SSUCv3H4sIAAAAAAAACpRSu27DMAzcC/QfDM0x4MSPOPmHAh26BR1oibWFKFIgySmCIP9eyrIKLR26mXfkHU/04/WlKNgATnJ2LB6holoqNTtvwUujCa42K25RC7Q5crN1V+UACumNlaBycADPJw0XJFDPSgX4uZDMefCzQxfcV4iDx5E0IvgrEVc8xbpIxELSBFHsA8nFKDPe2SZj3TwE9k06jkqBRjM7lvjo+YfgO5qrwn+IxY/PlBtG1Py+RMsiW1QIMfIptrLzt0d7yR8BZiFNlv9mOKjQUGdKVyu51GM2Zvy0HCiNcTNrb8MKLMVgypgrDJTrWHyRJiZ8AueoXSQ8M+L0O5hL5qONXwKsqkzQzUK5rXdt1zeHpt4fuqatdvXaEO88SdJZ1klCVPOzFHl0GTZgAwqErmvLLXyJsulFU/Zd1ZcC6wG5wLbZN/Twzx8AAAD//wMAsuBM1cICAAA=

Nova edição do Foco&Futuro, da ABAL, já tem mais de 1000 inscritos

Masterclass antecipou informações e novidades aos interessados no projeto voltado para estudantes e jovens profissionais

O projeto Foco&Futuro, realizado pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), já superou a marca de 1000 inscritos. Com a proposta de “Impactar, desafiar e selecionar”, a nova edição pretende conduzir estudantes e jovens profissionais a uma trilha de conhecimento sobre a cadeia produtiva do alumínio.

Neste ano, o projeto adota o formato hackathon. Cerca de 70 participantes serão selecionados para uma semana imersiva – sob a orientação de profissionais da indústria do alumínio – para solucionar um desafio ligado à inovação e à sustentabilidade. Os finalistas ganharão prêmios e poderão ser convidados para entrevistas junto as empresas do setor, mediante disponibilidade de vagas.

Ao todo, 11 empresas associadas à ABAL participam do projeto. São elas: Albras, Alcoa, AMG Brasil, Companhia Brasileira de Alumínio (CBA), Grupo Ibrap, Grupo ReciclaBR, Hydro, Mineração Rio do Norte (MRN), Novelis, Prolind e Termomecanica. Toda a jornada de conhecimento e desenvolvimento de carreira se dará por meio da plataforma da Eureca, consultoria especializada em recrutamento de jovens.

Encontro virtual
Na última quarta-feira (5/5), ocorreu a primeira masterclass do Foco&Futuro por meio do canal da Eureca no Youtube. Os estudantes e jovens profissionais puderam esclarecer dúvidas sobre a dinâmica do projeto e conhecer mais sobre o setor do alumínio.

Kaísa Couto, diretora da Área Técnica da ABAL, contou como foi a sua primeira experiência com o metal.

“Eu sou apaixonada pelo alumínio desde a época da faculdade, quando tive que fazer um projeto sobre reciclagem e conheci uma das indústrias. Ainda me encanto com o metal porque ele sempre traz soluções inovadoras e sustentáveis”, afirmou.

A executiva da ABAL aproveitou a oportunidade para explicar quais são os quatro principais elos da cadeia produtiva.

“O upstream envolve desde a mineração de bauxita, a produção de alumina até o alumínio primário. No Brasil, possuímos a quarta maior reserva deste minério, além de termos energia elétrica limpa e renovável para a sua transformação em alumínio. Esse elo é representado por grandes empresas, de capital intensivo, que investem em sustentabilidade e responsabilidade social”, explica.

Em seguida, estão os produtos transformados e semimanufaturados, onde as companhias promovem altos investimentos em desenvolvimento e inovação. Já o terceiro elo, compreende os produtos acabados.

“O alumínio está presente tanto em aplicações estratégicas, como na aeronáutica, em componentes de veículos elétricos, notebooks, entre outros, como em soluções simples — nas panelas e folhas de alumínio para uso doméstico. Costumo dizer que o metal é versátil e democrático.”

Por fim está a reciclagem de alumínio, que traz inúmeros benefícios para o setor, como a economia de até 95% de energia elétrica, quando comparada à produção de alumínio primário, além de retornos econômicos e sociais para o país.

Durante o encontro, Caroline Alves Peixoto, analista de Projetos Júnior na ABAL, destacou que os inscritos no Foco&Futuro terão contato entre si e com as 11 empresas participantes que atuam por todo o Brasil.

“Vai ser difícil não se identificar com alguma companhia. A jornada será riquíssima em conhecimento e a curadoria de desenvolvimento de carreira contará pontos para a semana de imersão. Será bem interativo. Todos terão acesso às lives que envolvem tanto hard como soft skills. Para participar da semana de imersão, é preciso gravar um vídeo para conhecermos mais sobre vocês”, explica.

 

Rafael Torres, diretor de Comunicação e Gestão da ABAL, convidou os interessados a acessarem o Manifesto “Alumínio brasileiro para um futuro sustentável” e reforçou a importância da ABAL, que completará 51 anos no dia 15 de maio de 2021. O trabalho da associação envolve a defesa setorial, representatividade em diversos fóruns e atuação junto à academia. Atualmente, o setor emprega mais de 480 mil pessoas e tem um faturamento de mais de R$ 1 bilhão (dados de 2019).

 “É um mercado muito forte. Uma das nossas tarefas é mostrar que o alumínio é estratégico e pode ser um diferencial de carreira”, reforça o gestor da ABAL.

 As inscrições seguem abertas até o dia 14 de maio, por meio do site da Eureca. 

Para isso, é necessário preencher os seguintes pré-requisitos:

  • Ser formado ou formar-se (Bacharelado ou Tecnólogo) no período de dezembro de 2019 a julho de 2022. Não há restrição de curso;
  • Não estar trabalhando;
  • Ter disponibilidade para participar da semana de imersão do desafio de 24 a 28 de maio de 2021.

Veja também:

Prolind completa 30 anos de atuação no mercado de alumínio

A Prolind Alumínio comemora 30 anos no dia 19 de junho. A empresa foi criada para dar continuidade aos negócios da Aluswiss e Arquetipo, fabricantes de peças automotivas a partir de perfis extrudados. A planta inicialmente localizada em Taubaté (SP), no Vale do Paraíba, passou a ser administrada pelo Grupo Helptec, holding do empresário Adalberto

Poços de Caldas, cidade das águas termais e do minério de bauxita

Devido à formação geológica rica em minério de bauxita, a cidade de Poços de Caldas, localizada no Sudoeste de Minas Gerais, divisa com o Estado de São Paulo, ofereceu uma contribuição importante para o início da produção de alumínio primário no Brasil. A região atraiu investimentos da Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) há 80 anos

Casais se conhecem trabalhando para a MRN na Amazônia

Neste Dia dos Namorados, conheça duas histórias de amor que tiveram início em períodos distintos no projeto da Mineração Rio do Norte (MRN), desenvolvido no distrito de Porto Trombetas, município de Oriximiná (PA), em pleno coração da Amazônia. Em 1986, dois jovens se conheceram durante encontros com amigos em espaços de lazer, jogos no ginásio

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima