p_1042

Hydro é parceira em consórcio para pesquisas de sustentabilidade na mineração

Professores e pesquisadores de instituições parceiras do BRC poderão inscrever suas propostas de pesquisas até o dia 21 de outubro

O Consórcio de Pesquisa de Biodiversidade Brasil-Noruega (BRC) está recebendo inscrições de propostas de pesquisas para a preservação da biodiversidade na mineração. Professores e pesquisadores das áreas de Biologia, Engenharia Florestal e Ambiental, Agronomia e Química das instituições parceiras do BRC poderão inscrever suas propostas de pesquisas até o dia 21 de outubro por meio do site www.brcbn.com, onde o edital também pode ser consultado.

Estabelecido em 2013, o BRC é formado pela Universidade de Oslo (UiO), da Noruega, pelo Museu Paraense Emílio Goeldi, pela Universidade Federal do Pará (UFPA), pela Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) e pela Hydro. O objetivo é fortalecer a capacidade da companhia para a preservação da biodiversidade natural das áreas onde a Hydro realiza a mineração da bauxita.

O edital contempla propostas embasadas em três áreas temáticas: fluxos de gases de efeitos estufa e emissões de carbono; levantamento e monitoramento de biodiversidade; e restauração de florestas tropicais, incluindo sua diversidade e solos.

As propostas serão analisadas pelo Comitê de Avaliação Técnico e Cientifico nomeado pelo BRC e serão avaliadas quanto à sua qualidade e contribuição científica aos tópicos de recolonização das áreas mineradas; restauração ambiental de sistemas de disposição de rejeitos; dispersão de fauna silvestre devido às atividades da mineração; novas técnicas de monitoramento da biodiversidade; e efeitos da mineração nos recursos hidrológicos.

Outras instituições também podem participar, desde que atendam aos critérios estabelecidos no edital. Os projetos propostos devem incluir a participação de, pelo menos, dois membros do BRC.

Veja também:

Moderno e futurista, ACM destaca-se pela pluralidade

Uma lâmina de alumínio, núcleo de polietileno e outra lâmina do metal. Essa é a receita do “sanduíche” que forma o painel de alumínio composto, o ACM, sigla proveniente do inglês aluminum composite material. O composto chegou ao Brasil na década de 1990, após fazer sucesso na Europa e Estados Unidos. Inovador, versátil, durável e

Fim de ano: hora dos descartáveis de alumínio brilharem!

Chega o mês de dezembro e começam os preparativos para as festas de Natal e Réveillon, ocasiões em que não podem faltar os pratos típicos para a ceia. É nessa hora que surge a necessidade de uma grande quantidade de assadeiras, bandejas e fôrmas, o que aumenta a demanda por embalagens de alumínio descartáveis. Cadu

Lata de alumínio: 30 anos de sucesso entre o consumidor brasileiro

Em 1986, a Alcan Alumínio do Brasil, atualmente Novelis, instalou o primeiro laminador a quente na unidade industrial de Pindamonhangaba (SP) para a produção de chapas especiais. Ali era dado um passo importante, o primeiro para que o Brasil começasse a produzir e comercializar, em 1989, por meio da Latasa, em Pouso Alegre (MG), uma das embalagens mais sustentáveis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu