Resíduo de Bauxita - Filtro Prensa ALN (3) (1) (1)

Hydro investe em pesquisa para uso de resíduos de bauxita na construção civil

Estudo em parceria com a USP tem prazo de 2 anos e avaliará a produção de pisos cimentícios

A multinacional norueguesa Hydro assinou um convênio com a Universidade de São Paulo (USP) para a realização de um projeto de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) sobre o uso do resíduo de bauxita – proveniente da mineração de suas operações – na construção civil. A companhia aplicará R$ 2,2 milhões nesta iniciativa que terá duração de 2 anos.

O objetivo inicial será analisar o uso do resíduo para a produção de pisos cimentícios que se mostrem vantajosos do ponto de vista ambiental e ao longo de seu ciclo de vida. A pesquisa será conduzida pelo Laboratório de Microestrutura e Ecoeficiência de Materiais (LME) do Departamento de Engenharia de Construção Civil da Escola Politécnica da USP.

“Temos investido fortemente na busca por alternativas de uso mais sustentáveis para o resíduo de bauxita. A parceria com a USP reforça nosso alcance e portfólio em pesquisa e desenvolvimento. Este grupo de pesquisadores é reconhecido internacionalmente por trabalhos com esse tipo de resíduo e pelo desenvolvimento de produtos cimentícios ecoeficientes”, afirma Marcelo Montini, consultor sênior químico da área de Tecnologia da Hydro.

O uso de matérias-primas alternativas tem o potencial de reduzir a pegada de carbono e contribuir com a sustentabilidade da indústria do cimento, que hoje é responsável por 10% das emissões de CO2 no mundo. A introdução dos novos produtos no mercado também é uma oportunidade de geração de negócios, emprego e renda, promovendo o desenvolvimento da região.

Veja também:

Esquadrias de alumínio aumentam o conforto e a eficiência energética das edificações

Além de valorizar projetos arquitetônicos, uma fachada bem elaborada desempenha a função de proteção contra agentes externos. Com a proximidade do verão e o aumento das temperaturas, além das festas de fim do ano — geradoras de ruídos —, a qualidade dessas fachadas é colocada à prova.  Neste contexto, a indústria do alumínio fornece sistemas

Curso de extensão apresenta o alumínio para novos profissionais da arquitetura e construção

A falta de uma disciplina específica sobre o alumínio nas grades curriculares dos cursos de arquitetura e urbanismo, e a consequente carência de especificadores especializados no metal, motivou a Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) a desenvolver um curso de extensão universitária gratuito sobre inovações e tendências deste mercado. A primeira edição, com o tema “O

Com nova planta, Aluxa amplia produção de perfis de alumínio

O novo complexo fabril da Aluxa, localizado em Flores da Cunha, na Serra Gaúcha, tem 6 mil m² de área construída e possibilizará o aumento da capacidade de produção de perfis de alumínio de 80 t para 130 t por mês. O plano de crescimento da empresa prevê ainda a instalação de uma nova linha

Rolar para cima