Smiling young black woman spraying deodorant on armpit in bathroom. African girl with curly hair cleaning underarms after shaving. Happy fresh woman spraying deo at home while looking at mirror.

“Mito ou verdade?” Alumínio contido nos antitranspirantes não causa câncer de mama

Médica esclarece que estudos no Brasil e exterior não relacionam os derivados do metal à doença

Em tempos de fake news, aquelas notícias falsas que viralizam e podem prejudicar pessoas e empresas, o portal Revista Alumínio lança a série “Mitos e Verdades”. O objetivo é esclarecer os leitores sobre informações infundadas e sem embasamento científico que são constantemente divulgadas sobre o metal.

Nesta primeira edição, abordamos a possível relação entre o uso de antitranspirantes, produtos que contêm sais de alumínio e seus derivados na formulação, com possíveis ocorrências de câncer de mama.

Para isso, convidamos para uma conversa Taciana Dal`Forno Dini, médica dermatologista e coordenadora de Cosmiatria da Residência de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS). Confira a entrevista abaixo:

Como agem os antitranspirantes no corpo humano? Eles podem causar câncer de mama?
Taciana – Os antitranspirantes têm ação local na superfície da pele e atingem as glândulas sudoríparas e não os tecidos mamários. Devemos salientar que o câncer de mama é originário do tecido mamário e não da pele, o que não permite relacionar cientificamente o uso desses produtos ao surgimento da doença.

O que dizem as pesquisas sobre os efeitos desses produtos?
Taciana – Segundo o Breast Cancer Resource Center, da American Cancer Society, antitranspirantes não aumentam o risco de câncer. As substâncias normalmente encontradas nesses produtos não apresentaram, em pesquisas, qualquer relação com a doença. Eles são testados rigorosamente antes de liberados para o consumo, e parece não haver embasamento científico para essa preocupação.

Há algum estudo realizado no Brasil sobre esse tema?
Taciana – No Rio de Janeiro, o Centro de Estudos e Pesquisas da Mulher (Cepem) investigou o assunto junto ao Instituto Nacional de Câncer dos Estados Unidos e à Biblioteca Nacional de Medicina americana. Os médicos do Cepem também afastaram a hipótese de os antitranspirantes serem responsáveis pelo aparecimento de câncer de mama.

Existe alguma restrição para o uso diário desses produtos?
Taciana – Não. A utilização de antitranspirantes não provoca nenhuma doença e pode, no máximo, causar uma leve irritação na pele, ou ainda, em casos isolados, provocar eczemas em pessoas alérgicas a algum componente específico da formulação. Deve-se utilizá-los conforme a frequência de aplicação sugerida no rótulo.

Como os antitranspirantes são classificados na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)?
Taciana – São classificados como produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes de grau 2. De acordo com a Anvisa, itens dessa categoria possuem indicações específicas, cujas características exigem comprovação de segurança e/ou eficácia, bem como informações e cuidados sobre o modo de uso.

Taciana Dal`Forno Dini, médica dermatologista: “A utilização de antitranspirantes não provoca nenhuma doença”

Veja também:

Consumo de alumínio tem alta de 25,2% no 1º semestre de 2021

A pesquisa de mercado consolidada pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) no primeiro semestre de 2021 revela que o consumo doméstico de produtos transformados cresceu 25,2% em relação ao mesmo período do ano passado. O volume total foi de 805 mil t, sendo 88% de origem nacional e o restante de importações. “O bom desempenho

Balança comercial: alumínio registra superávit no primeiro semestre de 2021

De acordo com a Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), a balança comercial do setor no primeiro semestre de 2021 registrou superávit de US$ 623 milhões (valor FOB, sigla em inglês para designar o frete em que a responsabilidade pelo transporte da mercadoria é do cliente). O resultado positivo se deve, principalmente, às exportações de alumina

Novo IPad tem estrutura com alumínio 100% reciclado

Com foco no meio ambiente, os novos iPad e iPad mini têm estrutura com alumínio 100% reciclado e estão disponíveis nas cores prateado e cinza-espacial. Segundo a Apple, fabricante dos equipamentos, todos os modelos da linha contam com o metal. Atualmente, as operações corporativas globais da empresa são neutras em emissões de carbono. No entanto,

Rolar para cima