Bauxita

Pará lidera ranking de exportações minerais no Brasil

Bauxita, alumina e alumínio estão entre os principais produtos comercializados

O estado do Pará registrou o melhor desempenho nas exportações minerais do país, de janeiro a abril deste ano, com 57 milhões de t de produtos, o equivalente a US$ 8,1 bilhões. A informação foi divulgada no boletim econômico do Sindicato das Indústrias Minerais do Pará (Simineral), no dia 15 de maio, que também traz dados do Ministério da Economia e da Agência Nacional de Mineração (ANM).

Confira o ranking de participação dos estados nas exportações minerais:

  • Pará – 36%
  • Minas Gerais – 31%
  • Espírito Santo – 7%
  • São Paulo – 5%
  • Rio de Janeiro – 4%
  • Demais estados – 17%

Impacto na economia paraense

No primeiro quadrimestre deste ano, a mineração representou 94% das exportações realizadas pelo Pará. A indústria teve alta de 78% em relação ao mesmo período de 2020, somando US$ 7,6 bilhões.

Os principais produtos comercializados para fora do país foram alumina, alumínio, ferro, cobre, níquel, ouro, caulim, manganês, bauxita, silício e ferro gusa. Sete minérios tiveram aumento nos preços, na comparação com o mesmo período do ano passado, elevando a balança comercial.

Veja o crescimento das exportações em relação à quantidade de minério:

  • Ferro – 90%
  • Ferro níquel – 76%
  • Ouro – 57%
  • Cobre – 38%
  • Manganês – 36%
  • Alumínio – 22%
  • Bauxita – 7%

“A exportação atrai investimentos cada vez maiores para o nosso estado e torna possível desenvolvermos a economia e, especialmente, o lado social, tão impactado pela pandemia. De que forma? Gerando emprego e renda para as comunidades em que atuamos e apoiando autoridades locais em projetos que auxiliem esse desenvolvimento”, declara Anderson Baranov, presidente do Simineral e vice-presidente de Relações Governamentais da Hydro para a América do Sul.

CFEM

A arrecadação da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais do Pará, de janeiro a abril deste ano, foi de R$1,3 bilhão, o que mostra um crescimento de 97% em relação ao mesmo período do ano anterior. Cerca de 90% dos royalties são oriundos dos municípios de Parauapebas, Canaã dos Carajás e Marabá.

Veja também:

Consumo de alumínio tem alta de 25,2% no 1º semestre de 2021

A pesquisa de mercado consolidada pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) no primeiro semestre de 2021 revela que o consumo doméstico de produtos transformados cresceu 25,2% em relação ao mesmo período do ano passado. O volume total foi de 805 mil t, sendo 88% de origem nacional e o restante de importações. “O bom desempenho

Estudos conduzidos pela CBA e UFV são destaque internacional

A parceria entre a Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) e a Universidade Federal de Viçosa (UFV) continua rendendo bons resultados e reconhecimentos na área ambiental. Diversas pesquisas sobre restauração florestal, conservação hídrica e reabilitação ambiental foram temas de publicações científicas do mundo inteiro. “Nossa busca pela eficiência e o investimento contínuo em inovação tecnológica estão

Balança comercial: alumínio registra superávit no primeiro semestre de 2021

De acordo com a Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), a balança comercial do setor no primeiro semestre de 2021 registrou superávit de US$ 623 milhões (valor FOB, sigla em inglês para designar o frete em que a responsabilidade pelo transporte da mercadoria é do cliente). O resultado positivo se deve, principalmente, às exportações de alumina

Rolar para cima