IMAGE_ Jaguar IPACE exterior (2)

Para a Anfavea, eletrificação de veículos depende de política nacional

Associação defende que os setores público e privado trabalhem juntos

Diferente do que acontece em alguns países do exterior, o Brasil ainda não entrou na chamada rota elétrica da indústria automobilística, quando a matriz que move os automóveis passa a ser elétrica e não à combustão.

Segundo Luiz Carlos Moraes, presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), para que isso aconteça, é necessário que exista uma política voltada para a matriz energética.

A mudança da plataforma tecnológica pode alterar a fabricação de veículos nos próximos anos, abrindo oportunidades para a indústria do alumínio. Por ser um material leve, espera-se que o metal aumente a autonomia e a vida útil das baterias – que representam cerca de 20% do peso total dos automóveis – e seja aplicado em outros componentes.

A Anfavea já iniciou o mapeamento da matriz energética para identificar eventuais gargalos, trazer um portfólio de alternativas para a indústria e facilitar o investimento.

“Cada montadora vai decidir o que é melhor para a sua estratégia: apostar no híbrido ou na eletrificação tradicional. Já se discute, inclusive, a eletrificação a partir do etanol, não só para automóveis, como também para veículos pesados. É um grande tema, mas ainda não existe uma visão estratégica no Brasil”, reforça Moraes.

De acordo com o dirigente, a indústria automobilística não pode desenvolver esses produtos isoladamente, sem questões vistas como de Estado.

“Daqui para frente, os setores público e privado têm de trabalhar juntos, como acontece na Alemanha, onde as reuniões do setor sempre contam com a presença de um ministro de Transportes ou de Minas e Energia. Esse debate depende da infraestrutura do País, seja na disponibilidade de energia, ou na questão da distribuição nas rotas.”

O Brasil tem uma característica diferente em relação a outros países, com disponibilidade de energia mais limpa, como a eólica e a solar, além dos biocombustíveis, e isso deve entrar na discussão.

“Não podemos perder nossos ativos, mas teremos de encontrar o melhor caminho sem perder a capacidade de exportação. O País não pode ficar de fora desse jogo. A Anfavea vai liderar o debate e, em breve, discutir com as autoridades que participam desse processo”, diz o presidente da entidade.

 Perspectivas 2021
A indústria automobilística foi fortemente impactada pela pandemia no ano passado, interrompendo um ciclo de três anos de recuperação.

Em janeiro deste ano, o setor apresentou queda de 11,5%, em relação ao mesmo período do ano anterior, e de 29,8% na comparação com dezembro. A falta de alguns insumos, o baixo estoque de veículos e o agravamento da pandemia prejudicaram atividades industriais e comerciais em algumas regiões do Brasil.

Para 2021, a projeção é de crescimento moderado: 15%, no licenciamento de autoveículos; 9%, nas exportações; e 25% na produção – índices ainda insuficientes para recuperar os patamares de 2019.

“Nunca foi tão difícil projetar os resultados de um ano. Desde março do ano passado, quando começou a pandemia, temos uma neblina à nossa frente. Infelizmente, observamos a segunda onda da Covid-19 em países do Hemisfério Norte, que parece ter também chegado ao Brasil. E sabemos que uma imunização pela vacina será um processo demorado, que tomará quase todo o ano, impedindo a retomada mais rápida da economia”, alega Moraes.

Ainda de acordo com o dirigente, somam-se a isso a pressão de custos, as necessidades urgentes de reformas e o aumento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no Estado de São Paulo, quadro que inspira cautela nas previsões.

Alta carga tributária
Um estudo apresentado pela Anfavea, com base em dados oficiais, revela que a indústria automobilística é exageradamente tributada, pouco incentivada, mas gera grandes retornos ao País.

Segundo o levantamento, enquanto a desoneração fiscal sobre arrecadação tributária de todos os setores econômicos no País foi de 18% na última década, para o setor automotivo foi de 8%.

“É importante frisar que o governo não tira dinheiro do bolso ou dos contribuintes para doar a indústrias. Ele renuncia parte da arrecadação de impostos para compensar algumas deficiências estruturais e estimular regiões ou desenvolvimentos tecnológicos. Na prática, a desoneração beneficia os consumidores na forma de preços mais baixos e de produtos mais avançados, seguros, eficientes e menos poluentes”, explica Moraes.

Em certa medida, acrescenta o executivo da Anfavea, isso serve para restituir a alta carga tributária de 44% sobre o preço do automóvel, o dobro do praticado na maioria dos países da Europa e ainda maior se comparada a Japão e Estados Unidos.

Veja também:

Consumo de alumínio tem alta de 25,2% no 1º semestre de 2021

A pesquisa de mercado consolidada pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) no primeiro semestre de 2021 revela que o consumo doméstico de produtos transformados cresceu 25,2% em relação ao mesmo período do ano passado. O volume total foi de 805 mil t, sendo 88% de origem nacional e o restante de importações. “O bom desempenho

Balança comercial: alumínio registra superávit no primeiro semestre de 2021

De acordo com a Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), a balança comercial do setor no primeiro semestre de 2021 registrou superávit de US$ 623 milhões (valor FOB, sigla em inglês para designar o frete em que a responsabilidade pelo transporte da mercadoria é do cliente). O resultado positivo se deve, principalmente, às exportações de alumina

Albras ocupa segunda posição no ranking nacional de comercialização da liga PFA

A Albras, subsidiária da multinacional norueguesa Hydro na produção de alumínio primário, tem se destacado no mercado de liga PFA (lingote com liga de silício), utilizada em larga escala pela indústria automotiva. Desde o lançamento do produto no seu portfólio, em 2019, a empresa ampliou em 100% a produção e já é a segunda maior

Rolar para cima