Setor da Construção Civil

O papel do alumínio para a retomada do setor da construção civil

Escrito por Paulo Cezar Martins Pereira*

A retomada da economia no pós-pandemia é uma realidade que tem tomado forma dia após dia. No segundo semestre de 2020 isso já pôde ser percebido no setor da construção civil, cujo crescimento se manteve durante o primeiro trimestre de 2021. Embora o segundo trimestre deste ano tenha apresentado pequena queda, devido aos altos estoques e adequação da relação entre demanda e oferta, a expectativa é de novo aumento no decorrer de 2021, bem como para o próximo ano. 

O índice de confiança do empresário traz valor positivo, assim como as expectativas de investimentos para o setor, conforme aponta última Sondagem Industrial realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) no mês de julho. Neste sentido, com o aumento da população vacinada e a retomada da economia, espera-se que o segmento desenhe crescimento significativo nos próximos anos.

Em paralelo à retomada do setor, o alumínio tem desempenhado um papel importante para o desenvolvimento do mercado vinculado à construção civil. A diversidade de aplicações e os benefícios apresentados dão força para que o metal se destaque entre as opções, uma vez que as possibilidades de uso são inúmeras, variando de aplicações elétricas — como fios e barramentos — e até mesmo como material utilizado em decorações de fachadas e interiores.

As alternativas de aplicação do metal não param por aí. O alumínio tem, ainda, forte presença em centrais de refrigeração e trocadores de calor, é amplamente utilizado sob forma de perfil na divisão de ambientes, estrutura de portas e janelas e, mais recentemente, em sistemas de coleta de energia solar.

Os benefícios do uso do alumínio na construção civil
Se utilizarmos como base as aplicações mencionadas, há características excelentes de condutividade elétrica e térmica que fazem do alumínio uma das principais escolhas para fins elétricos e de refrigeração. Além disso, o brilho, a leveza, a resistência à corrosão, bem como a possibilidade de pintura e anodização são características importantes para a escolha do metal como material decorativo. Por fim, e talvez a aplicação mais popular, sejam as molduras, portas e janelas, que apresentam o caráter estrutural da utilização do material.

De um modo geral, pelos aspectos de peso, condutividade, resistência mecânica e resistência à corrosão, o metal oferece uma relação custo-benefício quase insuperável. É mais barato — quando comparado aos metais concorrentes — em diversas aplicações, com exceção ao ferro e ao aço. Estes, porém, têm inúmeras restrições de uso se considerados fins equivalentes, cuja vantagem de se utilizar o alumínio mostra-se amplamente superior.

O impacto sustentável do Alumínio
No quesito sustentabilidade, o alumínio coloca-se diversos passos à frente dos metais concorrentes, já que é um material infinitas vezes reciclável, com uma estrutura de coleta reversa já amadurecida e eficiente e, tecnologicamente, das mais avançadas do mundo. Além disso, por ser muito reciclado (o país é um benchmark neste quesito), para cada quilograma de alumínio reciclado, reduz-se em 4,5 kg a extração do minério, bem como dispende-se 19 vezes menos energia do a utilização do metal obtido por via primária, além de emitir só 5% de particulado na atmosfera nesta comparação.

Diante deste cenário, a retomada do setor da construção civil e a ampliação da utilização do alumínio devem caminhar juntas e de maneira integrada para o desenvolvimento de ambos os setores e para suprir as demandas cada vez maiores e mais exigentes do mercado, no que se refere à qualidade e benefício dos materiais para ao setor.

*Paulo Cezar Martins Pereira é superintendente de Vendas e Marketing da Termomecanica



Veja também:

Cortina de alumínio assinada por Kengo Kuma é destaque em Barcelona

O renomado arquiteto japonês Kengo Kuma desenvolveu um projeto especial com alumínio como parte de uma série de intervenções de artistas e designers para a Casa Batlló – edifício modernista concebido por Antoni Gaudí, em Barcelona, na Espanha. O prédio figura na lista do patrimônio mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência

Projeção do PIB da construção sobe de 2,5% para 4% em 2021

A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) divulgou, no dia 26 de julho, estudo sobre o desempenho econômico do mercado no segundo trimestre de 2021. Os dados apontam para crescimento de 4% do Produto Interno Bruto (PIB) do setor em 2021, retornando ao patamar previsto no início do ano. Se confirmado, será o maior

Alumínio e cobre dividem o protagonismo no setor de energia

Por Luiz Henrique Caveagna A utilização do alumínio no setor de energia tem ganhado cada vez mais espaço. Mesmo com queda de 4,2% no consumo de alumínio em 2020, o mercado de cabos elétricos foi exceção e registrou aumento no consumo, passando de 193 mil t. em 2019, para 213 mil t. no ano passado,

Rolar para cima