Consumo de latas de alumínio cresce no Brasil em 2017

Indústria de latas de alumínio cresce 4,9% em 2017

Amparadas no consumo durante a Copa e na melhora da economia, perspectivas são boas para 2018

A Alemanha e boa parte da Europa vivem um dos verões mais quentes dos últimos anos. Neste contexto, uma reportagem publicada pela agência alemã Deutsche Welle revela a falta de garrafas de vidro no País para o engarrafamento de cervejas. Explica-se: lá, há uma lei que faz vasilhames de metal ou plástico serem mais caros que os de vidro, o que acaba dificultando a expansão do uso desses materiais. Logo, o mercado alemão consome muito mais cerveja em garrafas de vidro do que em latas de alumínio. Esses fatores colaboram com o problema revelado pela Deutsche Welle.

Aqui no Brasil, no entanto, além de não passarmos por qualquer problema de desabastecimento da bebida feita com cevada, o alumínio ganha cada vez mais espaço nas cervejarias e nas mesas dos cervejeiros. Segundo dados da Associação Brasileira de Embalagem (Abre), em 2017, a indústria de latas de alumínio para bebidas cresceu 4,9%, ampliando sua participação no mercado de bebidas — este, aumentou 1% no mesmo período, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Para este ano, segundo publicado pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alumínio (Abralatas) em seu site, as perspectivas são boas e estão amparadas na realização da Copa do Mundo de Futebol (que favorece o aumento no consumo) e na melhoria, ainda que tímida, da economia.

Vale ressaltar que a lata de alumínio apresenta vantagens significativas com relação a materiais concorrentes: dentre os benefícios, protege com mais eficiência o sabor da bebida, tem maior possibilidade de personalização, gela mais rápido e é frequentemente reciclada.

Veja também:

Ball investe no e-commerce de bebidas em lata com campanha exclusiva

Com foco nos novos hábitos de consumo gerados pelo isolamento social, a Ball, fabricante de latas de alumínio, acaba de lançar o canal vadelatastore.com.br, junto com a campanha “Um brinde é o melhor presente”. Por meio da ação, os consumidores poderão enviar packs de latinhas, acompanhados por um cartão exclusivo do artista Pedro Henrique, autor

“Setor de embalagens é o que menos sofre, mas houve redução do consumo”

A crise sanitária causada pelo novo coronavírus impactou vários segmentos consumidores de alumínio. No entanto, o de embalagens tem sido mais resiliente, como explicou Milton Rego, presidente-executivo da Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) durante live promovida pelo Instituto de Embalagens, no dia 11 de junho. Segundo Rego, como esse mercado está ligado aos insumos essenciais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu