Industria naval (1)

O impacto do alumínio na indústria naval

Escrito por Luiz Henrique Caveagna

A indústria naval está presente no Brasil desde os tempos coloniais. A posição geográfica das terras brasileiras e a qualidade da madeira e de recursos do país fizeram com que os portugueses, ao chegarem aqui, instalassem estaleiros, tanto para reparações de embarcações, como para a construção de novos transportes marítimos.

Hoje, mais de 500 anos depois, este segmento tem buscado seu espaço na economia brasileira. Levantamento realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) apontou que, de 2004 a 2014, o segmento registrou crescimento de 19,5% ao ano. Este cenário resultou na construção de 600 mil embarcações e também na criação de 80 mil empregos diretos e 400 mil indiretos, segundo dados do Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore (Sinaval).

Apesar dos índices positivos nos anos 2000, o segmento enfrentou uma crise e, de 2014 para cá, de acordo com o Sinaval, os postos de trabalho da área diminuíram mais de 80%. Hoje, temos menos de 15 mil empregos nos estaleiros do país.

Neste contexto, o grande desafio para a indústria naval tem sido retomar o papel de destaque na economia. Para isso, outros braços do mercado — como a siderurgia e a metalurgia — têm sido fundamentais para o desenvolvimento do setor, a partir da produção de ligas metálicas como o alumínio, utilizadas como matéria-prima na construção de embarcações.

Principais aplicações do alumínio na indústria naval
Para o segmento naval, a versatilidade e a variedade das aplicações do alumínio fazem com que o metal saia na frente em comparação com os demais concorrentes, como o aço, por exemplo. O alumínio pode ser empregado na parte estrutural de embarcações de pequeno e médio porte e até mesmo no acabamento interno de qualquer embarcação, com a utilização dos laminados e perfis extrudados de alumínio, incluindo perfis derivados de tarugos que constituem os mastros de navios e barcos.

As possibilidades de aplicações do metal são diversas. O alumínio pode aparecer ainda como artigo decorativo e em estruturas leves de interiores, em perfis de acabamento em barcos e lanchas, e até em detalhes mais mecânicos, como painéis de controles, instrumentação, compartimentos e sistemas de refrigeração e outras aplicações menores onde se requer resistência à corrosão e boa condução térmica.

Além disso, na estrutura de embarcações náuticas, como o casco, por exemplo, o metal também é utilizado em suas ligas especiais em embarcações de pequeno e médio portes, como lanchas e barcos. Contudo, não é o material mais utilizado com essa finalidade, uma vez que sua utilização é mais onerosa comparado aos materiais concorrentes. Em contrapartida, apresenta grande vantagem de durabilidade.

Quais são os benefícios do alumínio para a indústria naval?
A leveza é um traço fundamental para o bom funcionamento de um meio de transporte aquático. Nesse quesito, o alumínio se sobressai em comparação com os outros materiais. Por tratar-se de um metal extremamente leve, traz ganhos sustentáveis significativos, ao gerar menor carga de poluentes na atmosfera e promover maior economia de combustível, nada diferente da forma que vemos o alumínio em outros setores da economia.

A boa resistência à corrosão e a maior durabilidade também são características que justificam a escolha do metal na indústria naval. Um exemplo que comprova a superioridade do metal é a experiência narrada por Amyr Klink, velejador brasileiro conhecido por suas viagens à Antártida. Klink relata que seu barco (desenvolvido com propriedades do alumínio) suportava um número de viagens bem maior do que os dos velejadores de outros países, que precisavam trocar suas embarcações com mais frequência.

O fato é que o alumínio tem dominado diferentes esferas da economia mundial. Não é difícil encontrar este metal nas áreas de construção, refrigeração, automotiva e de eletricidade, além de, é claro, espaços com maior tecnologia, como o setor aeronáutico e aeroespacial.

Na indústria naval o cenário não seria diferente. Diante disso, é preciso estimular cada vez mais o investimento em alumínio pelo segmento, para que assim esses dois setores possam caminhar juntos para suprir as necessidades mais exigentes do mercado.

Luiz Henrique Caveagna é Diretor Geral da Termomecanica, empresa líder na transformação de cobre e suas ligas

Veja também:

Apesar dos desafios, veículos elétricos e híbridos crescem no Brasil

A eletromobilidade é uma tendência mundial que ainda depende de uma política nacional e de medidas de apoio ao transporte sustentável para avançar no Brasil. Por enquanto, há 66 mil veículos elétricos e híbridos circulando pelo país, de acordo com a Associação Brasileira de Veículos Elétricos (ABVE). Apesar dos desafios de infraestrutura de recarga e

Top hat de veículo feito com alumínio reduz peso em 42%, diz estudo da Alumobility

Um novo estudo da Alumobility apresentado neste mês de outubro evidenciou que a substituição do aço por alumínio no top hat, a parte superior da carroceria body-in-white (BIW) de veículos, pode reduzir significantemente o peso da estrutura. Além de quase 42% mais leve, a estrutura de alumínio cumpriu todos os critérios de performance da fabricante,

As diferentes aplicações do alumínio e do cobre para o setor de refrigeração

Com destaque cada vez maior dentro da cadeia de metais, o alumínio tem ganhado visibilidade nos mais diversos setores da economia, tendo em vista a variabilidade de aplicações nos diferentes segmentos industriais. No setor de refrigeração, o metal divide o protagonismo com o cobre, que também exerce função indispensável para o desempenho deste mercado. As

Rolar para cima