Hamé Falusi Pástétom.

Assunta Camilo, diretora do Instituto de Embalagens fala sobre as possibilidades de aplicação do metal leve no segmento: por que inovar se tornou algo tão importante no momento atual?

Inovação é realizar, ou produzir algo novo, um produto ou um processo, diferentemente da criatividade, que apenas gera novas ideias. A velocidade das informações e das mudanças atuais impõe que as empresas inovem e criem novos produtos que podem até “matar” os atuais. Melhor fazer você mesmo, antes de outrem. A escolha é simples: inovar ou morrer. Inovar por meio das embalagens é muitas vezes mais simples e econômico. Além disso, a comunicação com o consumidor é imediata e direta. Inovação em embalagens é o motor da competitividade e a chave para um futuro próspero.

Inovações em embalagens devem e podem ocorrer em vários pontos da cadeia de fornecimento, seja na matéria-prima, nos acabamentos, na forma, na abertura ou fechamento, entregando conveniência, estilo (design), segurança, saúde e produtos sustentáveis.

É importante lembrar que toda vantagem competitiva tem tempo de validade. Dessa forma, a inovação deve fazer parte da gestão do negócio, no seu dia a dia. Como disse Philip Kotler em 1954: “A sobrevivência das empresas reside na sua capacidade de inovação e diferenciação por meio das novas marcas, conceitos e embalagens”.

Essas inovações têm criado novas oportunidades e ciclos de crescimento para as empresas convertedoras e para as usuárias dessas embalagens. Um dos maiores mercados é o de latas para bebidas (cervejas, refrigerantes e sucos). Mesmo nesse mercado tão tradicional, notamos algumas inovações, como variação de altura e diâmetro e cores do anel de abertura. Além disso, passaram a permitir aberturas maiores e refechamento.

Pudemos conferir na Europa a possibilidade de impressões com efeito tátil, como o energético Monster®. Outro exemplo é a japonesa Kirin®, que apresentou uma lata com relevo no corpo todo, criando um efeito especial com reflexos.

A marca de Tequila Sunrise® desenvolveu uma “coqueteleira” a partir de duas latas unidas por um anel plástico, de um lado esta a tequila no outro o limão. Criaram também outros coquetéis a partir da mesma proposta.

Atualmente já é possível utilizar impressão digital para latas e tubos aerossol, que possibilita a produção de pequenos lotes de embalagens, até mesmo individualizados, como nos equipamentos da AGFA®. Um bom exemplo é o case da Coca Cola® no projeto “Share a Coke®”.

Em relação às garrafas de alumínio, notamos a inovação em aplicar em novos mercados, como espumantes, vodcas, champanhes e energéticos, como exemplo a Chamane.®

Empresas têm usado essa alternativa para se posicionarem como vanguardistas, já que esse tipo de embalagem é usado apenas em campanhas sazonais.

Chamane.
Chamane.

A empresa alemã Warsteiner®, tradicional cervejeira que opera desde 1753, recentemente convidou uma série de estilistas e designers para decorar as garrafas. Nesse projeto utilizaram impressão digital, pois as quantidades eram limitadas. O sucesso foi retumbante.
Incluir foto da Warsteiner®,

Outras empresas, como a coreana Espresso Time®, optaram por garrafas mais simples decoradas com rótulos sleeve (termoencolhíveis). A repercussão entre os jovens foi relevante.
Da mesma forma, observamos que embalagens de alumínio têm grande aceitação entre os millenials, grupo de jovens nascidos a partir de 1980, público-alvo das campanhas de marketing, já que são formadores de opinião e o maior mercado do presente e do futuro.

Em relação às embalagens como “canecos” ou latas para alimentos como as de pescados, conservas e geleias, têm tido utilização crescente nos mercados europeus e americanos, em função do benefício de serem leves, não oxidarem e permitirem uma impressão de excelente qualidade. Também observamos nesses produtos a abertura com abre-fácil e tampas plásticas para o refechamento. No caso do atum da marca própria Auchan®, a impressão atinge inclusive o fundo da embalagem.

Auchan.
Auchan.

Um mercado incipiente no Brasil ainda é o das bisnagas de alumínio para alimentos, como molhos de tomate, mostardas e maionese.

Magyar Ízek.
Magyar Ízek.

Os tubos para aerossóis continuam crescendo em modelos, formas e novas aplicações. Chamou-nos a atenção a proposta inovadora da empresa chilena, Condensa®, que desenvolveu a partir do tubo uma embalagem para cápsulas. Eles incluíram uma tampa plástica com sistema de abre-e-fecha sobre um final de tubo largo, nomeado widesnap, e já estão comercializando a novidade para nutracêuticos e vitaminas para crianças. O apelo é a barreira e o fato de ser inquebrável.
Sem dúvida, uma inovação relevante nesse tipo de embalagem foi o sistema compressed de aerossóis para desodorantes, que permitiu usar menos embalagem para a mesma quantidade de produto. A novidade foi introduzida pela Unilever em 2013 e atualmente é adotada por várias empresas.

O mercado de produtos pessoais utiliza embalagens ou componentes em alumínio para diversas aplicações em maquiagem, como o batom da francesaClinique®, a embalagem do perfume Euforia® e do hidratante masculino Calvin Klein®, entre tantos outros que incorporam alumínio para expressar modernidade.

Ainda no mercado de cosméticos, em produtos antissinais e outros cremes, podemos notar a utilização das tampas de alumínio para valorizar o produto.

Aliás, o mercado de tampas de alumínio segue apoiando inovações em produtos pela conveniência e segurança, como no caso de vinhos, que graças à adoção da tampa screw, podem ser abertos e refechados com praticidade e segurança, mantendo as propriedades. Da mesma forma, notamos o uso de tampas de alumínio em águas e refrigerantes em suas versões nobres, sejam de rosquear ou abre-fácil.

Considerando as embalagens semirrígidas, percebemos grande potencial de crescimento no Brasil e na América Latina, a exemplo do que se encontra em outros continentes.

O arroz doce La Laitière®, da Nestlé®, é uma referência: corpo (ou base) impresso, bem como a tampa. Um espetáculo de comunicação em 360 graus. A qualidade de impressão, incluindo os meios-tons e a cobertura perfeita do amarelo, aguça o apetite e indica muitas possibilidades de aplicação.

A empresa alemã NIXE® também adota o mesmo tipo de embalagem com pote e tampa em alumínio, porém usa luva de papel cartão para a comunicação, provavelmente em função das quantidades produzidas.

Empresas de produtos para animais, como a espanhola Condis®, entre tantas outras que atendem os cuidadosos donos de pets, trazem práticos potes que se transformam em bandejas ou pratinhos, evitando a necessidade de sujar pratos. A marca Athena® desenvolveu uma tampa em formato para se diferenciar na gôndola.

Mercados de patês, como a austríaca-Inzerdorfer, têm utilizado as mesmas opções. No caso deste patê, o pote foi impresso e a tampa branca recebeu um autoadesivo para a identificação da variedade.

Esse mercado e o de geleias têm variado seus formatos entre retangulares, quadrados, ovais e redondos.

A mais interessante entre todas as aplicações que temos encontrado é a de pratos-prontos, como observamos em supermercados franceses, alemães e ingleses. O grande apelo é pela praticidade de levar o produto na embalagem diretamente ao forno, seja o convencional ou micro-ondas.

Há alternativas de utilização de bandejas de alumínio tipo smoothwall, em que a selagem pode ser feita diretamente na parede da bandeja. Também podem ser usadas bandejas simples com tampas plásticas termoformadas ou numa solução multi embalagem, como a da rede de supermercados de Luxemburgo, a Cactus®: a bandeja com a lasanha é inserida numa embalagem termoformada com fundo e tampa selada. Dessa forma, a vida de prateleira é prolongada.

As embalagens flexíveis seguem inovando em diversas aplicações. Nesse tipo de embalagem, a folha de alumínio é aplicada para aumentar a barreira e estender a vida de prateleira.
Um case muito recente foi o da embalagem da Aspirina® alemã, que ganhou um prêmio mundial na última edição do World PackagingOrganization (WPO) pela inovação na “entrega”: há um pré-corte a laser na embalagem que permite que a pílula praticamente pule da embalagem ao ser pressionada.

Aspirina
Aspirina

É importante estar atento às necessidades, inclusive as desconhecidas pelo consumidor final, a fim de surpreendê-lo e encantá-lo. As embalagens de alumínio têm a seu favor vários atributos interessantes, como a infinita reciclabilidade, a praticidade, a alta barreira, a leveza, o fato de não oxidar, de ser inerte, de ter altos índices de reciclagem, entre tantos outros.

O mais relevante é desenvolver uma embalagem melhor a partir de um bom projeto e estudos, pois: embalagem melhor promove um mundo melhor sempre.
Sucesso àqueles que se dedicarem a isso!

*Assunta Napolitano Camilo é diretora da FuturePack, consultoria de embalagens e do Instituto de Embalagens – Ensino & Pesquisa. Diretora do kit de Referências de Embalagens, do livro: Embalagens: Design, Materiais, Processos, Máquinas & Sustentabilidade, entre outros, e da coleção BetterPackaging Better World.

Veja também:

Opinião: Reciclar e refletir

A pandemia tem motivado, entre outras mudanças, um novo olhar sobre o nosso papel de consumidor. Muitos cidadãos adquiriram uma percepção mais consciente a respeito dos resíduos domésticos, principalmente os recicláveis. Sabe aquelas embalagens que a gente vai acumulando na área de serviço porque não temos como levar ao local adequado neste momento? Aquela pilha

Opinião: O Brasil não pode ser um eterno exportador de commodites

Ai, esta terra ainda vai cumprir seu idealAinda vai tornar-se um imenso Portugal Adoro Portugal. Mesmo assim, espero que a profecia imaginada no refrão de Fado Tropical, que usei no título, genial composição de Chico Buarque, não se concretize. Explico. Os brasileiros hoje têm todos os motivos para invejar os patrícios. Nas últimas décadas, Portugal floresceu.

Opinião: É hora de união e de ações responsáveis

Escrito por Milton Rego, presidente-executivo da ABAL* Estamos diante de uma crise inédita e desafiadora. Ao mesmo tempo em que a sociedade debate os meios mais eficazes de restringir o contágio do novo coronavírus e assim brecar a evolução da pandemia, a economia nacional e internacional começa a dar sinais preocupantes de paralisação, trazendo incerteza

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu