Aluminum lines on a conveyor belt in a factory.

Opinião: Aplicações do alumínio e um raio-x do mercado para 2021

Diretor Geral da Termomecanica, Luiz Henrique Caveagna destaca a versatilidade e a variação de aplicações do metal e comenta projeções de consumo
Luiz Henrique Caveagna

O alumínio sempre exerceu um papel fundamental na economia brasileira. No passado, o País chegou a ser o 6º maior exportador mundial desse metal, além de suprir toda a demanda interna de produtos. Embora com uma produção menor, atualmente o Brasil demanda um volume de produtos próximo a 1,5 milhão de t de transformados, nas mais variadas aplicações. A preços atuais, a economia deste material, em todos os seus mercados, movimenta R$ 83 bilhões, de acordo com os dados mais recentes da Associação Brasileira do Alumínio (ABAL).

De certa forma, o que justifica essa grande participação do alumínio no mercado e na economia é a versatilidade e a variação de aplicações, que vão desde latas de bebidas e alimentos até a construção das linhas de transmissão e distribuição de energia elétrica, passando por produtos estruturais, de decoração, utensílios domésticos, bens de consumo, além de materiais destinados a indústrias, como a de tubos para construção civil e a automotiva, por exemplo. Ou seja, é praticamente impossível não utilizarmos algum produto de alumínio em nosso dia a dia.

O metal é extremamente trabalhável mecanicamente e oferece origem a diversos processos de fabricação para várias aplicações. A evolução tecnológica possibilitou a produção de ligas resistentes e, ao mesmo tempo, leves, que viabiliza um uso mais intensivo até mesmo na indústria aeroespacial.

A opção de escolha do alumínio para tantas áreas diferentes pode ser entendida quando compreendidos os benefícios deste metal.  E são muitos. Trata-se de um metal leve, que apresenta elevadíssima resistência à corrosão na temperatura ambiente, possui excelente condutividade térmica e uma relação muito favorável entre condutividade elétrica e peso específico. Além de não ser magnético, seu preço é mais competitivo em comparação a outros metais, por ser abundante na natureza e também um metal especialmente indicado para conservação de alimentos e bebidas.

Destaque em sustentabilidade 
Além de todas essas qualidades relacionadas aos benefícios do metal, existe uma que merece destaque: a sustentabilidade. Sem dúvida, este aspecto torna o alumínio e sua utilização intensiva muito mais atrativa, desde a exploração do minério (no qual se faz uma planejada rotação na exploração das minas com o respectivo reflorestamento após o esgotamento), até o seu elevado índice de reciclagem. Com reaproveitamento superior ao da média mundial, o Brasil recicla cerca de 38,5% de todo o consumo doméstico, conforme apontam dados da ABAL.

O alumínio é infinitamente reciclável. 75% deste metal existente no mundo ainda não foi disponibilizado para reutilização. Com a reciclagem, para cada tonelada de alumínio produzido a partir deste método, economizamos 4,5 t de minério de bauxita, com a consequente preservação das minas e paisagens. Além disso, a reciclagem do alumínio despeja apenas 5% de partículas na atmosfera em relação à mesma quantidade do material fabricado a partir do minério.

Outro ponto de destaque é em relação à economia de energia durante a produção do material. De modo geral, a cada quilo de alumínio reciclado, gasta-se 19 vezes menos energia do que a mesma quantidade obtida pelo método tradicional. Só para visualização, a economia de energia elétrica que o Brasil faz com a reciclagem do material, atualmente, é equivalente a manter abastecida de energia uma cidade como Campinas (SP) durante um ano inteiro.

Este cenário reflete o papel fundamental do alumínio e como o setor é importante para a economia, responsável por movimentar recursos que vão desde a necessidade para complemento de renda de catadores (reciclagem de latas), até o suprimento de infraestrutura de energia elétrica, necessária para o desenvolvimento do país.

Mercado do alumínio em 2021
Antes de vislumbrarmos as perspectivas para 2021, é preciso entender o contexto e o que representou o ano de 2020. A pandemia da Covid-19 impactou diretamente a economia, não só nacional, mas global. No setor de alumínio, não foi diferente. Estima-se uma queda entre 7% e 8% acumulada durante 2020.

Para 2021, muitas consequências da pandemia ainda devem seguir no cenário econômico, uma vez que estamos longe de erradicá-la, com um ritmo de vacinação muito pequeno, além de estarmos rumando para uma fase mais aguda de transmissão e disseminação da doença.

Neste contexto, existe a possibilidade de repetirmos este ano aquilo que vimos em 2020, ou seja, uma fase declinante da economia para uma recuperação acelerada ou em formato de “V“. Desta forma, levando-se em conta os efeitos da pandemia, estimamos que a demanda interna a ser atendida neste ano deve girar em torno de 1,3 a 1,4 milhão de t de alumínio.

Luiz Henrique Caveagna é diretor geral da Termomecanica

Veja também:

Poços de Caldas, cidade das águas termais e do minério de bauxita

Devido à formação geológica rica em minério de bauxita, a cidade de Poços de Caldas, localizada no Sudoeste de Minas Gerais, divisa com o Estado de São Paulo, ofereceu uma contribuição importante para o início da produção de alumínio primário no Brasil. A região atraiu investimentos da Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) há 80 anos

Casais se conhecem trabalhando para a MRN na Amazônia

Neste Dia dos Namorados, conheça duas histórias de amor que tiveram início em períodos distintos no projeto da Mineração Rio do Norte (MRN), desenvolvido no distrito de Porto Trombetas, município de Oriximiná (PA), em pleno coração da Amazônia. Em 1986, dois jovens se conheceram durante encontros com amigos em espaços de lazer, jogos no ginásio

Baterias de íons de alumínio: mais eficiência e sustentabilidade

O Instituto Australiano de Bioengenharia e Nanotecnologia, da Universidade de Queensland, na Austrália, e o Grupo GMG (Graphene Manufacturing Group) anunciaram o início da produção dos primeiros protótipos comerciais de baterias de íons de alumínio com eletrodos de grafeno.  A tecnologia tem potencial para transformar o mercado de baterias recarregáveis em alguns anos, colocando-se como

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima