Factory - oil and gas industry

Líderes setoriais reforçam importância da aprovação da Nova Lei do Gás pelo Senado

Em fórum, dirigentes da ABAL, Abrace e de outras entidades defendem a aprovação da matéria

A chamada Nova Lei do Gás, Projeto de Lei 6407/13, foi o principal assunto do segundo painel do 4º Fórum Brasileiro do Gás Natural, realizado pela Associação Paulista das Cerâmicas de Revestimento (Aspacer) nesta semana. Após ser aprovado no início de setembro pela Câmara dos Deputados, o texto-base aguarda apreciação do Senado Federal.

Representantes de vários setores da indústria esperam uma condução transparente da matéria pelos senadores, com a participação de todos os lados envolvidos nas discussões.

Paulo Pedrosa, presidente da Associação Brasileira dos Grandes Consumidores de Energia e Consumidores Livres (Abrace), reforçou que a regulamentação trará grande desenvolvimento e poderá agregar 0,5% por ano ao Produto Interno Bruto (PIB) nacional.

“O texto quebra a lógica do monopólio estatal. Nossa expectativa é de que o Senado cumpra esse papel muito importante. Se avançar e der ao País um novo mercado do gás, sairemos da pandemia com otimismo na indústria e diversidade do mercado. Vamos confiar no trabalho do Senado e na preservação do contexto do projeto”, reforçou.

Milton Rego, presidente-executivo da Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), comentou que a abertura desse mercado será essencial para a indústria do metal.

“Na produção de alumínio primário, a energia elétrica é o principal insumo depois da alumina. Já na reciclagem, o gás é o principal insumo depois da sucata de alumínio”, declarou.

Segundo o executivo da ABAL, a indústria do alumínio tem reduzido sua capacidade de produção, uma vez que o preço da energia elétrica não é competitivo. Milton lembrou ainda que, desde 2014, o País passou de exportador para importador de alumínio primário.

“Temos uma concorrência muito grande no mercado internacional. E os Estados Unidos acabaram de aumentar as alíquotas para chapas de alumínio brasileiras. Enfrentamos ainda uma escalada de restrições, com crescimento da produção do alumínio na China”, frisou.

Veja também:

Alubar consolida-se no mercado do alumínio em 2019, segundo relatório anual

Após grande expansão em 2018, a Alubar – fabricante de cabos elétricos e vergalhões de alumínio e de condutores de cobre – seguiu na busca por novos mercados. Assim, a companhia adquiriu em 2019 unidades em Bécancour, no Canadá, e em Montenegro, no Sul do Brasil. Além disso, a empresa bateu recordes de produção e

Alubar adota ferramenta moderna de recrutamento e seleção

O Seja Alubar é o novo sistema de recebimento de currículos e preenchimento de vagas de emprego da companhia de cabos elétricos e vergalhões de alumínio no Brasil. Ao utilizar a plataforma Gupy, o objetivo é reduzir o tempo médio de seleção de 32 dias para até 15 dias, além de tornar os processos mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu