10982436176_626cb0bc10_b

Governo do Pará suspende embargo à produção da Alunorte

O embargo sofrido pela unidade da Alunorte em Barcarena (PA) por parte da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Estado do Pará (Semas) foi suspenso. O órgão emitiu nota técnica atestando que a companhia pode retomar suas operações normais com segurança.

Esta é mais uma notícia positiva ligada ao caso. No fim do ano passado, um estudo realizado por professores da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) também concluiu que a Alunorte, do ponto de vista da gestão hídrica, pode produzir com segurança a 100% de sua capacidade. “A decisão da Semas é um reconhecimento importante de que as operações da Alunorte são seguras. Continuaremos o diálogo com as autoridades buscando a plena retomada de nossa produção”, diz John Thuestad, vice-presidente Executivo da área de negócios Bauxita e Alumina da Hydro no Brasil.

Mesmo com a suspensão do embargo da produção pela Semas, a Alunorte não pôde retomar a sua operação plena. Isso porque o embargo emitido pela Justiça Federal permanece válido. Procurada por nossa reportagem, a empresa esclarece que continua a fornecer documentos e informações necessárias à justiça e que segue comprometida com o TAC e TC assinados em 2018. A Alunorte informará a Justiça Federal sobre a decisão da Semas.

Entenda o caso
Em fevereiro de 2018, moradores de Barcarena denunciaram que a água da chuva que se acumulou em diferentes pontos da cidade estava em tom vermelho. Dias depois, o Instituto Evandro Chagas (IEC) divulgou um laudo apontando vazamento de bauxita das operações da Hydro Alunorte — um dos depósitos de resíduos da mineração teria transbordado. Por isso, a empresa teve a sua operação embargada pela Semas e justiça.

No fim do ano passado, um parecer técnico-científico independente, elaborado pela Associação Técnico Científica Ernesto Luiz de Oliveira Júnior (Atecel), ligada à UFCG, disse que não houve transbordamento das áreas de depósito de resíduos.

Sobre o caso, a Hydro Alunorte informa que “várias investigações e inspeções de autoridades, como o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), a Semas, a Defesa Civil e a Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico de Barcarena (Semade), confirmaram que não houve vazamentos ou transbordamento dos depósitos de resíduos de bauxita da refinaria”.


Veja também:

Moderno e futurista, ACM destaca-se pela pluralidade

Uma lâmina de alumínio, núcleo de polietileno e outra lâmina do metal. Essa é a receita do “sanduíche” que forma o painel de alumínio composto, o ACM, sigla proveniente do inglês aluminum composite material. O composto chegou ao Brasil na década de 1990, após fazer sucesso na Europa e Estados Unidos. Inovador, versátil, durável e

Fim de ano: hora dos descartáveis de alumínio brilharem!

Chega o mês de dezembro e começam os preparativos para as festas de Natal e Réveillon, ocasiões em que não podem faltar os pratos típicos para a ceia. É nessa hora que surge a necessidade de uma grande quantidade de assadeiras, bandejas e fôrmas, o que aumenta a demanda por embalagens de alumínio descartáveis. Cadu

Lata de alumínio: 30 anos de sucesso entre o consumidor brasileiro

Em 1986, a Alcan Alumínio do Brasil, atualmente Novelis, instalou o primeiro laminador a quente na unidade industrial de Pindamonhangaba (SP) para a produção de chapas especiais. Ali era dado um passo importante, o primeiro para que o Brasil começasse a produzir e comercializar, em 1989, por meio da Latasa, em Pouso Alegre (MG), uma das embalagens mais sustentáveis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Menu