econômica do Brasil, a Abal espera que a produção se mantenha estável em 2017, após aumentar para 800 mil toneladas em 2016. No ano anterior, apenas a produção de Albras e CBA gerou 772,2 mil toneladas de alumínio primário. “A Abal tem como política do Brasil ser competitivo em toda a cadeia do alumínio, desde a mineração de bauxita até a produção de produtos finais. Essa integração é que pode garantir uma competitividade estrutural. Dito isto, seria muito importante para o Brasil deixar de ser um importador líquido do metal”, avalia o presidente-executivo da Associação.

Ainda segundo a Abal, devido à demanda limitada de alumínio importado, o governo brasileiro deverá anunciar uma redução da cota de lingote importado isento de impostos ainda em janeiro. Caso haja o aumento da demanda, é possível que a exportação não volte a crescer em 2017.  A última previsão de crescimento do PIB do boletim Focus (+0,5), o crescimento no consumo doméstico de produtos de alumínio seria de 1%. “Neste cenário, a melhor estimativa  é que os volumes de importação e exportação sejam mantidos. Mas, sempre existe o esforço da indústria em substituir as importações e também ganhar novos mercados de exportação”, conclui Rego.

Veja também:

Alubar promove mudanças em sua diretoria

Com foco na gestão e no planejamento estratégico, a Alubar tem promovido alterações na estrutura organizacional desde agosto deste ano. Dessa vez, a empresa elegeu Thais Porto para assumir a diretoria Financeira e André Cruz para a diretoria recém-criada de Auditoria Interna e Compliance – ambas as áreas consideradas essenciais pela companhia que atua em

CBA recebe selo ouro no Programa Brasileiro GHG Protocol

Pela 3ª vez consecutiva, a Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) conquistou o selo ouro no Programa Brasileiro GHG Protocol. Desde 2018, a empresa divulga de forma voluntária os resultados do seu inventário de emissões de gases do efeito estufa (GEE) no Registro Público de Emissões, plataforma online em que estão disponíveis os dados das companhias participantes do

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu