Eduardo Vaz

Inovação na manufatura: grande oportunidade para mudanças

Eduardo Vaz da Costa Júnior, gerente-executivo IEL/SP, diz que a inovação é um processo chave para o aumento da competitividade

O Brasil ganhou cinco posições no Índice Global de Inovação (IGI) de 2018, subindo do 69º para o 64º lugar em um ranking de 126 países. No entanto, o avanço não coloca o País na liderança da inovação na América Latina, que segue com o Chile na primeira posição regional. A classificação é publicada anualmente pela Universidade de Cornell, pelo Insead e pela Organização Mundial da Propriedade Intelectual (Ompi).

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) são parceiros do IGI.

O 64º lugar é o melhor conquistado pelo Brasil desde 2014. Nos últimos anos, o País ficou estagnado na 69ª posição. Entre as áreas em que o País mais se destacou, estão os gastos com pesquisa e desenvolvimento (P&D); importações e exportações líquidas de alta tecnologia; qualidade de publicações científicas; e universidades, especialmente as de São Paulo (USP), Campinas (Unicamp) e Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Para um país que está entre as dez maiores economias do mundo, acredito que temos capacidade para melhorar significativamente a nossa posição. O Brasil tem densidade industrial e de geração de negócios que elevam o potencial para inovação.

Precisamos entender e considerar a inovação como processo chave para aumentarmos nossa competitividade. Nesse aspecto, temos de nos apropriar de forma acelerada das ferramentas de fomento e financiamento, investir fortemente na formação profissional e avançar na utilização das tecnologias habilitadoras do conceito de Indústria 4.0. Elas chegam para facilitar os processos produtivos, aumentar a eficiência total na utilização dos equipamentos, eliminar desperdícios, reduzir custos e diminuir prazos. Ou seja, vieram para aumentar a produtividade.

Importante ressaltar que, no 8º Congresso Internacional do Alumínio, realizado ano passado e que pude participar, foram apresentados cases de inovação na cadeia produtiva desse metal. No setor, a adoção das tecnologias da Indústria 4.0 já produzem ganhos significativos de produtividade.

Escrito por Eduardo Vaz da Costa Júnior, gerente-executivo do Instituto Euvaldo Lodi em São Paulo (IEL/SP), vinculado à CNI

Veja também:

O papel do alumínio para a retomada do setor da construção civil

A retomada da economia no pós-pandemia é uma realidade que tem tomado forma dia após dia. No segundo semestre de 2020 isso já pôde ser percebido no setor da construção civil, cujo crescimento se manteve durante o primeiro trimestre de 2021. Embora o segundo trimestre deste ano tenha apresentado pequena queda, devido aos altos estoques

Alumínio e cobre dividem o protagonismo no setor de energia

Por Luiz Henrique Caveagna A utilização do alumínio no setor de energia tem ganhado cada vez mais espaço. Mesmo com queda de 4,2% no consumo de alumínio em 2020, o mercado de cabos elétricos foi exceção e registrou aumento no consumo, passando de 193 mil t. em 2019, para 213 mil t. no ano passado,

Métodos de união de materiais para ligas de alumínio automotivas

Nos últimos anos, a tendência de redução de peso dos veículos vem sendo discutida em diversos países. O debate inclui a maior aplicação de ligas de alumínio em estruturas veiculares, viabilizando o alcance de melhores índices de consumo de combustível e emissões de gases poluentes, além de maior autonomia da bateria dos veículos elétricos. Nos

Rolar para cima