71960940_2032327163536855_197127226381041664_n

Latasa amplia planta produtiva em Mato Grosso do Sul

Novo forno na unidade de Paranaíba expande a capacidade produtiva da planta para 4 mil t/mês de alumínio reciclado

A Latasa Reciclagem, empresa do Grupo ReciclaBR, inaugurou ontem, 30 de outubro, seu novo forno rotativo na unidade de Paranaíba (MS). O equipamento expande a capacidade produtiva da planta para 4 mil t/mês de alumínio reciclado — antes eram 2.500 t/mês.

Participaram da solenidade o secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar do Mato Grosso do Sul, Jaime Verruck, e o prefeito de Paranaíba, Ronaldo Miziara.

Mario Fernandez, CEO do Grupo ReciclaBR, e José Roberto do Canto, acionista, apresentaram detalhes da evolução da fábrica e os planos de investimentos do conglomerado, o qual segue comprometido com o atendimento ao mercado, gerando emprego e renda à sociedade. Dentre as novidades, está a inauguração de outra planta, em Betim (MG), com capacidade para 2.500 t/mês.

Crédito da imagem de abertura: Kelly Ventorim (GovernoMS/Semagro)

Veja também:

Moderno e futurista, ACM destaca-se pela pluralidade

Uma lâmina de alumínio, núcleo de polietileno e outra lâmina do metal. Essa é a receita do “sanduíche” que forma o painel de alumínio composto, o ACM, sigla proveniente do inglês aluminum composite material. O composto chegou ao Brasil na década de 1990, após fazer sucesso na Europa e Estados Unidos. Inovador, versátil, durável e

Fim de ano: hora dos descartáveis de alumínio brilharem!

Chega o mês de dezembro e começam os preparativos para as festas de Natal e Réveillon, ocasiões em que não podem faltar os pratos típicos para a ceia. É nessa hora que surge a necessidade de uma grande quantidade de assadeiras, bandejas e fôrmas, o que aumenta a demanda por embalagens de alumínio descartáveis. Cadu

Lata de alumínio: 30 anos de sucesso entre o consumidor brasileiro

Em 1986, a Alcan Alumínio do Brasil, atualmente Novelis, instalou o primeiro laminador a quente na unidade industrial de Pindamonhangaba (SP) para a produção de chapas especiais. Ali era dado um passo importante, o primeiro para que o Brasil começasse a produzir e comercializar, em 1989, por meio da Latasa, em Pouso Alegre (MG), uma das embalagens mais sustentáveis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu