products_services_alumina (1)

Hydro registra crescimento de produção no Brasil em abril e maio

Empresa pretende atingir capacidade total na refinaria de alumina neste ano
Um balanço realizado pela Hydro do Brasil mostra que os volumes de produção de bauxita e alumina aumentaram em abril e maio, em comparação ao mesmo período de 2019. Nos meses analisados, foram produzidas 1,76 milhão de t de bauxita, 94% a mais em relação ao ano anterior. Já a produção de alumina cresceu 82%, passando para 989 mil t.

Em entrevista ao Valor Econômico, John Thuestad, vice-presidente de Bauxita e Alumina da Hydro do Brasil, informou que a companhia está prestes a alcançar o nível de atividade de dois anos atrás, com a produção de alumina atingindo a sua capacidade até o final de 2020 — com cerca de 6,1 milhões de t —, graças ao fim do embargo da refinaria de Alunorte há cerca de um ano.

De acordo com o executivo, as vendas e as exportações mantiveram-se nos mesmos volumes, apesar da pandemia causada pelo novo coronavírus. No entanto, o preço da alumina foi o mais afetado, provocando um impacto na rentabilidade.
“Hoje operamos com 95% de nossa capacidade. No mercado de bauxita, alumina e metais primários, a pandemia não afetou muito. Seguimos nos níveis normais e eventuais ajustes que aconteceram ao redor do mundo acabam sendo compensados pela retomada da China”, disse.

Veja também:

Estudo aponta futuro promissor para a indústria do alumínio

Uma avaliação inicial sobre o impacto da pandemia da Covid-19 na demanda global de alumínio feita pela consultoria CM Group, a pedido do International Aluminium Institute (IAI), revela que embora seja inevitável a queda em 2020, ainda há otimismo significativo para os próximos 30 anos: a previsão é que a demanda possa atingir 298 milhões

Alunorte e UFPA vão realizar pesquisa sobre o uso do resíduo de bauxita

A Alunorte, refinaria de alumina da Hydro, e a Universidade Federal do Pará (UFPA) firmaram parceria para um projeto de pesquisa, com duração de 18 meses, para estudar a viabilidade de produção de cimento de baixo carbono a partir da mistura do resíduo de bauxita com outras matérias-primas abundantes no Norte do Brasil. A iniciativa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu