Consumo de latas de alumínio cresce no Brasil em 2017

Indústria de latas de alumínio cresce 4,9% em 2017

Amparadas no consumo durante a Copa e na melhora da economia, perspectivas são boas para 2018

A Alemanha e boa parte da Europa vivem um dos verões mais quentes dos últimos anos. Neste contexto, uma reportagem publicada pela agência alemã Deutsche Welle revela a falta de garrafas de vidro no País para o engarrafamento de cervejas. Explica-se: lá, há uma lei que faz vasilhames de metal ou plástico serem mais caros que os de vidro, o que acaba dificultando a expansão do uso desses materiais. Logo, o mercado alemão consome muito mais cerveja em garrafas de vidro do que em latas de alumínio. Esses fatores colaboram com o problema revelado pela Deutsche Welle.

Aqui no Brasil, no entanto, além de não passarmos por qualquer problema de desabastecimento da bebida feita com cevada, o alumínio ganha cada vez mais espaço nas cervejarias e nas mesas dos cervejeiros. Segundo dados da Associação Brasileira de Embalagem (Abre), em 2017, a indústria de latas de alumínio para bebidas cresceu 4,9%, ampliando sua participação no mercado de bebidas — este, aumentou 1% no mesmo período, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Para este ano, segundo publicado pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alumínio (Abralatas) em seu site, as perspectivas são boas e estão amparadas na realização da Copa do Mundo de Futebol (que favorece o aumento no consumo) e na melhoria, ainda que tímida, da economia.

Vale ressaltar que a lata de alumínio apresenta vantagens significativas com relação a materiais concorrentes: dentre os benefícios, protege com mais eficiência o sabor da bebida, tem maior possibilidade de personalização, gela mais rápido e é frequentemente reciclada.

Veja também:

Fim de ano: hora dos descartáveis de alumínio brilharem!

Chega o mês de dezembro e começam os preparativos para as festas de Natal e Réveillon, ocasiões em que não podem faltar os pratos típicos para a ceia. É nessa hora que surge a necessidade de uma grande quantidade de assadeiras, bandejas e fôrmas, o que aumenta a demanda por embalagens de alumínio descartáveis. Cadu

Da água ao vinho: os novos usos da latinha

Cervejas, refrigerantes, sucos e chás já se renderam, há algum tempo, aos benefícios de estarem embalados em latas de alumínio. Agora, o mercado se depara com outros tipos de bebidas antes pouco vistos na latinha, casos da água, vinho e destilado. As tendências, recheadas de versatilidade, segurança e inovação, prometem conquistar os consumidores. É o

Lata de alumínio: 30 anos de sucesso entre o consumidor brasileiro

Em 1986, a Alcan Alumínio do Brasil, atualmente Novelis, instalou o primeiro laminador a quente na unidade industrial de Pindamonhangaba (SP) para a produção de chapas especiais. Ali era dado um passo importante, o primeiro para que o Brasil começasse a produzir e comercializar, em 1989, por meio da Latasa, em Pouso Alegre (MG), uma das embalagens mais sustentáveis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu